Vexilologia

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser acadêmico)

A vexilologia é o estudo das bandeiras, estandartes e insígnias e das suas simbologias, usos, convenções etc. Este termo foi criado por Whitney Smith, dos Estados Unidos, com vasta obra publicada sobre o assunto. O seu nome provém de vexilo, nome dos estandartes utilizados no exército romano.

Uma pessoa que estuda as bandeiras é chamada "vexilologista". Por extensão, uma pessoa que desenha bandeiras é chamado "vexilógrafo".

A FIAV (Federação Internacional das Associações Vexilológicas) coordena várias associações de entusiastas deste campo do conhecimento. A cada dois anos esta organização promove congressos de vexilologia.

Princípios do desenho de bandeiras

Os desenhos das bandeiras apresentam um certo número de condicionantes que abrangem preocupações práticas, circunstâncias históricas e perspectivas culturais.

A primeira das preocupações práticas de vexilógrafo é a necessidade do seu desenho ser fabricado (muitas vezes em massa), transformando-se numa peça de tecido que irá ser hasteada em locais exteriores para representar aquilo que identifica.

O projecto de uma bandeira também pode ser um processo histórico, no qual o desenho actual, muitas vezes, baseia-se num antecedente histórico. Existem, actualmente, famílias de bandeiras com origem num antepassado único, como são o caso das bandeiras escandinavas, baseadas na Bandeira da Dinamarca e das bandeiras africanas, baseadas na Bandeira da Etiópia.

Também, certas culturas, condicionam o desenho das bandeiras, através da imposição de regras específicas, como é o caso da heráldica.

Com as condicionantes acima descritas, consideram-se cinco princípios base para um bom desenho de uma bandeira:

  1. Simplicidade: a bandeira deverá ser tão simples que permita a uma criança desenhá-la de memória;
  2. Simbolismo: as imagens, cores e padrões da bandeira deverão relacionar-se directamente com aquilo que ela simboliza;
  3. Limitar o número de cores: utilizar 2 ou 3 cores no máximo, escolhendo cores básicas e contrastantes entre si;
  4. Evitar legendas ou emblemas: evitar colocar na bandeira legendas ou emblemas complexos;
  5. Distintividade: criar um desenho distintivo, que não se confunda com o de outras bandeiras.
En otros idiomas
العربية: علم الرايات
azərbaycanca: Veksillologiya
беларуская (тарашкевіца)‎: Вэксілялёгія
български: Вексилология
bosanski: Veksilologija
čeština: Vexilologie
Cymraeg: Banereg
Deutsch: Vexillologie
English: Vexillology
Esperanto: Veksilologio
español: Vexilología
eesti: Liputeadus
euskara: Bexilologia
français: Vexillologie
galego: Vexiloloxía
hrvatski: Veksilologija
Bahasa Indonesia: Veksilologi
italiano: Vessillologia
日本語: 旗章学
한국어: 기학
lietuvių: Veksilologija
latviešu: Veksiloloģija
Nederlands: Vexillologie
polski: Weksylologia
română: Vexilologie
srpskohrvatski / српскохрватски: Veksilologija
Simple English: Vexillology
slovenčina: Vexilológia
slovenščina: Zastavoslovje
српски / srpski: Вексилологија
svenska: Vexillologi
ślůnski: Weksylolůgijo
Tagalog: Beksilolohiya
Türkçe: Veksilloloji
українська: Вексилологія
اردو: علم درفش
Tiếng Việt: Kỳ học
中文: 旗幟學
Bân-lâm-gú: Kî-chhì-ha̍k