Transplante de fígado

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2013). Por favor, referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser acadêmico)

Transplante de fígado ou transplante hepático é um procedimento cirúrgico no qual um fígado é transplantado para outra pessoa. É uma conduta terapêutica indicada para pacientes com doenças crônicas ou incuráveis do fígado e/ou da vesícula biliar. Consiste na realização de uma cirurgia que substitui o órgão doente por um fígado saudável, doado pela família de um paciente diagnosticado com morte encefálica. Outra modalidade possível de transplante de fígado é a do doador vivo, em que um voluntário aceita doar apenas uma parte de seu fígado para o paciente, cientes de que este órgão tem a capacidade intrínseca de regenerar-se com o tempo.

História

O primeiro transplante de fígado foi feito em 1963 por uma equipe cirúrgica liderada pelo Dr. Thomas Starz em Denver, Colorado, Estados Unidos. Dr. Starzl desempenhou vários transplantes adicionais ao longo dos anos seguintes antes que o primeiro sucesso de curto prazo pudesse ser atingido em 1967, quando houve o primeiro paciente que sobreviveu durante 1 ano após o transplante. Apesar do desenvolvimento de técnicas cirúrgicas viáveis, o transplante de fígado permaneceu experimental durante a década de 1970, com um resultado de apenas 25% dos pacientes com sobrevida de 1 ano. A introdução do medicamento ciclosporina por Sir Roy Calne melhorou notavelmente os resultados dos pacientes, e nos anos 1980 viveu o reconhecimento do transplante de fígado como um tratamento clínico padrão para adultos e crianças com indicação apropriada. Hoje o transplante de fígado é realizado em todos os continentes. Nos Estados Unidos, a taxa de sobrevivência no primeiro ano é de 80-85% e os resultados continuam a melhorar, ainda que o transplante de fígado ainda seja um procedimento com complicações frequentes. No entanto, apesar do sucesso, a oferta de enxertos de doadores não-vivos é muito menor do que o número de inscritos na fila de transplante, uma realidade que ajudou a promover o desenvolvimento das técnicas de doador vivo.

En otros idiomas