Torneio Rio–São Paulo

Torneio Rio-São Paulo
Torneio Rio-São Paulo
Torneio Rio-São Paulo - Troféu.png
Dados gerais
OrganizaçãoFPF
Edições28
Local de disputa Rio de Janeiro- São Paulo,  Brasil
SistemaPontos Corridos e Mata-Mata
editar

O Torneio Rio-São Paulo foi um torneio de futebol interestadual disputado por clubes do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Foi realizado pela primeira vez em 1933, mas só passou a ser disputada anualmente a partir de 1950. Em 1954, o torneio passou a ser oficialmente chamado "Torneio Roberto Gomes Pedrosa", ainda contando apenas com clubes dos dois estados.[1] Entretanto, o certame acabou ficando popularmente mais conhecido com a sua nomenclatura original, sendo nomeado como Torneio Rio-São Paulo mesmo nos boletins oficiais da CBD.[2]

Em 1967 foi ampliado, vindo a contar com a participação de clubes de outros estados, abandonando o nome como era mais designado, "Rio-São Paulo", e passando a ser chamado apenas de Torneio Roberto Gomes Pedrosa ou Robertão (devido a sua ampliação e caráter nacional) e Taça de Prata a partir de 1968, quando foi encampado pela CBD, passando a ser considerado edições do Campeonato Brasileiro.

Uma nova edição do Torneio Rio-São Paulo só voltou a ser disputada na década de 1990, tendo tido a sua última edição em 2002.

História

1933: primeira edição

O Torneio Rio-São Paulo foi realizado pela primeira vez em 1933. Contava com a participação de, por ordem final da colocação: Palestra Itália (campeão), São Paulo, Portuguesa de Desportos, Bangu, Vasco, Corinthians, Fluminense, America (RJ), Santos, Bonsucesso, AA São Bento e Ypiranga (SP).

Com exceção do Flamengo e do Sírio, que não disputaram o Rio-São Paulo, as partidas do Campeonato Carioca organizado pela Liga Carioca de Football (onde o Botafogo não participava) e do Campeonato Paulista valiam para o torneio interestadual.

Na partida que decidiu este torneio, o Palestra venceu o Fluminense por 2 a 1 no Estádio Palestra Itália, na última rodada, perante cerca de 25.000 torcedores. Incorretamente, muitos sites e até livros, apontam a jogo que definiu o título como sendo o confronto paulista entre Palestra e São Paulo da Floresta, mas este aconteceu na 19ª rodada, do total de 22, com o Palestra tendo sido campeão com apenas 2 pontos de vantagem sobre o São Paulo, de modo que a afirmação correta é a de que o clássico paulista acabou dando a vantagem que definiu o título posteriormente.[3]

1934: tentativa

Uma segunda edição do Torneio Rio-São Paulo chegou a ser planejada, em 1934. Para tornar o torneio mais curto, foi criada uma fase classificatória, com um grupo paulista e outro carioca. Na segunda fase os três melhores de cada grupo se enfrentariam em sistema eliminatório.

A fase classificatória chegou a ser iniciada, porém com o abandono de Palestra Itália, Vasco e Corinthians, que ingressaram na Confederação Brasileira de Desportos após esta aceitar o regime profissional, o torneio foi interrompido. Apenas o grupo do Rio de Janeiro tinha um campeão definido - o Flamengo.[4]

Anos 1940

Sua segunda edição só voltou a ocorrer em 1940 (19 de fevereiro),[5] entretanto, acabou sendo suspenso, não havendo campeão, tendo também as partidas dos estaduais valendo para esta edição.

Em 1940 foram disputadas oito rodadas deste torneio, que terminou abandonado pelos clubes paulistas quando a dupla Fla-Flu o liderava e o título não pôde ser homologado, pelo fato de não ter sido disputado o returno do torneio, como era previsto no regulamento da competição.[6] Já o Diário A Noite, de 7 de abril de 1959, escreveu que os resultados de até então foram considerados definitivos e a dupla Fla-Flu apontada com campeã,[7] embora não tenha o título sido homologado pela CBD.

Em 1942, foi realizado um torneio amistoso semelhante ao Rio-São Paulo, porém, com apenas 5 equipes (Corinthians, São Paulo, Palestra Itália, Flamengo e Fluminense), o Torneio Quinela de Ouro, e com todos os jogos sendo realizados no Estádio do Pacaembu.[8] Nesta competição, o campeão foi o Corinthians, porém, a FERJ e a FPF não reconhecem esta competição como edição oficial do Torneio Rio-São Paulo.

1950-1966: início da regularidade

O Rio-São Paulo tornou-se uma competição regular apenas em 1950, ano de sua terceira edição, ocorrendo anualmente até 1966, quando foram convidados clubes de outros estados e passou a ser chamado pelo seu nome oficial, Torneio Roberto Gomes Pedrosa.

Em 1951 foi realizado o único Torneio Início do Rio-São Paulo, vencido pelo Bangu Atlético Clube.

Ainda em 1951 o torneio ficou marcado pela decisão entre Palmeiras e Corinthians, quando o time alviverde levou a melhor. Após equilíbrio na fase de pontos onde o Palmeiras ganhou do Flamengo por 7 a 1, perdeu para o America por 6 a 4, venceu o São Paulo por 2 a 0, venceu a Portuguesa e o Vasco por 4 a 1, venceu o Bangu por 2 a 0, mas perdeu para o Corinthians por 3 a 0, foi necessária uma final entre os dois rivais por haver empate em número de pontos. Nas finais deu Palmeiras, que venceu os dois jogos, o primeiro por 3 a 2 e o segundo por 3 a 1.

O Corinthians conquistou o torneio em 1953 e 1954, repetindo o que ja havia realizado em 1950.

A competição contou ainda com as melhores formações da história da Portuguesa, a qual conquistou as edições de 1952 e 1955.

Em 1956 os cariocas tentaram adiar a competição para o segundo semestre do ano, alegando que seriam prejudicados com as convocações da Seleção Brasileira, que disputaria o Campeonato Sul-Americano no mesmo período. Os paulistas se recusaram, alegando que a competição já fazia parte do calendário nacional e um adiamento comprometeria a receita dos clubes. Mesmo com a Confederação Brasileira de Desportos intercedendo a favor dos paulistas, os cariocas retiraram-se mesmo da competição. O Torneio Roberto Gomes Pedrosa desse ano foi disputado apenas por paulistas e considerado sem efeito como um Torneio Rio-São Paulo.[9]

Em 1957, o Fluminense foi a primeira equipe carioca a conquistar o Torneio Rio-São Paulo, único campeão invicto da História dessa competição, repetindo a conquista em 1960, quando teve apenas uma derrota. Nas 2 edições, Waldo Machado, o maior artilheiro da história Tricolor, foi o artilheiro da competição.[10]

Em 1964 o Botafogo e o Santos terminaram o campeonato de pontos corridos empatados, e com isso foi forçado um jogo extra. No primeiro jogo, o Botafogo derrotou seu adversário por 3 a 2 em 10 de janeiro de 1965. O segundo compromisso porém, no qual o Botafogo dependia apenas de um empate, acabou sendo cancelado pois os dois times saíram em excursão, logo, Botafogo e Santos foram declarados campeões.[11]

O campeonato de 1965 apresentou ao país o time conhecido como "Academia do Palmeiras" que sagrou-se campeão com goleadas históricas obtidas, inclusive no Maracanã.

Em 1966, outra divisão de título ocorreu. Botafogo, Corinthians, Santos e Vasco da Gama terminaram empatados na primeira colocação de um campeonato de pontos corridos, o que forçaria a realização de um quadrangular extra (também chamado à época de "supercampeonato")[carece de fontes?].

Todavia, devido aos preparativos da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo FIFA de 1966 que convocou 47 atletas para treinar, Botafogo, Santos, Corinthians e Vasco foram declarados campeões por medida administrativa pelas Federações do Rio e São Paulo, embora como em 1940, o regulamento previsse a conclusão do torneio.

Em 1967 clubes de outros estados passaram a participar do torneio, que perdeu o nome de Torneio Rio-São Paulo, passou a ter um âmbito nacional e passou a ser conhecido por seu nome original, Torneio Roberto Gomes Pedrosa, sendo substituído em 1971 pelo Campeonato Nacional de Clubes, mantendo com poucas modificações a fórmula dos anos anteriores em suas edições iniciais.

1993 e 1997-2002: recomeço e nova interrupção

Em 1993, o Torneio Rio-São Paulo voltou a ser realizado e teve como campeão o Palmeiras, e retornou sua regularidade em 1997. Desde então, oito equipes participaram de todas as edições, sendo elas: Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco do Rio de Janeiro, e Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo , de São Paulo. Outros clubes completaram a lista de participantes de cada edição. Neste mesmo ano, foi realizado o Torneio Ricardo Teixeira, com equipes cariocas e paulistas relativamente de menor expressão, segundo a Folha de S.Paulo, uma espécie de "segunda divisão do Torneio Rio-São Paulo",[12] e o Torneio João Havelange, organizado pela CBF entre os campeões carioca, paulista, do Torneio Rio-São Paulo e do Torneio Ricardo Teixeira.

Em 1997, o torneio foi disputado em "mata-mata" com jogos de ida e volta. Em 1998, um ano depois de ter começado a ser disputado anualmente outra vez, o novo formato da competição colocava, em dois grupos de quatro equipes, dois clubes de cada Estado. Classificavam-se para as semifinais os dois primeiros de cada grupo. Este modelo foi empregado até 2001.

Última edição - especial

Em 2002, foi criado o Rio-São Paulo com 16 clubes, com o objetivo de suprimir os Estaduais. Este modelo foi disputado pelas equipes titulares dos clubes enquanto, no caso do Rio de Janeiro, os reservas disputavam com as equipes pequenas o Carioca (chamado de Caixão naquele ano, por conta da briga das Organizações Globo com o presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, Eduardo Viana, cujo apelido era Caixa D'Água), e, no caso de São Paulo, o Paulistão foi disputado apenas por clubes pequenos que não estavam no Torneio Rio-São Paulo.

O Corinthians sagrou-se campeão naquele ano em cima do rival São Paulo, tornando-se, ao lado de Palmeiras e Santos, um dos maiores vencedores do certame, com cinco conquistas ao longo dos anos. Nesta última edição, as piores equipes de Rio de Janeiro e São Paulo seriam rebaixadas aos Campeonatos Estaduais, e seriam substituídas pelos melhores dos estaduais Paulista e Carioca, porém não houve mais a disputa deste torneio interestadual.

Com o advento do Campeonato Brasileiro por pontos corridos em 2003 pela CBF, o calendário do futebol brasileiro não poderia mais abrigar esta e outras competições interestaduais, prevalecendo, ao lado do campeonato nacional, os campeonatos estaduais.

Tentativa de equiparação ao Campeonato Brasileiro

Foi divulgado que a Portuguesa de Desportos cogitou pedir a unificação do Torneio Rio-São Paulo com o Campeonato Brasileiro, com o argumento de que o Torneio Rio-São Paulo originou o "Robertão", competição recentemente oficializada pela CBF como sendo Campeonato Brasileiro,[13] ou seja, o pedido se daria com base no conceito de "sucessão" de competições, que tem embasado pedidos de reconhecimento recentes, como os casos do Campeonato Sul-Americano de Campeões, da Copa Rio Internacional e do próprio "Robertão".

Em números, São Paulo e Rio de Janeiro são os dois estados brasileiros com mais títulos nas competições nacionais de clubes. O jornal espanhol El Mundo Deportivo de 14 de junho de 1951 chama o Torneio Rio-São Paulo de "campeonato brasileiro oficioso", afirmando que os dois estados possuíam os melhores times do Brasil.[14]