Tibério

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tibério (desambiguação).
Tibério
Imperador Romano
Reinado18 de setembro de 14
a 16 de março de 37
PredecessorAugusto
SucessorCalígula
 
EsposasVipsânia Agripina
Júlia, a Velha
DescendênciaDruso Júlio César
Germânico (adotivo)
Druso César (adotivo)
DinastiaJúlio-Claudiana
Nome completo
Tibério Júlio César
Tibério Cláudio Nero
Nascimento16 de novembro de 42 a.C.
Roma, Itália,
República Romana
Morte16 de março de 37 (77 anos)
Miseno, Itália,
Império Romano
EnterroMausoléu de Augusto, Roma, Itália
PaiTibério Cláudio Nero
Augusto (adotivo)
MãeLívia Drusa
ReligiãoPaganismo romano

Tibério Cláudio Nero César (em latim Tiberius Claudius Nero Cæsar; 16 de novembro de 42 a.C – 16 de março de 37 d.C), foi imperador romano 18 de setembro de 14 até a sua morte, a 16 de março de 37. Era filho de Tibério Cláudio Nero e Lívia Drusa.[1] Foi o segundo imperador de Roma pertencente à dinastia júlio-claudiana, sucedendo ao padrasto Augusto. Foi durante o seu reinado que, na província romana da Palestina, Jesus foi crucificado.

Sua família aparentou-se com a família imperial quando a sua mãe, com dezenove anos e grávida, se divorciou do seu pai e contraiu matrimônio com Otaviano (38 a.C), o futuro imperador Augusto.[1] Mais tarde, ele casou-se com a filha de Augusto, Júlia, a Velha.[2] Foi adotado formalmente por Augusto a 26 de junho de 4 d.C, passando a fazer parte da gente Júlia. Após a adoção, foram-lhe concedidos poderes tribunícios por dez anos. Ao longo da sua vida, Tibério viu desaparecer progressivamente todos os seus possíveis rivais na sucessão graças a uma série de oportunas mortes.

Os descendentes de Augusto e Tibério continuariam a governar o império durante os próximos quarenta anos, até a morte de Nero. Como tribuno, reorganizou o exército, reformando a lei militar e criando novas legiões. O tempo de serviço na legião passou para os vinte anos, para dezesseis anos na guarda pretoriana. Após cumprir o tempo de serviço, os soldados recebiam um pagamento, cujo valor provinha de um imposto de cinco porcento sobre as heranças. Porém, posteriormente, inimistou-se com o imperador Augusto, e viu-se obrigado a exilar-se em Rodes. Contudo, após a morte dos netos maiores de Augusto e previsíveis herdeiros do Império, Caio César e Lúcio Júlio César, ambos desterrados por traição do seu neto menor, Agripa Póstumo, Tibério foi chamado pelo imperador e nomeado sucessor. Em 13 d.C, os poderes de Augusto e de Tibério foram prorrogados por dez anos. Contudo, Augusto faleceu pouco depois (19 de agosto de 14 d.C), ficando Tibério como único herdeiro. Tibério sucedeu a Augusto em 19 de agosto de "767 ab urbe condita", correspondente ao ano 14 d.C. Após a sua entronização, todos os poderes foram transferidos para Tibério.

Tibério converteu-se num dos maiores generais de Roma. Nas suas campanhas na Panônia, Ilírico, Récia e Germânia, Tibério assentou as bases daquilo que posteriormente se tornaria a fronteira norte do império. Contudo, Tibério chegou a ser recordado como um obscuro, recluído e sombrio governante, que realmente nunca quis ser imperador; Plínio, o Velho chamou-o de "tristissimus hominum" ("o mais triste dos homens").[3] Após a morte de seu filho, Júlio César Druso em 23, a qualidade do seu governo declinou e o seu reinado terminou em terror. Em 26 d.C, Tibério auto-exilou-se de Roma e deixou a administração nas mãos dos seus dois prefeitos pretorianos Lúcio Élio Sejano e Quinto Névio Cordo Sutório Macro. Tibério adotou o seu sobrinho-neto Calígula para que o sucedesse no trono imperial.

Juventude

Origens

Busto de Nero Cláudio Druso, irmão de Tibério

Tibério Cláudio Nero Germânico Augusto (Tiberius Claudius Nero Germanicus Augustus) nasceu a 16 de novembro de 42 a.C, em Roma.[4] Era filho de Tibério Cláudio Nero e Lívia Drusila, sendo irmão de Nero Cláudio Druso.[1] Em 38 a.C, a sua mãe divorciou-se do seu pai e casou-se com o imperador Caio Júlio César Octaviano pouco depois, enquanto estava ainda grávida de Nero Cláudio Druso, que nasceu três meses depois do casamento, em 38 a.C.[1]

Há poucos dados sobre a juventude de Tibério. Em 32 a.C, realizou a sua primeira aparição pública com a idade de nove anos ao emitir a oração fúnebre pela morte do seu pai biológico.[5] Em 29 a.C, tanto ele como o seu irmão participaram no desfile triunfal do seu pai adotivo, que comemorava a derrota de Marco Antônio e Cleópatra na Batalha de Áccio.[5] Em 26 a.C Augusto ficou gravemente doente, instalando-se a ameaça do mundo romano cair novamente no caos. Embora os historiadores antigos defendam a teoria de que Marco Vipsânio Agripa ou Marco Cláudio Marcelo poderiam sucedê-lo aquando da sua morte, o assunto sucessório converteu-se no maior problema de Augusto.

Como resposta, selecionou uma série de possíveis herdeiros, entre eles Tibério e o seu irmão Druso. Em 24 a.C, com dezessete anos de idade, Tibério começou na política sob comando de Augusto, sendo nomeado questor.[6] Foi-lhe concedido o direito de se apresentar às eleições de cônsul e pretor cinco anos antes da idade requerida pela lei.[7] Os mesmos direitos foram concedidos ao seu irmão Druso.

Carreira civil e militar

Marco Vipsânio Agripa, rival de Tibério na sucessão. Museu do Louvre

Pouco depois, Tibério iniciou na corte a sua carreira como advogado,[8] e é de supor que foi nesse momento que despertou a sua paixão pela retórica grega. Em 20 a.C Tibério foi enviado ao Oriente sob o comando de Agripa com o objetivo de recuperar as águias das legiões que os partos arrebataram a Marco Licínio Crasso (Batalha de Carras, 53 a.C), Lúcio Decídio Saxa ( 40 a.C) e Marco Antônio ( 36 a.C).[7] Após vários anos de negociação, Tibério liderou uma potente força ao interior da Armênia com o objetivo de tornar o antigo reino num estado-cliente de Roma e criar com isso uma ameaça sobre a fronteira parta. Augusto chegou a um compromisso segundo o qual eram devolvidos os poderes ao Reino permitindo-lhe permanecer neutral entre os dois poderes.[7]

Após regressar do Oriente em 19 a.C, Tibério casou-se com Vipsânia Agripina, filha do melhor amigo e general de Augusto, Marco Vipsânio Agripa.[9] Foi nomeado pretor e enviado, no comando das suas legiões, a unir-se às campanhas do seu irmão Druso no Ocidente. Enquanto Druso centrou as suas forças na Gália Narbonense e ao longo dos Alpes, Tibério combateu as tribos dos Alpes e da Gália Transalpina. Em 16 a.C descobriu a fonte do Danúbio e cruzou-o pela metade do seu curso. Quando voltou para Roma em 13 a.C, Tibério foi designado cônsul, e por volta desse mesmo ano nasceu o seu filho Júlio César Druso.

A morte de Agripa em 12 a.C elevou Druso e Tibério na escala sucessória. Tibério solicitou a Augusto divorciar-se da sua esposa e casar-se com Júlia, a Velha, filha de Augusto e viúva de Agripa.[9] Este matrimônio implicou um ponto de inflexão na vida de Tibério. O matrimônio com Júlia nunca foi feliz e produziu um só filho que faleceu durante a infância.[9] Segundo antigas fontes, um dia Tibério foi para a casa de Vipsânia chorando, para lhe rogar o seu perdão.[9] Pouco depois acordou com Augusto que Tibério e Vipsânia nunca se voltariam a encontrar. A carreira de Tibério continuou crescendo e, depois das mortes de Agripa e do seu irmão Druso em 9 a.C, converteu-se num claro candidato à sucessão. Em 12 a.C, foi-lhe concedido o comando dos exércitos da Panônia e da Germânia, províncias muito instáveis. Regressou a Roma e foi designado cônsul pela segunda vez em 7 a.C e em 6 a.C concederam-lhe poderes tribunícios (potestas tribunícia) e o controle do Oriente..[10]

Retiro em Rodes

Villa de Tibério em Sperlonga, a meio caminho entre Roma e Nápoles

Em 6 a.C, quando estava prestes a assumir o comando do Oriente e a tornar-se assim no segundo homem mais poderoso de Roma, anunciou a sua retirada da política e mudou-se para Rodes. Os motivos desta repentina retirada não são claros.[11] Antigos historiadores especularam com a possibilidade de Tibério sentir-se como uma solução provisória quando Augusto adotou os filhos de Júlia e Agripa, Caio César e Lúcio César e os favoreceu ao longo da sua carreira tal e qual fizera com Druso e com o próprio Tibério. O futuro imperador pode ter pensado que quando os seus enteados atingissem a maioridade substituí-lo-iam. Também pode ter influido o conhecido comportamento promíscuo da sua esposa.[12] Segundo Tácito, foram motivos pessoais os que impulsionaram Tibério a retirar-se para Rodes, onde começou a odiar a sua esposa e a ansiar pela sua ex-esposa Vipsânia.[13] Tibério encontrava-se casado com uma mulher que o aborrecia, que o humilhava com as públicas escapadas noturnas que protagonizava, e que o proibia ver a mulher que amava.

Independentemente dos motivos de Tibério, a retirada foi desastrosa para os planos sucessórios de Augusto. Caio e Lúcio estavam ainda na adolescência, e Augusto, que contava então 57 anos, não tinha um sucessor imediato. A retirada de Tibério punha em perigo uma transferência pacífica de poder após a morte de Augusto e deixava de existir a garantia de que, após a morte do príncipe, o poder seguiria nas mãos da sua família ou dos aliados da sua família.

Certas histórias apócrifas relatam que quando Augusto caiu gravemente enfermo, Tibério navegou para Roma e desembarcou em Óstia ficando a saber que Augusto sobrevivera.[14] Tibério voltou para Rodes e dali enviou várias cartas ao imperador solicitando voltar a Roma, coisa que Augusto negou em diversas ocasiões.

Herdeiro ao trono

Com a retirada de Tibério, a sucessão recaía exclusivamente nos dois novos netos de Augusto, Caio e Lúcio César. A situação tornou-se de repente mais precária com a morte de Lúcio em 2. Augusto, a pedido de Lívia Drusa, permitiu a Tibério regressar a Roma, mas apenas como cidadão romano.[15] Em 4, Caio faleceu na Armênia e Augusto não teve outra solução senão recorrer a Tibério.[16][17]

A morte de Caio em 4 d.C foi o começo duma frenética atividade palaciana. Tibério foi adotado como filho e herdeiro de pleno direito. Por seu lado, Tibério viu-se obrigado a adotar o seu sobrinho, Germânico, filho do seu irmão Nero Cláudio Druso e de Antônia Menor.[16][18] Tibério recebeu poderes tribunícios e assumiu parte do maius imperium de Augusto, algo com o que nem Agripa fora recompensado.[19] Em 7, Agripa Póstumo foi repudiado por Augusto e exilou-se na ilha Pianosa, onde viveu confinado em solitário.[17][20] Em 13, os poderes de Tibério igualaram os do próprio Augusto. Tibério tornou-se co-príncipe e, caso Augusto morresse, apenas deveria sucedê-lo com normalidade.

Augusto faleceu em 14 d. C, com 76 anos de idade.[21] Augusto foi enterrado com todas as cerimônias estabelecidas e deificado. Tibério, por seu lado, foi confirmado como único sucessor.[22]

En otros idiomas
Afrikaans: Tiberius
Alemannisch: Tiberius
aragonés: Tiberio
العربية: تيبيريوس
asturianu: Tiberiu
azərbaycanca: Tiberi
تۆرکجه: تیبریوس
беларуская: Тыберый
беларуская (тарашкевіца)‎: Тыбэрыюс
български: Тиберий
bosanski: Tiberije
català: Tiberi
čeština: Tiberius
Cymraeg: Tiberius
dansk: Tiberius
Deutsch: Tiberius
Zazaki: Tiberius
English: Tiberius
Esperanto: Tiberio
español: Tiberio
eesti: Tiberius
euskara: Tiberio
فارسی: تیبریوس
suomi: Tiberius
føroyskt: Tiberius
français: Tibère
Frysk: Tibearius
Gaeilge: Tiberius
galego: Tiberio
עברית: טיבריוס
हिन्दी: टैबीरियस
hrvatski: Tiberije
հայերեն: Տիբերիոս
interlingua: Tiberio
Bahasa Indonesia: Tiberius
íslenska: Tíberíus
italiano: Tiberio
ქართული: ტიბერიუსი
Kongo: Tiberius
한국어: 티베리우스
Ligure: Tibeio
lietuvių: Tiberijus
latviešu: Tiberijs
Malagasy: Tiberius
македонски: Тибериј
монгол: Тибериус
Plattdüütsch: Tiberius
norsk nynorsk: Tiberius av Romarriket
norsk: Tiberius
occitan: Tibèri
polski: Tyberiusz
Piemontèis: Tiberi August
rumantsch: Tiberius
română: Tiberius
русский: Тиберий
sicilianu: Tibberiu
Scots: Tiberius
srpskohrvatski / српскохрватски: Tiberije
Simple English: Tiberius
slovenščina: Tiberij
shqip: Tiberius
српски / srpski: Тиберије
svenska: Tiberius
Kiswahili: Tiberius
Tagalog: Tiberius
Türkçe: Tiberius
українська: Тиберій
اردو: تیبیریس
oʻzbekcha/ўзбекча: Tiberiy
vèneto: Tiberio
Tiếng Việt: Tiberius
Winaray: Tiberius
მარგალური: ტიბერიუსი
Yorùbá: Tiberius
Bân-lâm-gú: Tiberius
粵語: 提比略