Sudão
English: Sudan

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Sudão do Sul.
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
جمهورية السودان (árabe)
(Jumhūriyyat as-Sūdān)
Republic of the Sudan (inglês)

República do Sudão
Bandeira do Sudão
Emblem of Sudan.svg
BandeiraBrasão
Lema: النصر لنا (Al-Nasr Lana)
Em Árabe: "A Vitória é Nossa"
Hino nacional: نحن جند لله جند الوطن
Em Árabe: "Nós somos o Exército de Deus e da Nossa Terra"
Gentílico: Sudanês(a)[1]

Localização do Sudão

Localzação do Sudão no continente africano
Território disputado com o Egito (em verde-claro).
Capital32° 35' E
Cidade mais populosaOndurmã
Língua oficialÁrabe e inglês
GovernoJunta Militar
 - chefe do conselho de transição nacionalAbdel Fattah Abdelrahman Burhan
 - Primeiro-ministroVacante
 - 1º vice-presidenteVacante
 - 2º vice-presidenteVacante
Independênciado Egito e do Reino Unido 
 - Data1 de janeiro de 1956 
Área 
 - Total1 886 068 km² (15.º)
 - Água (%)6,0
 FronteiraEritreia, Etiópia, Sudão do Sul, República Centro-Africana, Chade, Líbia e Egito
População 
 - Estimativa para 201639.578.828 hab. (35.º)
 - Censo 200830.894.000 hab. 
 - Urbana40,84% hab. 
 - Densidade17 hab./km² (194.º)
PIB (base PPC)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 152,264 bilhões*[2] 
 - Per capitaUS$ 4 428[2] 
PIB (nominal)Estimativa de 2014
 - TotalUS$ 66,748 bilhões*[2] 
 - Per capitaUS$ 1 941[2] 
IDH (2017)0,502 (167.º) – baixo[3]
MoedaLibra sudanesa (SDG)
Fuso horárioTempo da África Central (UTC+2)
 - Verão (DST)não observado (UTC+2[4])
Org. internacionaisONU, Liga Árabe, União Africana, Organização da Conferência Islâmica, Movimento dos países Não Alinhados
Cód. ISOSDN
Cód. Internet.sd
Cód. telef.+249
Website governamentalhttp://www.sudan.
gov.sd/en/

Mapa do Sudão

Divisão atual do país, após a independência do Sudão do Sul

O Sudão (em árabe: السودان; transl.: As-Sudan; em inglês: Sudan), oficialmente República do Sudão (em árabe: جمهورية السودان, transl.: Jumhūriyyat as-Sūdān; em inglês: Republic of the Sudan), é um país africano, limitado a norte pelo Egito, a leste pelo Mar Vermelho, por onde faz fronteira com a Arábia Saudita, pela Eritreia e pela Etiópia, a sul pelo Sudão do Sul e a oeste pela República Centro-Africana, Chade e Líbia. O Rio Nilo divide o país em duas metades: a oriental e a ocidental.[5] Sua religião predominante é o islamismo.[6] Quase um quinto da população do Sudão vive abaixo da linha internacional de pobreza, vivendo com menos de U$ 1,25 por dia.[7]

Até 2011, o Sudão era o maior país da África e do Mundo árabe, quando o Sudão do Sul se separou em um país independente, após um referendo sobre a independência. O Sudão é hoje o terceiro maior país da África (após a Argélia e a República Democrática do Congo) e também o terceiro maior país do mundo árabe (depois da Argélia e Arábia Saudita). Sua área consiste em 1.886.068 km².

A nação é membro da Organização das Nações Unidas, União Africana, Liga Árabe, Organização da Conferência Islâmica e do Movimento de Países Não Alinhados, bem como um observador na Organização Mundial do Comércio.[8][9] Sua capital é Cartum, o centro político, cultural e comercial da nação. É uma República federal presidencial democrática e representativa. As políticas do Sudão são reguladas pela Assembleia Nacional. O sistema legal sudanês é baseado na lei islâmica.

Grande parte da história do Sudão é marcada por conflitos étnicos, além de dois conflitos internos em andamento (um na região sul e outro na região de Darfur) e duas guerras civis, entre 1955 e 1972 e 1983 e 2005. Há inúmeros casos de limpeza étnica e escravidão no país.[10] O Índice de Percepção da Corrupção indicou o Sudão como o quarto país mais corrupto do mundo.[11] De acordo com o Índice Global da Fome de 2013, o Sudão tem um valor indicador GHI de 27,0, indicando que o país tem um "estado alarmante de situação de fome", fazendo desta a quinta nação mais faminta do mundo.[12] Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de 0,414, o classifica como um dos mais baixos níveis de desenvolvimento humano no mundo.[13]

História

Ver artigo principal: História do Sudão

Antiguidade

Ver artigos principais: Reino de Cuxe e Núbia
Ruínas de antigas pirâmides núbias em Meroé

O Reino de Cuxe era um Estado antigo da Núbia centrado nas afluências do Nilo Azul, Nilo Branco e Rio Atbara. Foi criado após o colapso da Idade do Bronze e a desintegração do Império Novo do Egito Antigo. Era centrado em Napata em sua fase inicial. Depois que o rei Cáchita ("o cuxita") invadiu o Egito no século VIII a.C., os reis cuxitas ordenaram-se como faraós da vigésima quinta dinastia do Egito, um século antes de serem derrotados e expulsos pelos assírios. No auge de sua glória, os cuxitas conquistaram um império que se estendia desde o que hoje é conhecido como Cordofão do Sul todo o caminho para o Sinai. O rei Piiê tentou expandir o império no Oriente Próximo, mas foi impedido pelo rei assírio Sargão II. O Reino de Cuxe é mencionado na Bíblia como tendo salvo os israelitas da ira dos assírios, embora a doença entre os sitiantes tenha sido a principal razão pelo fracasso em tomar a cidade.[14]

A guerra que ocorreu entre o rei Taraca e o rei assírio Senaqueribe foi um acontecimento decisivo na história ocidental, quando os núbios foram derrotados pelos assírios em sua tentativa de ganhar uma posição no Oriente Próximo. O sucessor de Senaqueribe, Assaradão, foi mais longe e invadiu o próprio Egito, depondo Taraca e liderando os núbios do Egito. Taraca fugiu de volta para sua terra natal, onde morreu dois anos depois. O Egito tornou-se uma colônia assíria; no entanto, o rei Tantamani fez uma tentativa final para recuperar determinada Egito. Assaradão morreu enquanto se preparava para deixar a capital assíria de Nínive, a fim de expulsá-lo. No entanto, seu sucessor, Assurbanípal, enviou um grande exército para o sul do Egito terminando com todas as esperanças de um renascimento do império núbio.

Durante a Antiguidade Clássica, a capital núbia era em Meroé. Na geografia grega antiga, o reino meroítico era conhecido como "Etiópia" (termo também usado anteriormente pelos assírios quando se deparam com os núbios). A civilização de Cuxe foi uma das primeiras no mundo a usar a tecnologia de fundição de ferro. O reino núbio em Meroé persistiu até o século IV Após o colapso do império cuxita, vários Estados surgiu em seus antigos territórios, entre eles a Núbia.

Séculos XIX e XX

O Sudão é incorporado ao mundo árabe na expansão islâmica do século VII. O sul escapa ao controle muçulmano e sofre incursões de caçadores de escravos. Entre 1820 e 1822, é conquistado e unificado pelo Egito e posteriormente entra na esfera de influência do Reino Unido. Em 1881 eclode uma revolta nacionalista chefiada por Maomé Amade, líder religioso conhecido como Mádi, que expulsou os ingleses em 1885. Ele morre logo depois e os britânicos retomam o Sudão em 1898. No ano seguinte, a Nação é submetida ao domínio egípcio-britânico. Obtém autonomia limitada em 1953 e independência total em 1956.

O Sudão está em guerra civil há 46 anos. O conflito entre o governo muçulmano e guerrilheiros não muçulmanos, baseados no sul do território, revela as realidades culturais opostas da Nação. A guerra e prolongados períodos de seca já deixaram mais de 2 milhões de mortos.

A introdução da Sharia, a lei islâmica, causou a fuga de mais de 350 mil sudaneses para países vizinhos. Entre outras medidas, a lei determina a proibição de bebidas alcoólicas e punições por enforcamento ou mutilação.

Conflito em Darfur

Ver artigo principal: Conflito de Darfur

A 9 de setembro de 2004 o Secretário de Estado norte-americano Colin Powell denominou o conflito em Darfur de genocídio, declarando-a a pior crise humanitária do século XXI.[15] Houve relatos de que a Janjawid (milícias governamentais) estava lançando ataques e bombardeios a vilarejos, e matando civis com base na etnia, cometendo estupros, roubando bens, terras e gado. Até o momento, mais de 2,5 milhões de civis foram deslocados, e se estima o total de mortos entre 200 mil[16] e 400 mil.[17] Estas estimativas estão estagnadas desde que os relatórios iniciais da ONU apontaram genocídio já em 2003/2004.

A 5 de maio de 2006 o governo sudanês e o principal grupo rebelde do país, o Movimento de Libertação do Sudão - MLS - assinaram o Acordo de Paz de Darfur, que tentava pôr fim ao conflito.[18] O acordo estabelecia especificamente o desarmamento da Janjaweed e desmantelamento dos grupos armados, e visava estabelecer um governo temporário no qual os rebeldes pudessem participar.[19] Somente um grupo rebelde, o SLA, comandado por Minni Arko Minnawi, aceitou assinar o acordo.[18]

Milícia do governo sudanês em Darfur

Desde que o acordo foi assinado, entretanto, tem havido notícias de violência generalizada na região. Surgiu um novo grupo, chamado Frente de Redenção Nacional, formado pela união de 4 grupos que recusaram-se a assinar os acordos de maio de 2006.[20] Recentemente, tanto o governo quanto as milícias islâmicas por ele apoiadas têm lançado grandes ofensivas contra os grupos rebeldes, resultando em mais mortes e mais refugiados. Conflitos entre os próprios grupos rebeldes também contribuíram para a violência.[20] Combates recentes na fronteira com o Chade deixaram centenas de soldados e rebeldes mortos, e quase 250 mil refugiados sem ajuda humanitária.[21]

A população de Darfur é predominantemente negra e de religião muçulmana, enquanto a milícia Janjawid é predominantemente árabe negra. A maioria dos etnicamente árabes de Darfur permanece longe do conflito. Os habitantes de Darfur - tanto árabes quanto não árabes - rejeitam profundamente o governo de Cartum, que não lhes forneceu nada a não ser problemas.[22]

A Corte Criminal Internacional - CCI - indiciou o Ministro de Estado para Assuntos Humanitários, Ahmed Haroun, e o suposto líder da milícia islâmica Janjawid, Ali Mohammed Ali, também conhecido como Ali Kosheib, pelas atrocidades na região. Ahmed Haroum pertence à tribo Bargou, uma das tribos não árabes da região, e é acusado de incitar ataques contra grupos não árabes específicos. Ali Kosheib é um ex-soldado e líder das forças populares de defesa, e é acusado de ser um dos líderes dos ataques a vilarejos no oeste de Darfur. A 14 de julho de 2008 o promotor da Corte Criminal Internacional, Luis Moreno-Ocampo, lançou 10 acusações criminais contra o presidente al-Bashir, como as de patrocinar crimes de guerra e crimes contra a humanidade.[23] Al-Bashir foi acusado pelos promotores de ter "planejado e implementado o extermínio" de três grupos tribais em Darfur por motivos étnicas.[23] Espera-se que em breve Luis Moreno-Ocampo peça aos juízes da CCI que expeçam um mandado de prisão contra al-Bashir.[23]

A Liga Árabe, a União Africana e até a França apoiaram os esforços do Sudão para suspender as investigações da CCI.[24] Eles esperam que seja considerado o Artigo 16 da Convenção de Roma, que estabelece que as investigações da CCI podem ser suspensas se ameaçarem um processo de paz.[25]

Queda de Omar al-Bashir

Em 11 de abril de 2019 o Exército do Sudão derrubou o presidente Omar al-Bashir após várias semanas de protestos, o presidente Omar al-Bashir foi afastado de todos os cargos e o governo foi demitido. Segundo a mídia, o exército anunciará a criação de um comitê militar que liderará o país durante o período de transição[26]

En otros idiomas
Acèh: Sudan
адыгабзэ: Судан
Afrikaans: Soedan
Akan: Sudan
Alemannisch: Sudan
አማርኛ: ሱዳን
aragonés: Sudán
Ænglisc: Sudan
العربية: السودان
ܐܪܡܝܐ: ܣܘܕܐܢ
مصرى: السودان
asturianu: Sudán
azərbaycanca: Sudan
تۆرکجه: سودان
башҡортса: Судан
Boarisch: Sudan
žemaitėška: Sodans
Bikol Central: Sudan
беларуская: Судан
беларуская (тарашкевіца)‎: Судан
български: Судан
भोजपुरी: सूडान
Bahasa Banjar: Sudan
bamanankan: Sudan
বাংলা: সুদান
བོད་ཡིག: སུའུ་ཏན།
বিষ্ণুপ্রিয়া মণিপুরী: সুদান
brezhoneg: Soudan
bosanski: Sudan
буряад: Судан
català: Sudan
Chavacano de Zamboanga: Sudán
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Sudan
нохчийн: Судан
Cebuano: Sudan
کوردی: سوودان
corsu: Sudan
qırımtatarca: Sudan
čeština: Súdán
Чӑвашла: Судан
Cymraeg: Swdan
dansk: Sudan
Deutsch: Sudan
Thuɔŋjäŋ: Thudän
Zazaki: Sudan
dolnoserbski: Sudan
डोटेली: सुडान
ދިވެހިބަސް: ސޫދާން
eʋegbe: Sudã
Ελληνικά: Σουδάν
English: Sudan
Esperanto: Sudano
español: Sudán
eesti: Sudaan
euskara: Sudan
estremeñu: Sudán
فارسی: سودان
suomi: Sudan
Võro: Sudaan
føroyskt: Sudan
français: Soudan
arpetan: Sodan
Nordfriisk: Sudaan
Frysk: Sûdan
Gaeilge: An tSúdáin
Gagauz: Sudan
Gàidhlig: Sudan
galego: Sudán
Avañe'ẽ: Sudano
गोंयची कोंकणी / Gõychi Konknni: सुदान
ગુજરાતી: સુદાન
Gaelg: Yn Toodaan
Hausa: Sudan
客家語/Hak-kâ-ngî: Sudan
עברית: סודאן
हिन्दी: सूडान
Fiji Hindi: Sudan
hrvatski: Sudan
hornjoserbsce: Sudan
Kreyòl ayisyen: Soudan
magyar: Szudán
հայերեն: Սուդան
interlingua: Sudan
Bahasa Indonesia: Sudan
Interlingue: Sudan
Igbo: Sudan
Ilokano: Sudan
ГӀалгӀай: Судан
Ido: Sudan
íslenska: Súdan
italiano: Sudan
日本語: スーダン
Patois: Sudan
la .lojban.: sudan
Basa Jawa: Sudan
ქართული: სუდანი
Qaraqalpaqsha: Sudan
Taqbaylit: Sudan
Адыгэбзэ: Судан
Kabɩyɛ: Sudaanɩ
Kongo: Sudan
Gĩkũyũ: Sũdana
қазақша: Судан
ಕನ್ನಡ: ಸುಡಾನ್
한국어: 수단
kurdî: Sûdan
kernowek: Soudan
Кыргызча: Судан
Latina: Sudania
Ladino: Sudan
Lëtzebuergesch: Sudan
лезги: Судан
Lingua Franca Nova: Sudan
Luganda: Sudaani
Limburgs: Soedan
Ligure: Sudan
lumbaart: Sudan
lingála: Sudani
lietuvių: Sudanas
latviešu: Sudāna
Malagasy: Sodana
македонски: Судан
മലയാളം: സുഡാൻ
монгол: Судан
मराठी: सुदान
кырык мары: Судан
Bahasa Melayu: Sudan
Malti: Sudan
မြန်မာဘာသာ: ဆူဒန်နိုင်ငံ
مازِرونی: سودان
Dorerin Naoero: Tudan
Nāhuatl: Sudan
Plattdüütsch: Sudan
Nedersaksies: Soedan
नेपाली: सुडान
नेपाल भाषा: सुदान
Nederlands: Soedan
norsk nynorsk: Sudan
norsk: Sudan
Novial: Sudan
Sesotho sa Leboa: Sudan
Chi-Chewa: Sudan
occitan: Sodan
Livvinkarjala: Sudan
Oromoo: Sudaan
ଓଡ଼ିଆ: ସୁଦାନ
Ирон: Судан
ਪੰਜਾਬੀ: ਸੁਡਾਨ
Kapampangan: Sudan
Papiamentu: Sudan
Deitsch: Sudan
पालि: सूडान
Norfuk / Pitkern: Sudan
polski: Sudan
Piemontèis: Sudan
پنجابی: سوڈان
پښتو: سوډان
Runa Simi: Sudan
rumantsch: Sudan
română: Sudan
tarandíne: Sudan
русский: Судан
русиньскый: Судан
Kinyarwanda: Sudani
संस्कृतम्: सूडान
саха тыла: Судаан
ᱥᱟᱱᱛᱟᱲᱤ: ᱥᱩᱫᱟᱱ
sardu: Sudan
sicilianu: Sudan
Scots: Sudan
davvisámegiella: Sudan
Sängö: Sudäan
srpskohrvatski / српскохрватски: Sudan
Simple English: Sudan
slovenčina: Sudán
slovenščina: Sudan
Gagana Samoa: Sudan
chiShona: Sudan
Soomaaliga: Suudaan
shqip: Sudani
српски / srpski: Судан
SiSwati: ISudani
Sesotho: Sudan
Seeltersk: Sudan
Basa Sunda: Sudan
svenska: Sudan
Kiswahili: Sudan
ślůnski: Sudan
தமிழ்: சூடான்
తెలుగు: సూడాన్
тоҷикӣ: Судон
ትግርኛ: ሱዳን
Türkmençe: Sudan
Tagalog: Sudan
Türkçe: Sudan
Xitsonga: Sudan
татарча/tatarça: Судан
ئۇيغۇرچە / Uyghurche: سۇدان
українська: Судан
اردو: سوڈان
oʻzbekcha/ўзбекча: Sudan
vèneto: Sudan
vepsän kel’: Sudan
Tiếng Việt: Sudan
Volapük: Sudän
Winaray: Sudan
Wolof: Sudaan
吴语: 苏丹
მარგალური: სუდანი
ייִדיש: סודאן
Yorùbá: Sudan
Vahcuengh: Sudan
Zeêuws: Soedan
文言: 蘇丹
Bân-lâm-gú: Sudan
粵語: 蘇丹
isiZulu: ISudan