Stefan Johansson

Stefan Johansson
Stefan Johansson 2009 Indy 500 Carb Day.JPG
Johansson no circuito de Indianápolis, em 2009.
Informações pessoais
Nome completoStefan Nils Edwin Johansson
Nacionalidadesueco
Nascimento8 de setembro de 1956 (62 anos)
Registros na Fórmula 1
Temporadas1980, 1983 - 1991
GPs disputados103 (79 largadas)
Títulos0 (5º em 1986)
Vitórias0
Pódios12
Pontos88
Pole positions0
Primeiro GPArgentina GP da Argentina, 1980
(não-classificado)
Último GPInglaterra GP da Grã-Bretanha, 1991
Registros na Champ Car
Temporadas1992-1996
Equipes1 (Bettenhausen)
Corridas73
Títulos0 (11º em 1994)
Vitórias0
Pódios4
Pontos250
Pole positions0
Primeira corridaEstados Unidos GP de Detroit, 1992
Última corridaEstados Unidos GP de Laguna Seca, 1996
Registros nas 24 Horas de Le Mans
Edições1983-1984, 1990-1992, 1997-2001, 2003, 2006-2008, 2012
Vitórias em classe(s)3

Stefan Nils Edwin Johansson (Växjö, 8 de setembro de 1956), conhecido apenas por Stefan Johansson, é um piloto sueco de automobilismo.

Desde que saiu da Fórmula 1 em 1991, já correu em várias outras categorias, incluindo a extinta CART (mais tarde, Champ Car), vários tipos de corridas com carros esportivos e o Grand Prix Masters, última competição de monopostos que disputou.

Carreira na Fórmula 1

O Toleman TG184, carro pilotado por Johansson nas últimas três provas de 1984.

A entrada de Johansson na Fórmula 1 foi via Campeonato britânico de Fórmula 3, vencido por ele em 1980, pilotando pela equipe Project Four, de Ron Dennis (futuro chefe de equipe da McLaren).

Pela F-1, participou de 103 corridas (largou em 79), estreando em 13 de janeiro de 1980 pela equipe Shadow quando ele ainda estava na Fórmula 3. Teve duas chances na temporada (Argentina e Brasil), mas não se classificou para o grid em ambas; e poderia se dizer que a sua real estreia na categoria aconteceu em 1983, após um curta passagem pela Fórmula 2. A reestreia ocorreu pela equipe Spirit, equipada com motores Honda. Juntou-se à equipe Tyrrell em 1984, em substituição ao piloto inglês Martin Brundle, que se recuperava de um acidente, mas o time seria desclassificado da temporada por conta de irregularidades, e isso fez Johansson disputar três provas pela Toleman, chegando a pontuar pela primeira vez na carreira marcando os 3 pontos com o 4º lugar no GP da Itália em Monza. Seu desempenho chamou a atenção da Ferrari, que, em 1985, o contratou para ocupar o lugar do francês René Arnoux, que saiu misteriosamente da Scuderia a partir da segunda etapa, o GP de Portugal.

Esteve prestes a vencer o GP de San Marino, mas faltando três voltas, abandonou com falta de combustível. Ainda assim, terminou em 6º lugar, por ter completado mais de 90% da corrida. Seu papel naquele campeonato foi o de auxiliar seu companheiro de equipe, o italiano Michele Alboreto, a conquistar o vice-campeonato da competição, mas foi em 1986 que ele obteve a sua melhor classificação na F-1, ao terminar o campeonato em 5º lugar, em sua primeira temporada completa.

Em 1987, assumiu o cockpit da McLaren, como segundo piloto da equipe que tinha Alain Prost como astro principal. O francês batia Johansson constantemente nas classificações, e apesar dos pódios conseguidos na temporada, a equipe decidiu trocá-lo por Ayrton Senna, vindo da Lotus, em 1988.