Stefan Johansson

Stefan Johansson
Stefan Johansson 2009 Indy 500 Carb Day.JPG
Johansson no circuito de Indianápolis, em 2009.
Informações pessoais
Nome completo Stefan Nils Edwin Johansson
Nacionalidade sueco
Nascimento 8 de setembro de 1956 (61 anos)
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1980, 1983 - 1991
GPs disputados 103 (79 largadas)
Títulos 0 (5º em 1986)
Vitórias 0
Pódios 12
Pontos 88
Pole positions 0
Primeiro GP Argentina GP da Argentina, 1980
(não-classificado)
Último GP Inglaterra GP da Grã-Bretanha, 1991
Registros na Champ Car
Temporadas 1992-1996
Equipes 1 ( Bettenhausen)
Corridas 73
Títulos 0 (11º em 1994)
Vitórias 0
Pódios 4
Pontos 250
Pole positions 0
Primeira corrida Estados Unidos GP de Detroit, 1992
Última corrida Estados Unidos GP de Laguna Seca, 1996
Registros nas 24 Horas de Le Mans
Edições 1983-1984, 1990-1992, 1997-2001, 2003, 2006-2008, 2012
Vitórias em classe(s) 3

Stefan Nils Edwin Johansson ( Växjö, 8 de setembro de 1956), conhecido apenas por Stefan Johansson, é um piloto sueco de automobilismo.

Desde que saiu da Fórmula 1 em 1991, já correu em várias outras categorias, incluindo a extinta CART (mais tarde, Champ Car), vários tipos de corridas com carros esportivos e o Grand Prix Masters, última competição de monopostos que disputou.

Carreira na Fórmula 1

O Toleman TG184, carro pilotado por Johansson nas últimas três provas de 1984.

A entrada de Johansson na Fórmula 1 foi via Campeonato britânico de Fórmula 3, vencido por ele em 1980, pilotando pela equipe Project Four, de Ron Dennis (futuro chefe de equipe da McLaren).

Pela F-1, participou de 103 corridas (largou em 79), estreando em 13 de janeiro de 1980 pela equipe Shadow quando ele ainda estava na Fórmula 3. Teve duas chances na temporada ( Argentina e Brasil), mas não se classificou para o grid em ambas; e poderia se dizer que a sua real estreia na categoria aconteceu em 1983, após um curta passagem pela Fórmula 2. A reestreia ocorreu pela equipe Spirit, equipada com motores Honda. Juntou-se à equipe Tyrrell em 1984, em substituição ao piloto inglês Martin Brundle, que se recuperava de um acidente, mas o time seria desclassificado da temporada por conta de irregularidades, e isso fez Johansson disputar três provas pela Toleman, chegando a pontuar pela primeira vez na carreira marcando os 3 pontos com o 4º lugar no GP da Itália em Monza. Seu desempenho chamou a atenção da Ferrari, que, em 1985, o contratou para ocupar o lugar do francês René Arnoux, que saiu misteriosamente da Scuderia a partir da segunda etapa, o GP de Portugal.

Esteve prestes a vencer o GP de San Marino, mas faltando três voltas, abandonou com falta de combustível. Ainda assim, terminou em 6º lugar, por ter completado mais de 90% da corrida. Seu papel naquele campeonato foi o de auxiliar seu companheiro de equipe, o italiano Michele Alboreto, a conquistar o vice-campeonato da competição, mas foi em 1986 que ele obteve a sua melhor classificação na F-1, ao terminar o campeonato em 5º lugar, em sua primeira temporada completa.

Em 1987, assumiu o cockpit da McLaren, como segundo piloto da equipe que tinha Alain Prost como astro principal. O francês batia Johansson constantemente nas classificações, e apesar dos pódios conseguidos na temporada, a equipe decidiu trocá-lo por Ayrton Senna, vindo da Lotus, em 1988.