Sinfonia nº 40 (Mozart)

Composições de Wolfgang Amadeus Mozart
Apelido: Nöminti / Nominti

(pouco utilizado)

Forma: Sinfonia
Tonalidade: Sol Menor
Movimentos 4
Data da composição: 25 de julho de 1788
Número da composição: K. 550
Andamentos
Primeiro Movimento Molto Allegro
Segundo Movimento Andante
Terceiro Movimento Menuetto: Allegretto
Quarto Movimento Allegro Assai

A sinfonia nº 40 em sol menor, KV. 550, de Wolfgang Amadeus Mozart, também conhecida como a "Grande" sinfonia em sol menor, para distingui-la da "Pequena" sinfonia em sol menor, a nº 25, foi composta no ano de 1788. As duas são as únicas sinfonias em tons menores compostas por Mozart, com a exceção de uma sinfonia em lá menor redescoberta recentemente, do início de sua carreira, conhecida hoje em dia como a Sinfonia Odense. [1]

Composição

A obra foi finalizada em 25 de junho de 1788; sua composição se deu em meio a um período excepcionalmente produtivo, de algumas semanas naquele ano, durante as quais Mozart também terminou as sinfonias nº 39 e 41 (26 de junho e 10 de agosto, respectivamente). [2]

Estreia

Os documentos da época não trazem qualquer evidência sólida de que a estreia da 40ª sinfonia teria ocorrido durante a vida de Mozart. No entanto, a evidência circunstancial de que ela o teria sido é demasiado forte. [3] Por diversas ocasiões, entre a composição da sinfonia e a morte do compositor, concertos sinfônicos foram realizados com a música de Mozart, incluindo concertos cujos programas sobreviveram, e incluíam uma sinfonia sem qualquer identificação de data ou tom. Entre eles estavam: [3]

  • Dresden, 14 de abril de 1789, durante a viagem de Mozart para Berlim
  • Leipzig, 12 de maio 1789, na mesma viagem
  • Frankfurt, 15 de outubro de 1790
  • Existem cópias do poster de um concerto realizado pela Tonkünstlersocietät (Sociedade de Músicos) em 17 de abril de 1791 no Burgtheater, em Viena, regidos pelo colega de Mozart, Antonio Salieri. A primeira atração no programa foi descrita como "Uma Grandiosa Sinfonia composta por Herr Mozart". [4]

Há também o fato de que Mozart teria revisado a sua sinfonia (e o manuscrito de ambas as versões ainda existe). [5] Isto demonstraria que a sinfonia teria sido executada, pois Mozart dificilmente teria se dado ao trabalho de adicionar clarinetes e reescrever as flautas e oboés para acompanhá-los, se não tivesse uma performance específica em mente. [6] A orquestra do concerto de 1791 em Viena incluia os irmãos clarinetistas Anton e Johann Stadler, o que limitava as possibilidades a apenas às sinfonias nº 39 e 41. [6] A versão sem os clarinetes também deve ter sido executada, pois a versão reorquestrada de duas passagens no movimento lento, que ainda existe na própria caligrafia de Mozart, deve ter sido resultado de uma audição sua da obra, onde pode ter descoberto algum aspecto que precisasse de melhorias. [7]

No que diz respeito aos concertos para os quais a sinfonia tinha sido originalmente tencionada, uma teoria sugere que Mozart estaria se preparando para realizar uma série de três "Concertos no Cassino", num novo cassino situado na Spiegelgasse, de propriedade de Philipp Otto. Mozart chegou até mesmo a enviar um par de ingressos para seu amigo Michael Puchberg. Parece, no entanto, impossível de se determinar quando esta série de concertos foi realizada, ou se foi cancelada por falta de interesse. [2] Outra possibilidade seria de que apenas o primeiro dos três concertos tenha sido realizado. [3]

En otros idiomas