Servidor

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2018). Por favor, referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para o equipamento utilizado em redes de computadores, veja Servidor (computação).

Na magia, Servidor é uma entidade construída por um ou mais magistas com objetivo específico, e que pode ser usada por um ou mais magistas que desejem este objetivo. Muitas vezes, a criação de servidores é baseada em contratos escritos, mas existem métodos de criação que utilizam apenas a canalização das energias desejadas. Em termos de funcionalidade, de fato, os servidores se assemelham muito a outros tipos de entidades (como um deus, espírito, demônio, santo), porém existem diferenças importantes, como o fato de serem criados, e não somente atraídos pelos magistas, e as limitações em sua atuação, por possuírem objetivo muito específico[1].

Alquimista criando um homúnculo.

Elementais Artificiais na Golden Dawn

Na Golden Dawn, cada um dos membros se aperfeiçoou em um conjunto de sistemas mágicos, e neste contexto, por volta de 1910, a magista Dion Fortune desenvolveu, com base em diversos sistemas mágicos antigos, dentre eles a Alquimia, seu método de criação de elementais artificiais. Os elementais surgiam como uma Forma-pensamento, mediante forte intenção e propósito, sendo moldados pelas forças psíquicas do magista e realizando atividades pré-determinadas.

Estes seres construtos possuíam um caráter similar ao de várias classes de entidades, como as que foram descritas anteriormente, e as formas utilizadas para sua criação eram próximas às da Teosofia e às da Magia Tibetana. Fortune alegava, no caso, ter criado um elemental artificial na forma de um lobo ou lobisomem, que dormia aos pés de sua cama[2].

Forma-pensamento.
En otros idiomas