Senso comum

Disambig grey.svg Nota: Se procura a teoria de "realismo de senso comum", veja Realismo ingénuo.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde maio de 2015). Por favor, mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Senso comum ou conhecimento vulgar é a suposta compreensão do mundo resultante da herança fecunda baseada nas experiências acumuladas por um grupo social. O senso comum descreve as crenças e proposições que aparecem como "normais", sem depender de uma investigação detalhada para se alcançar verdades mais profundas, como as científicas. [1]

Descrição

Um tipo de conhecimento que se acumula no nosso cotidiano e é chamado de senso comum é o baseado na tentativa e no erro. Outro tipo de senso comum é a tradição, que, quando instalada, passa de geração para geração. No senso comum, não há análise profunda e sim uma espontaneidade de ações; o senso comum é o que as pessoas comuns usam no seu cotidiano, o que é "natural".

Segundo Ezequiel Ander-Egg, o conhecimento popular tem cinco características principais. Ele seria superficial, por contentar-se com as aparências; sensitivo, por estar intimamente ligado à percepção; subjetivo, por se tratar de vivências e experiências organizadas psicologicamente pelo próprio sujeito; assistemático, por não buscar uma sistematização ou compilação de ideias; e acrítico, por se referir a um conhecimento que nem sempre busca uma devida reflexão sobre suas ações. Além disso, o senso comum pode apresentar semelhanças com o saber científico, se for levado em consideração que ambos são verificáveis, por haver a possibilidade do experimento para a comprovação de determinada hipótese, e, por serem verificáveis, são considerados falíveis (a hipótese pode não ser considerada adequada) e não exatos. [2]

Existem pessoas que confundem senso comum com crença, embora sejam coisas bem diferentes. Senso comum é aquilo que aprendemos em nosso dia a dia e que não precisamos aprofundar para obter resultados, como por exemplo: uma pessoa vai atravessar uma pista; ela olha para os dois lados, mas não precisa calcular a velocidade média, a distância, ou o atrito que o carro exerce sobre o solo. Ela simplesmente olha e decide se dá para atravessar ou se deve esperar. O senso comum não é a atitude tomada em si, mas sim a concepção e a perspectiva criada pela pessoa sem a real intervenção do indivíduo. Logo, o senso comum é um ato de agir e pensar que tem raízes culturais e sociais. Também fazem parte do senso comum os conselhos e ditos populares que são tidos como verdades e absolutas e, como tal, seguidos pelo povo. Por exemplo: "deve-se cortar os cabelos na lua crescente para que cresçam mais rápido".

Notas e referências

  1. «Senso comum». mundoeducacao.com.br 
  2. LAKATOS, Eva Maria (1985). Metodologia Científica. São Paulo: Atlas. pp. 17–39 
En otros idiomas
български: Здрав разум
català: Sentit comú
čeština: Zdravý rozum
Deutsch: Gemeinsinn
Ελληνικά: Κοινή λογική
English: Common sense
español: Sentido común
فارسی: عقل سلیم
suomi: Arkijärki
français: Sens commun
עברית: שכל ישר
hrvatski: Zdrav razum
magyar: Józan ész
íslenska: Almenn skynsemi
italiano: Senso comune
日本語: 常識
한국어: 공통감각
Nederlands: Gezond verstand
polski: Rozsądek
română: Bun-simț
sicilianu: Sennu
srpskohrvatski / српскохрватски: Zdrav razum
Simple English: Common sense
slovenčina: Zdravý rozum
Türkçe: Sağduyu
українська: Здоровий глузд
中文: 常理