Seleção Argentina de Futebol

Argentina
AFArgentina.png
Alcunhas? La Albiceleste
Celeste y blanca
AssociaçãoAsociación del Fútbol Argentino (AFA)
ConfederaçãoCONMEBOL (América do Sul)
Material desportivo? Alemanha Adidas
TreinadorArgentina Lionel Scaloni "interino"
CapitãoSergio Romero
Mais participaçõesJavier Mascherano (147)
Melhor artilheiroLionel Messi (65)
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do TimeCores do TimeCores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

A Seleção Argentina de Futebol representa a Argentina nas competições de futebol da CONMEBOL e FIFA.

A Argentina é uma das grandes seleções de futebol do mundo, vencendo a Copa do Mundo de 1978 e a Copa do Mundo de 1986, quatorze títulos da Copa América, uma Copa das Confederações e duas medalhas de ouro, nos Jogos Olímpicos de 2004 e nos Jogos Olímpicos de 2008.

A Argentina possui 17 participações em Copas do Mundo (contando até a Copa de 2018), não tendo participado apenas de quatro Copas. Em 1938, desistiu de competir por não concordar que a Copa daquele ano fosse novamente na Europa, como já havia sido em 1934. Em 1950 e 1954, ficou de fora do mundial devido a questões políticas da AFA (não houve Copa em 1942 e 1946 devido à Segunda Guerra Mundial).[2] E em 1970, a seleção argentina não passou nas Eliminatórias.[3]

Desde 1993, considerando apenas torneios profissionais, a Seleção Argentina não conquista nenhum título. A última vez que ela levantou um troféu foi na Copa América de 1993. Neste período, entre Copas do Mundo, Copas Américas e Copas das Confederações, foram 16 torneios disputados, com sete vice-campeonatos, a saber: Copa das Confederações de 1995, Copa América de 2004, Copa das Confederações de 2005, Copa América de 2007, Copa do Mundo de 2014, Copa América de 2015 e Copa América Centenário.[4] Antes disso, o maior período que a Argentina havia ficado sem ganhar títulos era de 19 anos (entre a Copa América de 1959 e a Copa do Mundo de 1978)[5]. Entre as Seleções campeãs do mundo, o jejum de 32 anos da Argentina só não é maior que o da Inglaterra, que tem a Copa do Mundo de 1966 como único título de sua história.[6]

História

Seleção da Argentina em 1926 quando ganhou de Israel por 9 a 0
Seleção da Argentina em 1939
Seleção da Argentina em 1955
Seleção da Argentina nas Olimpíadas de 2008

Futebol masculino

Copa do Mundo

A Argentina disputou cinco finais de Copa do Mundo, ficando com o vice-campeonato em 1930, quando perdeu por 4 a 2, para o Uruguai. Os argentinos viriam a ganhar a final na sua segunda tentativa, em 1978, batendo os Países Baixos por 3 a 1. A curiosidade deste mundial ficou para a partida em Rosário. A Argentina tinha que vencer por uma diferença de quatro gols para se classificar e acabou vencendo por 6 a 0, em um jogo polêmico com o Perú e, assim, acabou com o sonho do Brasil de seguir adiante naquela copa. A seleção argentina também ganhou em 1986, numa campanha com vitórias sobre tradicionais seleções como o Uruguai nas oitavas-de-final, a Inglaterra nas quartas-de-final e a Alemanha Ocidental na final. Outra final da qual tomou parte a Argentina foi em 1990, quando perdeu por 1 a 0 para a Alemanha Ocidental. A Argentina disputou sua quinta final de Copa do Mundo contra a Alemanha, em 2014, e foi derrotada por 1x0 no segundo tempo da prorrogação. A sua pior campanha em Copas aconteceu em 2002, quando perdeu ainda na fase de grupos. Nas Copas de 2006 e 2010 chegou às quartas de finais com autoridade, mas perdeu em ambas para a Seleção Alemã. No mundial de 2018 na Rússia a Seleção Argentina caiu nas oitavas de final para a França numa partida que terminou com placar de 4x3.

Copa América

A Argentina é a segunda seleção que mais vezes ganhou Copas América na história (atrás somente do Uruguai), vencendo o título sul-americano por quatorze vezes, além dos campeonatos Sul-Americanos "extra" em 1941, 1945 e 1946. A Argentina sediou a Copa América em 2011, mas fez uma campanha ruim e acabou eliminada nas quartas de final pelo Uruguai nos pênaltis. Em 2015 a Argentina chegou à final com autoridade. Venceu o Uruguai e a Jamaica (ambos por 1-0) e empatou com o Paraguai (2-2) na fase de grupos. Eliminou a Colômbia nas quartas de final e goleou o Paraguai por 6-1. Invicta, a Argentina foi à final contra o Chile, o anfitrião da competição. Após empate por 0 a 0 no tempo normal e prorrogação, os hermanos foram derrotados nos pênaltis por 4 a 1. Em 2016 na edição especial que comemorou o centenário da competição a Argentina encontrou pela frente a seleção do Chile na segunda final consecutiva entre as seleções, após um empate por 0 a 0 no tempo normal e após prorrogação, a vitória sorriu ao Chile nos pênaltis pelo placar de 4 a 2.

Jogos Pan-americanos

A Argentina é a maior vencedora do torneio de futebol dos Jogos Pan-americanos tendo conquistado a medalha de ouro nos anos de 1951, 1955, 1959, 1971, 1995 e 2003; a medalha de prata em 1963 e 2011 e a medalha de bronze em 1975, 1979 e 1987.

Nos Jogos Pan-americanos de 2007 fez uma péssima campanha: não ganhou nenhum jogo e fez apenas um gol. Mas há que se dizer que participou com um time Sub-17, quando os demais times jogaram com jogadores de Sub-20.

Rivalidades

Seu maior rival é o Brasil, com quem mantém uma vasta lista de confrontos nas mais variadas competições. E outro dos seus maiores rivais é o Uruguai, com quem mantém outra vasta lista de confrontos nas mais variadas competições, incluindo finais de Copa do Mundo e Copa América. Também mantém uma rivalidade com a Inglaterra devido à Guerra das Malvinas em 1982, vencida pela Inglaterra, e pelo polêmico gol de Diego Maradona realizado com a mão, na Copa de 1986, quando a Argentina bateu os ingleses por 2 a 1, nas quartas-de-final. Além disso, abriu uma rivalidade com o Chile, isso porque perdeu dois títulos da Copa América de forma consecutiva em 2015 e 2016, sendo ambas decididas nos pênaltis. Essa rivalidade tem o nome de "Clássico dos Andes", fazendo uma clara referência à Cordilheira dos Andes, localizada na fronteira entre os dois países.

Argentina vs. Brasil

Lionel Messi, maior jogador argentino da atualidade, em um lance da partida entre Argentina e Brasil pelas semifinais do Jogos Olimpicos de Futebol de 2008 conquistado pela Argentina nesse mesmo ano.

O Derby das Américas, como é chamado por muitos, é a maior rivalidade da América, e por muitos a maior de todo o mundo. Quanto aos títulos, os argentinos levam vantagem na Copa América (14 títulos, contra 8 da Seleção Brasileira), e nas Olimpíadas (os argentinos são bicampeões olímpicos, enquanto o Brasil possui um titulo conquistado em 2016). Em contrapartida, o Brasil é pentacampeão da Copa do Mundo (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002), o título mais importante do futebol de seleções, e tetracampeão da Copa das Confederações, enquanto os argentinos são bicampeões mundiais (1978 e 1986) e têm um título da Copa das Confederações (1992).

Argentina vs. Uruguai

Argentina e Uruguai detêm o recorde de maior número de partidas entre dois países: foram 161 partidas desde 1901. A primeira partida contra o Uruguai foi a primeira partida oficial internacional jogada fora da Grã-Bretanha (Apesar do Canadá e os Estados Unidos terem jogado duas partidas internacionais em 1885 e 1886, nenhuma delas é considerada oficial; o Canadá não jogou uma partida oficial até 1904 e os EUA não jogaram uma até 1916). O Uruguai ganhou duas Copas do Mundo, da mesma forma que a Argentina. Em 1930 o Uruguai bateu a própria Argentina em casa por 4 a 2, se tornando a primeira seleção campeã do mundo.

Em 2011 a rivalidade ganhou mais um capítulo histórico. A partida, válida pelas quartas-de-final da Copa América, realizada na Argentina, estava sendo disputada em Santa Fé, no estádio que recebera o apelido de Cemitério dos Elefantes, porque durante suas primeiras décadas os cinco maiores clubes argentinos não obtinham bons resultados quando jogavam ali. A Argentina não vinha de uma boa campanha na primeira fase do torneio e dependia de uma vitória contra os uruguaios para conquistar moral e passar para as semis. O estádio estava lotado, e depois de 120 minutos de partida (tempo normal e prorrogação), o empate em 1x1 persistia. Na disputa por pênaltis, Carlos Tévez, conhecido no país como o "jogador do povo", teve a sua cobrança defendida por Fernando Muslera, goleiro do Uruguai e argentino de nascimento, decretando a vitória e a classificação uruguaia em solo argentino.

Na Copa América de 2015, houve o reencontro de hermanos e uruguaios na fase de grupos. A partida acabou 1 a 0 para os argentinos.

Argentina vs. Alemanha

A Argentina também suporta uma rivalidade histórica com a Alemanha, devido ao grande número de confrontos oficiais, incluindo três finais de Copa do Mundo, sendo as duas seleções que mais se enfrentaram em finais da Copa do Mundo.

Histórico

Argentina 3 X 2 Alemanha - Final da Copa do Mundo de 1986

Argentina 0 X 1 Alemanha - Final da Copa do Mundo de 1990

Argentina 2 X 2 Alemanha - Fase de grupos da Copa das Confederações de 2005

Argentina 1 X 1 Alemanha - Quartas de final da Copa do Mundo de 2006

Argentina 0 X 4 Alemanha - Quartas de final da Copa do Mundo de 2010

Argentina 3 X 1 Alemanha - Amistoso em 2012

Argentina 0 X 1 Alemanha - Final da Copa do Mundo de 2014

Argentina 4 X 2 Alemanha - Amistoso em 2014

Nas categorias menores, a seleção da Argentina também é a maior vencedora do Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 com seis títulos, tendo sido campeã em 1959, 1995, 1997, 2001, 2005 e 2007. No Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-20 tem cinco títulos: 1967, 1997, 1999, 2003 e 2015.

Futebol feminino

No futebol feminino conquistou pela primeira vez o Campeonato Sul-Americano de Futebol Feminino em 2006 derrotando o Brasil na final por 2 a 0.

En otros idiomas
беларуская (тарашкевіца)‎: Зборная Аргентыны па футболе
oʻzbekcha/ўзбекча: Argentina milliy futbol terma jamoasi