Requiem for a Dream

Requiem for a Dream
A Vida Não É um Sonho (PT)
Réquiem para um Sonho (BR)
Pôster de divulgação
 Estados Unidos
2000 •  Cor •  102 min 
DireçãoDarren Aronofsky
ProduçãoEric Watson
Palmer West
Produção executivaNick Wechsler
Beau Flynn
Stefan Simchowitz
RoteiroDarren Aronofsky
Hubert Selby Jr.
Baseado emRequiem for a Dream de Hubert Selby Jr.
ElencoEllen Burstyn
Jared Leto
Jennifer Connelly
Marlon Wayans
GêneroDrama psicológico
MúsicaClint Mansell
Direção de arteJudy Rhee
Direção de fotografiaMatthew Libatique
EdiçãoJay Rabinowitz
Companhia(s) produtora(s)Thousand Words
Protozoa Pictures
DistribuiçãoArtisan Entertainment
LançamentoFrança 14 de maio de 2000 (Cannes)
Canadá 13 de setembro de 2000 (Toronto)
Estados Unidos 6 de outubro de 2000
Brasil 2 de novembro de 2001
IdiomaInglês
OrçamentoUS$ 4,500,000
ReceitaUS$ 7,390,108[1]
Página no IMDb (em inglês)

Requiem for a Dream (Réquiem para um Sonho BRA ou A Vida Não É um Sonho POR) é um filme norte-americano do gênero drama psicológico lançado em 2000 dirigido por Darren Aronofsky. Baseado na história original de mesmo nome de Hubert Selby Jr., publicada em 1978, com quem Aronofsky escreveu o roteiro, é estrelado por Ellen Burstyn, Jared Leto, Jennifer Connelly e Marlon Wayans.

O filme se estrutura a partir do entrelaçamento de quatro narrativas – Sara Goldfarb; seu filho Harry; Marion Silver, namorada de Harry; e Tyrone Love, amigo de Harry – cujo fio temático condutor consiste na perseguição por sonhos de vidas melhores e na problemática do envolvimento subjetivo dos personagens com substâncias psicoativas, constituindo relações de uso, abuso e as quatro diferentes formas de dependência de drogas. Sua estruturação também envolve a temática das quatro estações, das quais se estende por três: verão, outono e inverno, demarcando transições de tom da narrativa, que acabará por se encaminhar, de um ponto onde a esperança e otimismo se encontram presentes, a seu desfecho trágico icônico.

Darren Aronofsky começou a conceber o filme durante o ano de 1999. A produção ficou por conta da Thousand Words juntamente com a Protozoa Pictures, e foi distribuído pela Artisan Entertainment. O orçamento da obra ficou em cerca de 4,5 milhões de dólares. O desenvolvimento ocorreu durante o período de um ano. A trama foi filmada em Coney Island, Brooklyn e Red Hook, em Nova Iorque. A trilha sonora do filme foi composta por Clint Mansell com o quarteto de cordas do Kronos Quartet, e a harmonia pelo compositor David Lang. A trilha sonora foi amplamente elogiada e posteriormente utilizada em vários trailers de outros filmes, incluindo O Código Da Vinci, Sunshine, Lost, The Giver, Eu Sou a Lenda, Babylon A.D. e Zathura. Uma versão da trilha foi reorquestrada para o trailer do filme O Senhor dos Anéis: As Duas Torres.

Exibido inicialmente no Festival de Cinema de Cannes em 14 de maio de 2000, seguido pelo seu lançamento em solo americano em 6 de outubro, Requiem for a Dream arrecadou mais de 3,6 milhões de dólares nos Estados Unidos e Canadá, e um total de 7,4 nas bilheterias ao redor do mundo. Recebeu críticas positivas dos críticos cinematográficos,[2] sendo amplamente aclamado por sua "descrição realista sobre o que o vício das drogas pode trazer". É reconhecido atualmente como um clássico cult e um dos mais influentes do século XXI, notabilizando-se por ter entrado na lista de diversas publicações de "os melhores do ano" ou "da década". Entrou na lista dos 400 melhores filmes estadunidenses segundo o Instituto Americano do Cinema em 2007 e também o elegeu um dos dez melhores filmes americanos do ano.[3][4] Recebeu 32 prêmios e 62 indicações ao todo, com Burstyn sendo nomeada para vários prêmios de "Melhor Atriz" por seu desempenho, incluindo o Oscar, Globo de Ouro de melhor atriz em filme dramático e o Screen Actors Guild. Aronofsky recebeu elogios por sua direção elegante, e foi nomeado para um Independent Spirit Awards de Melhor Diretor e ganhou o National Board of Review por "Reconhecimento Especial pela Excelência em Cinema".[5]

Enredo

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O enredo transcorre da seguinte forma: é dividido em três subseções, referindo-se as três estações, que por sua vez estão relacionadas, respectivamente, com a ascensão, o declínio e a queda dos protagonistas. A falta, propositadamente, da primavera, a época de renascimento e um símbolo da vitória da vida sobre a morte, é para enfatizar a inevitabilidade do destino dos personagens. A divisão original é: Summer, Fall e Winter.

Verão

Na primeira parte, Summer (verão), a história começa com Sara Goldfarb (Ellen Burstyn), uma senhora viúva que vive sozinha em seu apartamento em Brighton Beach e passa o tempo assistindo infomerciais na televisão.[6] Após um telefonema — onde é convidada a participar de um show televisivo, passa a buscar a recuperação de sua aparência antiga, com o objetivo de parecer jovem e bela na televisão. Sara tinge os cabelos e começa a fazer dieta para emagrecer e caber no vestido que usou na formatura do filho. Encontrando dificuldades em perder peso por conta própria, recorre a um "médico", que lhe receita pílulas – anfetaminas – para controlar o apetite. As pílulas alteram seu comportamento, mas Sara passionalmente insiste que a chance de aparecer na televisão lhe deu uma razão para viver e fez com que passasse a ser admirada pelas vizinhas de prédio. Até o outono, entretanto, seu convite não chega, o que a faz aumentar a dosagem, provocando-lhe alucinações — onde ela é a estrela principal do programa de televisão.[7]

O filho de Sara, Harry (Jared Leto), é um irresponsável viciado em heroína. Junto com seu amigo Tyrone (Marlon Wayans) e sua namorada Marion (Jennifer Connelly), todos viciados, acaba se envolvendo com o narcotráfico em uma tentativa de realizar seus sonhos. Com o dinheiro que ganham durante o verão, Harry e Marion almejam abrir uma loja de roupas, enquanto Tyrone pretende escapar das ruas e deixar sua mãe orgulhosa. Porém, no final do verão, surgem os primeiros indícios de que as coisas não terminarão bem: as anfetaminas começam a alterar a personalidade de Sara.[7]

Outono

Na segunda parte, Fall (jogo de palavras cujo significado é outono e também significa queda), Tyrone se vê no meio de um assassinato entre gangues de traficantes negros e a máfia italiana de Nova Iorque e acaba preso, mesmo sendo inocente. A queda dos quatro personagens tem início com a prisão de Tyrone. Harry usa a maior parte do dinheiro que haviam juntado para pagar a fiança e tirá-lo da cadeia. No entanto, encontra dificuldade na retomada dos negócios, uma vez que a guerra entre italianos e negros levou ao desaparecimento das drogas nas ruas de Nova Iorque, colocando Harry, Marion e Tyrone em um estado de privação.

Sara ingere cada vez mais pílulas, sofrendo alucinações progressivamente mais assombrosas — personagens do show da televisão e objetos inanimados ganham vida à sua volta, trazendo horror e prenunciando sua perda de sanidade mental. Já Marion passa a sentir os efeitos da ausência de drogas em seu organismo viciado. O relacionamento do casal torna-se frágil quando as personalidades começam a se alterar devido às crises de abstinência. Enquanto Harry e Marion se atacam, Sara já vive uma realidade distorcida.

Surgem boatos de que um carregamento de drogas vindo da Flórida chegaria em Nova Iorque. Mas, seguindo a lei da oferta e da procura, as drogas seriam vendidas pelo dobro do preço. O desespero toma conta do casal, e Harry, antes ciumento, encoraja Marion a se prostituir com seu terapeuta para conseguir o dinheiro necessário para a compra de um novo estoque de drogas.[8]

Inverno

Na terceira parte, Winter (inverno) — o ato final do filme — é mostrada a destruição total dos sonhos dos quatro personagens. A frieza da estação "mais sem vida do ano" se equipara perfeitamente à narrativa dos quatro desfechos trágicos. A sanidade de Sara se vai e ela quer ir à emissora de televisão questionar a ausência de contato da produção do programa. Absolutamente perturbada, acaba internada em um hospital psiquiátrico contra sua vontade e lá passa por tratamento de eletroconvulsoterapia. Harry e Tyrone viajam para a Flórida, acreditando poderem recomeçar lá, mas a condição do braço de Harry fica cada vez pior e começa a desenvolver gangrena em decorrência de sucessivas injeções feitas de forma imprópria. Ambos são forçados a irem ao hospital, onde são presos após o médico se espantar com o estado de seu braço e reconhecer a situação como típica de um viciado. Em Nova Iorque, Marion não resiste às crises de abstinência e vende seu corpo ao traficante Big Tim, em troca de drogas. Harry tem um sonho recorrente onde Marion o aguarda em um píer, mas, ao despertar, percebe que sua namorada foi embora e que ele perdera seu braço.[8]

As cenas finais mostram os quatro trágicos destinos: Sara, agora louca, encontra-se internada em um hospício; Harry tem seu braço amputado em um hospital; Marion se vende para sustentar seu vício em um show pornográfico realizado por Big Tim; e Tyrone, preso em uma penitenciária a centenas de quilômetros de casa, além de sofrer maus tratos por parte dos guardas racistas e hostis, amarga sozinho os efeitos da crise de abstinência. Perdidos e na miséria, cada um dos personagens curva-se em posição fetal. No sonho de Sara, ela ganha o grande prêmio do programa de televisão, onde encontra Harry, o qual aparece como um bem-sucedido homem de negócios, casado com Marion. Mãe e filho se abraçam e dizem o quanto amam um ao outro enquanto são aplaudidos pela platéia imaginária, ofuscados pelas luzes do palco.[8]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.
En otros idiomas
العربية: مرثية حلم
čeština: Requiem za sen
Bahasa Indonesia: Requiem for a Dream
Кыргызча: Кыял реквиеми
latviešu: Rekviēms sapnim
srpskohrvatski / српскохрватски: Requiem for a Dream
Simple English: Requiem for a Dream
slovenčina: Requiem za sen
српски / srpski: Реквијем за снове
oʻzbekcha/ўзбекча: Requiem for a Dream
中文: 迷上癮