Química orgânica

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
QuímicaA Wikipédia possui o:
Portal de Química

Em sua acepção moderna, a química orgânica é a divisão da química responsável pelo estudo dos compostos de carbono.[1][2][3][4][5] Esta parte da química estuda a estrutura, propriedades, composição, reações[6] e síntese de compostos orgânicos que, por definição, contenham carbono, mas que podem também conter outros elementos, como o oxigênio e o hidrogênio. Muitos deles contêm nitrogênio, halogênios e, mais raramente, fósforo e enxofre.

Originalmente proposta em 1777 pelo químico sueco Torbern Olof Bergman, a química orgânica foi primeiramente definida como um ramo químico que estudava os compostos extraídos dos organismos vivos, contrastando com a química inorgânica, que tratava dos compostos existentes no então chamado "reino mineral".[1] Em 1807, foi formulada a teoria da força vital por Jöns Jacob Berzelius. Ela baseava-se na ideia de que os compostos orgânicos precisavam de uma força maior — a vida — para serem sintetizados, tratando como impossível a síntese artificial desses compostos.[1]

No entanto, em 1828, Friedrich Wöhler, discípulo de Berzelius, a partir do aquecimento de cianato de amônio, produziu a ureia, composto existente na urina animal. Isto é, Wöhler demonstrou ser possível a síntese de um composto orgânico, a ureia, a partir de um composto inorgânico, o cianato de amônio.[1][5] Tal processo ficou conhecido como síntese de Wöhler e, com essa descoberta, a teoria da força vital perdeu força.[1] Em seguida, Pierre Eugene Marcellin Berthelot realizou uma série de experiências a partir de 1854 e, em 1862, sintetizou o acetileno. Em 1866, Berthelot obteve, por aquecimento, a polimerização do acetileno em benzeno e, assim, é derrubada a teoria da força vital.

Devido à inadequação da definição de Bergman para a química orgânica, o químico alemão Friedrich August Kekulé propôs, em 1858, a definição aceita atualmente “Química orgânica é o ramo da química que estuda os compostos do carbono”.[1] Essa afirmação está correta, contudo, nem todo o composto que contém carbono é orgânico, como é o caso do dióxido de carbono, o ácido carbônico, a grafite, etc. Ainda assim, todos os compostos orgânicos contêm carbono.

História

Os químicos acreditavam que os compostos obtidos a partir de organismos vivos eram demasiadamente complexos para serem sintetizados. De acordo com o conceito de vitalismo, a matéria orgânica era dotada de uma "força vital". Esses compostos foram nomeados como "orgânicos", com as investigações primordialmente dirigidas aos materiais inorgânicos, que pareciam ser mais fáceis de serem estudados.

Durante a primeira metade do século XIX, os cientistas descobriram que os compostos orgânicos poderiam ser sintetizados em laboratório. Por volta de 1816, Michel Chevreul preparou sabonetes feitos usando gorduras e álcalis. Em 1828, Friedrich Wöhler produziu a ureia, um componente da urina, a partir do sal inorgânico cianato de amônio (NH4CNO), sendo essa preparação atualmente chamada de síntese de Wöhler. Embora Wöhler sempre tenha sido cauteloso sobre a alegação de que teria refutado a teoria da força vital, esse evento tem sido muitas vezes visto como um marco para o estabelecimento da química orgânica. Em 1856, William Henry Perkin, ao tentar fabricar o quinino, fabricou acidentalmente o corante orgânico conhecido como mauveína. Devido ao grande sucesso financeiro dessa descoberta, o interesse nos estudos em química orgânica aumentou significantemente.[7]

Friedrich August Kekulé

O conceito de estrutura química foi crucial para o desenvolvimento de teorias em química orgânica, trabalhadas de forma simultânea e independente por Friedrich August Kekulé e Archibald Scott Couper em 1858.[8] Ambos sugeriram que os átomos de carbono tetravalente (que fazem quatro ligações) poderiam se ligar um ao outro para formar uma rede de átomos de carbono, e que os padrões dessas ligações podiam ser discernidos por interpretações adequadas de reações químicas que haviam ocorrido. A história da química orgânica continuou com a descoberta do petróleo e a sua separação em frações de acordo com a diferença no ponto de ebulição de seus componentes. Já a indústria farmacêutica teve seu início na última década do século XIX, com a fabricação do ácido acetilsalicílico (mais conhecido como aspirina) pela Bayer, na Alemanha.[9]

Embora os primeiros exemplos de reações orgânicas e aplicações tenham sido frequentemente fortuitos, a segunda metade do século XIX testemunhou estudos altamente sistemáticos de compostos orgânicos. A síntese total de compostos naturais começou com ureia, e a complexidade aumentou com a obtenção da glicose e o terpineol. Em 1907, cânfora obtida por síntese total foi comercializada pela primeira vez por Gustaf Komppa. A partir do século XX, o progresso da química orgânica permitiu a síntese de moléculas altamente complexas. Ao mesmo tempo, os polímeros e as enzimas foram reconhecidos como grandes moléculas orgânicas, e foi mostrado que o petróleo possuía origem biológica.

En otros idiomas
Afrikaans: Organiese chemie
Alemannisch: Organische Chemie
aragonés: Quimica organica
العربية: كيمياء عضوية
অসমীয়া: জৈৱিক ৰসায়ন
azərbaycanca: Üzvi kimya
башҡортса: Органик химия
žemaitėška: Uorganėnė chemėjė
беларуская: Арганічная хімія
беларуская (тарашкевіца)‎: Арганічная хімія
български: Органична химия
bosanski: Organska hemija
Cymraeg: Cemeg organig
dolnoserbski: Organiska chemija
Esperanto: Organika kemio
فارسی: شیمی آلی
français: Chimie organique
Fiji Hindi: Organic chemistry
hrvatski: Organska kemija
Kreyòl ayisyen: Chimi òganik
interlingua: Chimia organic
Bahasa Indonesia: Kimia organik
日本語: 有機化学
Basa Jawa: Kimia organik
한국어: 유기화학
Lëtzebuergesch: Organesch Chimie
македонски: Органска хемија
Bahasa Melayu: Kimia organik
မြန်မာဘာသာ: ဩဂဲနစ် ဓာတုဗေဒ
Plattdüütsch: Orgaansch Chemie
Nederlands: Organische chemie
norsk nynorsk: Organisk kjemi
Novial: Organi kemie
русиньскый: Орґанічна хемія
srpskohrvatski / српскохрватски: Organska hemija
Simple English: Organic chemistry
slovenčina: Organická chémia
slovenščina: Organska kemija
српски / srpski: Органска хемија
Basa Sunda: Kimia organik
svenska: Organisk kemi
Kiswahili: Kemia kaboni
Türkçe: Organik kimya
татарча/tatarça: Органик химия
українська: Органічна хімія
oʻzbekcha/ўзбекча: Organik kimyo
Tiếng Việt: Hóa hữu cơ
吴语: 有机化学
中文: 有机化学
Bân-lâm-gú: Iú-ki hòa-ha̍k
粵語: 有機化學