Prosa

Prosa é um gênero de texto escrito em parágrafos. O termo deriva do latim prosa, que significa discurso direto, livre, em linha reta.[1] Trata-se da expressão do "não eu"[2] (ou do objeto[3]), por meio de metáforas univalentes.[4] Em um texto em prosa, as metáforas são exploradas com parcimônia, visando criar uma imagem objetiva e concreta da realidade, o que o diferencia do texto poético.[4] Porém, a linguagem da prosa não é pura denotação.[4] Quando a obra chega ao seu , e termina a narrativa, a conotação se manifesta fortemente.[3] Portanto, a prosa faz uso da linguagem denotativa conotativa, ao contrário da linguagem poética, que é predominantemente conotativa.[3]

"Prosa" pode designar uma forma (um texto escrito sem divisões rítmicas intencionais -- alheias à sintaxe, e sem grandes preocupações com ritmo, métrica, rimas, aliterações e outros elementos sonoros), e pode designar também um tipo de conteúdo (um texto cuja função linguística predominante não é a poética, como por exemplo, um livro técnico, um romance, uma lei, etc...). Na acepção relativa à forma, "prosa" contrapõe-se a "verso"; na acepção relativa ao conteúdo, "prosa" contrapõe-se a "poesia".

Aristóteles já observava, em sua "Poética", que nem todo texto escrito em verso é "poesia", pois na época era comum se usar os versos até em textos de natureza científica ou filosófica, que nada tinham a ver com poesia. Da mesma forma, nem tudo que é escrito em forma de prosa tem conteúdo de prosa.

Classificação

Dom Casmurro é um texto em prosa do tipo romance.

A prosa divide-se em dois tipos básicos: a narrativa e a demonstrativa. A prosa narrativa, compreende a histórica e de ficção, enquanto a prosa demonstrativa reúne a oratória e a prosa didática (tratados, ensaios, diálogos e cartas).[1]

A prosa também pode ser classificada pela função, dividindo-se em narrativa (ou de ficção); argumentativa (tratados); dramática (texto teatral); informativa (livros didáticos, manuais, enciclopédias, jornais e reportagens); e contemplativa (ensaios).[1] A prosa considerada literária compreende o conto, a novela, o romance, a crônica, o apólogo e o texto teatral. As demais formas não são estudadas no campo da Literatura,[3] Porém, a essência da prosa literária está nas prosas de ficção: o conto, a novela e o romance.[4][3]

O conto é um tipo de história mais curta, construído geralmente com um único conflito, com poucas personagens. A novela também é um tipo de história curta, que pode apresentar um ou mais conflitos (normalmente de tamanho intermediário entre o conto e o romance, com a particularidade de a novela ter um andamento mais episódico, dando a impressão de capítulos separados. Já o romance é um tipo de história onde há um conflito principal, prolongado com conflitos secundários, vindos dos painéis de época, das divagações filosóficas, da observação dos costumes e hábitos.

O tempo é um dos aspectos mais importantes da prosa de ficção.[5] O tempo cronológico é específico do conto e da novela, embora possa ocorrer no romance linear. Já o tempo metafísico é característico do romance, e em especial, do romance introspectivo.[6]

Prosa poética

Ver artigo principal: Prosa poética

O linguista Roman Jakobson define "poesia" a partir das funções da linguagem: "poesia" é o texto em que a função poética predomina sobre as demais. Assim, um texto escrito em forma de prosa pode ser considerado de "poesia", se sua função principal, sua finalidade, for poética. A tal texto pode-se dar o nome de prosa poética ou poesia em prosa. Pois é "prosa" em sua forma; mas "poesia" em sua função, em sua essência, nos sentimentos que transmite.

Historicamente, o marco de início da prosa poética é geralmente associado aos simbolistas franceses, entre os quais Baudelaire e Mallarmé; no Brasil esse início também está associado aos simbolistas, principalmente ao Poeta Negro: o grande Cruz e Sousa, que tem cinco obras em prosa poética: Tropos e Fantasias (1893); Missal (1893); Evocações (1898); Outras Evocações (obra póstuma) e Dispersos (obra póstuma).

A partir do século XX o gênero foi adotado por muitos poetas e poetisas, de estilos e inclinações muito diversos. A essas obras está reservado esse novo espaço, que já de saída inclui algumas obras de poetas como Cláudio Willer e José Geraldo Neres que já faziam parte de nosso acervo. Hoje apresentamos um novo poeta adepto desse gênero: Jorge Amaral.

En otros idiomas
Afrikaans: Prosa
Alemannisch: Prosa
aragonés: Prosa
العربية: نثر
مصرى: نثر
অসমীয়া: গদ্য
asturianu: Prosa
azərbaycanca: Nəsr
башҡортса: Проза
žemaitėška: Pruoza
беларуская: Проза
беларуская (тарашкевіца)‎: Проза
български: Проза
বাংলা: গদ্য
བོད་ཡིག: ཚིག་ལྷུག
brezhoneg: Komz-plaen
bosanski: Proza
català: Prosa
нохчийн: Проза
Cebuano: Prosa
کوردی: پەخشان
čeština: Próza
Чӑвашла: Проза
Cymraeg: Rhyddiaith
dansk: Prosa
Deutsch: Prosa
Ελληνικά: Πεζογραφία
English: Prose
Esperanto: Prozo
español: Prosa
eesti: Proosa
euskara: Prosa
فارسی: نثر
suomi: Proosa
français: Prose
Frysk: Proaza
贛語: 散文
Gàidhlig: Rosg
galego: Prosa
עברית: פרוזה
हिन्दी: गद्य
Fiji Hindi: Prose
hrvatski: Proza
magyar: Próza
հայերեն: Արձակ
Bahasa Indonesia: Prosa
Ilokano: Prosa
Ido: Prozo
íslenska: Óbundið mál
italiano: Prosa
日本語: 散文
Patois: Pruoz
Basa Jawa: Gancaran
ქართული: პროზა
қазақша: Проза
ಕನ್ನಡ: ಗದ್ಯ
한국어: 산문
къарачай-малкъар: Проза
Кыргызча: Проза
Latina: Prosa
Lëtzebuergesch: Prosa
Limburgs: Proza
lietuvių: Proza
latviešu: Proza
македонски: Проза
മലയാളം: ഗദ്യം
Bahasa Melayu: Prosa
नेपाल भाषा: गद्य
Nederlands: Proza
norsk nynorsk: Prosa
norsk: Prosa
occitan: Pròsa
ਪੰਜਾਬੀ: ਗਦ
polski: Proza
Piemontèis: Prosa (literatura)
پنجابی: لکھت
română: Proză
русский: Проза
русиньскый: Проза
sicilianu: Prosa
Scots: Prose
سنڌي: نثر
srpskohrvatski / српскохрватски: Proza
Simple English: Prose
slovenčina: Próza
slovenščina: Proza
shqip: Proza
српски / srpski: Проза
Basa Sunda: Prosa
svenska: Prosa
Kiswahili: Nathari
தமிழ்: உரைநடை
тоҷикӣ: Наср
Tagalog: Tuluyan
Türkçe: Nesir
українська: Проза
اردو: نثر
oʻzbekcha/ўзбекча: Nasr
vèneto: Proxa
Tiếng Việt: Văn xuôi
walon: Prôze
Winaray: Prosa
吴语: 散文
中文: 散文
粵語: 散文