Preservativo

Preservativo
Preservativo de látex
Informação
TipoBarreira
Primeiro uso1995 (poliuretano)
1912 (látex)
1855 (borracha)
Antiguidade (outros materiais)
Taxas de falha (ano, látex)
Uso perfeito2%
Uso típico10-18%
Utilização
Reversibilidadesim
NotasVerifique se a embalagem não foi violada de alguma forma, como pequenas perfurações, assim como a data de validade do produto.
Vantagens e desvantagens
Proteção contra ISTsim
Benefíciosnão há a necessidade de medicamentos externos ou visitas ao médico
RiscosPode ser danificado pelos lubrificantes à base de óleo

Preservativo é um contraceptivo de barreira usado durante uma relação sexual para diminuir a probabilidade de ocorrência de uma gravidez e de transmissão de infeções sexualmente transmissíveis.[1] A utilização de preservativo diminui drasticamente o risco de contrair VIH/SIDA, gonorreia, clamídia, tricomoníase e hepatite B.[1] Os preservativos oferecem também proteção contra a transmissão de herpes genital, vírus do papiloma humano (VPH) e sífilis.[1] Existem preservativos masculinos e preservativos femininos.[2] O preservativo masculino tem a vantagem de ser barato, de fácil utilização e estar associado a muito poucos efeitos secundários, oferecendo ainda protecção acrescida contra doenças sexualmente transmissíveis.[1]

O preservativo masculino é desenrolado no pénis erecto do homem antes da relação sexual e forma uma barreira física, impedindo o sémen ejaculado de entrar em contacto com o corpo do parceiro sexual.[3][1] Atualmente, a maioria dos preservativos masculinos é fabricada em látex. Para pessoas com alergia ao látex estão disponíveis preservativos de poliuretano ou borracha sintética.[1] Os preservativos femininos são geralmente fabricados em poliuretano e podem ser usados várias vezes.[3] Quando usado em todas as relações sexuais, a taxa de gravidez entre as mulheres cujo parceiro sexual usa preservativo masculino é de 2% por ano para uma utilização perfeita e 18% por ano para uma utilização típica.[1][4] Os preservativos são também usados para recolha de sémen em tratamentos de infertilidade. Uma vez que os preservativos são à prova de água, elásticos e duráveis, são ainda utilizados para diversas finalidades sem propósitos sexuais.

Desde o século XIX que os preservativos são um dos mais comuns métodos contraceptivos em todo o mundo. A utilização de preservativos enquanto forma de prevenir a transmissão de IST remonta pelo menos a 1564.[1] Em 1855 apareceram no mercado os primeiros preservativos de borracha, seguidos pelos de látex na década de 1920.[5][6] Em todo o mundo, o preservativo é o método contracetivo de eleição de cerca de 10% das pessoas que usam algum tipo de contraceção.[7] A taxa de utilização é maior nos países desenvolvidos.[7] Anualmente são vendidos entre seis a nove mil milhões de preservativos.[8] Embora amplamente aceites na sociedade contemporânea, a sua utilização gera ainda alguns focos de controvérsia. Os preservativos fazem parte da lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial de Saúde, uma lista com os medicamentos mais eficazes e seguros imprescindíveis num sistema de saúde.[9]

Eficácia clínica

Na prevenção da gravidez

A eficácia do preservativo, tal como qualquer método contraceptivo, pode ser avaliada de duas formas. A taxa de eficácia relativa ao "uso perfeito" só inclui indivíduos que usam preservativos de forma correta e consistente. A taxa de eficácia para o "uso típico" abrange todos os utilizadores de preservativos, incluindo os que usam de forma incorrecta ou que não os usam em todas as relações. Ambas as taxas referem-se geralmente ao primeiro ano de uso.[10] A fórmula de cálculo mais comum é o índice de Pearl.[11]

A taxa de gravidez para uma utilização típica do preservativo varia entre 10-18% ao ano, dependendo da população em estudo.[12][13] Para uma utilização perfeita, a taxa de gravidez é de 2% ao ano.[10] O preservativo pode ser conjugado com outras formas de contracepção para uma protecção acrescida, como os espermicidas.[14]

Na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis

O uso de preservativo para prevenir doenças sexualmente transmissíveis é incentivado por inúmeras campanhas de consciencialização pública em todo o mundo. Na imagem, o Obelisco de Buenos Aires coberto por um preservativo de 67 metros durante o Dia Mundial de Luta Contra a Sida.

Os preservativos são amplamente recomendados na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Têm-se mostrado eficazes na redução das taxas de infecção em parceiros de ambos os sexos. Embora nunca perfeito, o preservativo é eficaz na redução da transmissão de organismos que provocam SIDA, herpes genital, cancro do colo do útero, verrugas genitais, sífilis, clamídia e gonorreia, entre outras.[15] Os preservativos são ainda recomendados enquanto método auxiliar de métodos de controlo de natalidade mais eficazes, em situações onde também é necessária protecção contra DST.[16]

Um relatório de 2000 conclui que a utilização correcta e consistente de preservativo de látex reduz o risco de transmissão de VIH/SIDA cerca de 85% em relação ao risco na ausência de protecção. A taxa de infecção com a utilização de preservativo é de 0,9 por 100 pessoas-ano, muito inferior ao valor sem protecção de 6,7 por 100 pessoas-ano.[17] Uma análise publicada em 2007 pela Organização Mundial de Saúde estimou a redução de risco entre os 80 a 95%.[18] Embora o preservativo seja eficaz ao limitar a exposição ao agente infeccioso, continua a haver um pequeno risco de transmissão. As áreas infectadas de órgãos genitais, sobretudo quando os sintomas são observáveis, podem não ser cobertas pelo preservativo, o que possibilita o contágio de certas doenças através de contacto directo.[19] No entanto, o principal factor que limita a eficácia do preservativo na protecção de DST é a sua utilização de forma inconsistente.[20]

O preservativo pode também ser útil no tratamento de alterações pré-cancerígenas do colo do útero. A exposição ao vírus do papiloma humano, mesmo em indivíduos já infectados com esse vírus, aparenta aumentar o risco de alterações pré-cancerígenas. O uso de preservativo ajuda a promover a regressão destas alterações.[21] Para além disso, investigadores no Reino Unido sugerem que uma hormona do sémen pode agravar uma situação de cancro do colo do útero, pelo que o uso de preservativo pode prevenir a exposição a essa hormona.[22]

Causas para falhas

O preservativo pode deslizar para fora do pénis após a ejaculação, romper-se devido a uma aplicação incorrecta ou danos físicos (como fissuras ao abrir a embalagem), ou ainda romper-se devido à degradação do látex (geralmente como consequência do uso fora do prazo de validade, armazenamento incorrecto ou exposição a óleos).[23] A taxa de rompimento situa-se entre 0,4-2,3% e a taxa de deslize entre 0,6-1,3%.[17] Mesmo quando não se verifica deslize ou ruptura, 1% a 2% das mulheres apresentam indícios de sémen após relação sexual com preservativo.[24][25] O nível de exposição ao sémen varia consoante a causa da falha. Se a falha ocorre durante a aplicação, o preservativo danificado pode ser descartado e aplicado um novo antes do início da penetração, sem existir risco para o utilizador.[26] Um estudo confirmou que a exposição ao sémen a partir de um preservativo rompido era cerca de metade do valor para sexo sem protecção, e que a exposição após o deslize do preservativo era cerca de um quinto do valor para sexo sem protecção.[27] Os utilizadores experientes de preservativos têm muito menor probabilidade de experimentar um deslize do que novos utilizadores.[28] Um artigo sugere que a educação para o uso correcto do preservativo reduz o risco de comportamentos por parte do utilizador que potenciam o risco de ruptura e deslize.[29]

É comum a alegação de que a utilização em simultâneo de dois preservativos pode aumentar a taxa de falha, devido à fricção de borracha com borracha.[30][31] Esta alegação não é suportada por dados científicos. Os estudos limitados realizados sobre este assunto defendem que a utilização simultânea provavelmente não é prejudicial, sendo possivelmente benéfica.[32][33]

Os preservativos convencionais são adequados a praticamente todos os tamanhos do pénis humano, embora haja vários graus de conforto e de risco de deslize. Muitos dos fabricantes disponibilizam tamanhos maiores ou mais pequenos. Alguns disponibilizam até preservativos feitos à medida, alegando serem mais fiáveis e oferecerem maior sensação de conforto e/ou prazer.[34][35][36] Alguns estudos associaram pénis maiores e preservativos mais pequenos com um maior risco de ruptura e menor risco de deslize, e vice-versa. No entanto, outros estudos têm sido inconclusivos.[37] A espessura do preservativo não tem relação com o risco de ruptura, sendo os mais finos tão eficazes como os mais espessos.[38] No entanto, é recomendado aos fabricantes que evitem o fabrico de preservativos demasiadamente finos ou espessos, uma vez que se considera ambos menos eficazes.[39] Alguns autores encorajam os utilizadores a escolher preservativos mais finos devido à maior durabilidade, sensação de prazer e conforto,[40] embora outros avisem que quanto mais fino o preservativo, menor é a força necessária para o romper.[41]

Entre os casais que utilizam o preservativo como método contraceptivo, a principal causa da taxa de falha por uso típico (em oposição ao uso perfeito) são comportamentos de risco em que ocasionalmente se opta por "arriscar" quando não se tem disponíveis preservativos.[42] Outra causa possível para a falha do preservativo enquanto método anticoncepcional é a coerção reprodutiva, cujo principal motivo é o desejo de ter um filho contra a vontade ou consentimento do parceiro.[43] Há relatos por parte de algumas profissionais do sexo nigerianas sobre clientes que deliberadamente danificam os preservativos em retaliação pelo facto de serem forçados a usá-los.[44]

En otros idiomas
Afrikaans: Kondoom
Alemannisch: Kondom
العربية: عازل ذكري
asturianu: Preservativu
azərbaycanca: Prezervativ
Boarisch: Kondom
беларуская: Прэзерватыў
беларуская (тарашкевіца)‎: Прэзэрватыў
български: Презерватив
বাংলা: কনডম
བོད་ཡིག: སྲུང་ཤུབས།
brezhoneg: Stevell
català: Preservatiu
کوردی: کۆندۆم
čeština: Kondom
Cymraeg: Condom
dansk: Kondom
Deutsch: Kondom
Zazaki: Prezervatif
Ελληνικά: Προφυλακτικό
emiliàn e rumagnòl: Guldòun
English: Condom
Esperanto: Kondomo
español: Preservativo
eesti: Kondoom
euskara: Kondoi
فارسی: کاندوم
suomi: Kondomi
français: Préservatif
Frysk: Kondoom
Gaeilge: Coiscín
galego: Preservativo
ગુજરાતી: નિરોધ
עברית: קונדום
हिन्दी: निरोध
hrvatski: Prezervativ
Kreyòl ayisyen: Kapot
magyar: Óvszer
հայերեն: Պահպանակ
interlingua: Preservativo
Bahasa Indonesia: Kondom
íslenska: Smokkur
italiano: Profilattico
日本語: コンドーム
Kongo: Kapoti
қазақша: Үрпекқап
한국어: 콘돔
Ripoarisch: Kondom
kurdî: Kondom
Lëtzebuergesch: Kapëttchen
lumbaart: Goldon
lingála: Kapɔ́ti
lietuvių: Prezervatyvas
latviešu: Prezervatīvs
македонски: Презерватив
मराठी: निरोध
Bahasa Melayu: Kondom
မြန်မာဘာသာ: ကွန်ဒုံး
مازِرونی: کاندوم
नेपाली: कण्डम
Nederlands: Condoom
norsk nynorsk: Kondom
norsk: Kondom
ଓଡ଼ିଆ: କଣ୍ଡୋମ
ਪੰਜਾਬੀ: ਕੰਡੋਮ
polski: Prezerwatywa
پښتو: کانډوم
Runa Simi: Ullu islampu
română: Prezervativ
русский: Презерватив
sicilianu: Prisirvativu
Scots: Condom
srpskohrvatski / српскохрватски: Kondom
Simple English: Condom
slovenčina: Prezervatív
slovenščina: Kondom
српски / srpski: Кондом
svenska: Kondom
Kiswahili: Kondomu
ślůnski: Olik
తెలుగు: Condom
Türkçe: Prezervatif
українська: Презерватив
اردو: کنڈوم
Tiếng Việt: Bao cao su
Volapük: Preservum
Winaray: Kondom
მარგალური: პრეზერვატივი
ייִדיש: קאנדאם
中文: 避孕套
文言: 避孕套
Bân-lâm-gú: Sak-khuh
粵語: 避孕套