Povos ameríndios

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Povos ameríndios
Distribution of Indigenous Peoples in the Americas.svg
População atual de ameríndios na América.
População total

Aproximadamente 60,5 milhões

Regiões com população significativa
  México 25,7milhões [1]
  Bolívia 6,8 milhões [2]
  Guatemala 6,0 milhões [3]
  Peru 6,0 milhões [4]
  Equador 3,4 milhões
  Estados Unidos 3–5 milhões [5]
  Chile 2,0 milhões [6]
  Canadá 1,4 milhão [7]
  Colômbia 1,4 milhão [8]
  Argentina 955.000 [9]
  Brasil 818.000 [10]
  Venezuela 524.000 [11]
  Honduras 520.000 [12]
  Nicarágua 444.000 [13]
  Panamá 204.000 [14]
  Paraguai 95.000 [15]
  El Salvador 70.000 [16]
  Costa Rica 114.000 [17]
  Groenlândia 51.000 [18]
  Belize 24.500 ( maias) [19]
  Guiana Francesa 19.000 [20]
  Suriname 12.000–24.000
  Dominica 3.000
Línguas
Religiões

Índio, indígena, nativo americano ou ameríndio são os nomes dados aos habitantes da América antes da chegada dos europeus, e os seus descendentes atuais. A hipótese mais aceita para a sua origem é que os primeiros habitantes da América tenham vindo da Ásia, atravessando a pé o Estreito de Bering ( Beríngia), no final da idade do gelo, há 12 mil anos.

O termo "índio" provém do fato de que Cristóvão Colombo, quando chegou à América, estava convencido de que tinha chegado à Índia, haja vista que o gentílico espanhol para a pessoa nativa da Índia é indio (índio), e dessa maneira chamou os povos indígenas que ali encontrou. Por essa razão também, ainda hoje se refere às ilhas do Caribe como Índias Ocidentais.

Mais tarde, estes povos foram considerados uma raça distinta e também foram apelidados de peles vermelhas. O termo ameríndio é usado para designar os nativos do continente americano, em substituição às palavras "índios", "indígenas" e outras consideradas preconceituosas.

Na América do Norte, estes povos são conhecidos também pelas expressões "povos aborígenes", "índios americanos", "primeiras nações" (principalmente no Canadá), "nativos do Alasca" ou povos indígenas da América. No entanto, os esquimós ( inuit, yupik e aleutas) e os métis ( mestiços) do Canadá, que têm uma cultura e genética diferente dos restantes, nem sempre são considerados naqueles grupos. Estes termos compreendem um grande número de distintas tribos, estados e grupos étnicos, muitos dos quais vivendo como comunidades com um estatuto político.

Histórico

Ver artigo principal: América pré-colombiana

Origem

Evolução do trecho de terra que ligava o nordeste asiático às Américas, a teoria mais aceita para a origem dos ancestrais dos povos ameríndios, é a de que eles seriam caçadores-coletores que atravessaram a pé este trecho que ligava o continente asiático à América e uma vez na América, foram migrando em direção ao sul. Uma das etnias ameríndias que tem mais parentesco com os povos do nordeste asiático são os esquimós.
Mapa das primeiras migrações humanas, de acordo com a hipótese da origem única.

Até recentemente, a interpretação mais largamente aceite baseada nos achados arqueológicos era de que os primeiros humanos nas Américas teriam vindo numa série de migrações da Sibéria para o Alasca através de uma língua de terra chamada Beríngia, que se formou com a queda do nível dos mares durante a última idade do gelo, entre 24 e 9 mil anos atrás.

Na rota do Sul mudaram o pensamento dos arqueólogos. O fóssil de uma mulher com 11 mil anos foi encontrado pela arqueóloga francesa Annette Laming-Emperaire na década de 1970. O fóssil recebeu o nome de Luzia, apelido dado carinhosamente pelo biólogo Walter Alves Neves, do Instituto de Biociências da USP

Ao estudar a morfologia craniana de Luzia, Neves na década de 1990, encontrou traços que lembram os atuais aborígenes da Austrália e os negros da África. Ao lado do seu colega argentino Héctor Pucciarelli, do Museo de Ciencias Naturales de la Universidad de La Plata, Neves formulou a teoria de que o povoamento das Américas teria sido feito por duas correntes migratórias de caçadores e coletores, ambas vindas da Ásia, provavelmente pelo estreito de Bering, mas cada uma delas composta por grupos biológicos distintos. A primeira teria ocorrido 14 mil anos atrás e seus membros teriam aparência semelhante à de Luzia. O segundo grupo teria sido o dos povos mongolóides. A chegada dos mongolóides na América é estimada em 11 mil anos, dos quais descendem atualmente todas as tribos indígenas das Américas.

Existem outras teorias sobre a origem dos nativos americanos:

  • Vários antropólogos, historiadores e arqueólogos têm sugerido que os nativos americanos são descendentes, quer de europeus, quer africanos que atravessaram o Oceano Atlântico. Alguns apontam a semelhança física entre os Olmecas e os africanos. Thor Heyerdahl demonstrou que é possível navegar da África para a América numa réplica dum barco de papiro do antigo Egito.
  • A maioria das religiões dos nativos americanos ensinam que os humanos foram criados na América no princípio dos tempos e sempre ali viveram.
  • A doutrina Mórmon diz os ameríndios são descendentes de Lehi e dos nefitas, personagens do Livro de Mórmon que teriam sido Israelitas que chegaram à Américas cerca de 590 AC.
  • No século XIX e princípios do século XX, houve proponentes da existência continentes perdidos, entre os quais Atlântida, e Lemúria, de onde poderiam ter vindo os primeiros habitantes humanos das Américas.

O mais provável, no entanto, é que as Américas tenham sido colonizadas por vagas de povos de diferentes origens, ao longo dos tempos, dando origem ao complexo mosaico de povos e línguas que hoje existem. E é possível, igualmente, que esses povos – tal como aconteceu em tempos históricos, bem documentados – tenham substituído ou tenham se juntado com populações originais que lá já existiam.

Os primeiros colonizadores das Américas (ameríndios) não tinham tecnologia de confecção de artefatos líticos muito evoluídos, pois há indícios que seus instrumentos de caça eram pedras e cachorros domesticados para este fim. Os caçadores e coletores, tiveram um rápido avanço em direção ao sul, e tinham instrumentos de caça mais evoluídos, como por exemplo projéteis pontiagudos. [21]

Genética

Distribuição de língua pré-colombianas mais faladas na América Latina no início do século XXI: Quíchua, Guarani, Aimará, Nauatle, Línguas Maias, Mapuche

De acordo com um estudo genético autossômico de 2012, [22]os ameríndios descendem de pelo menos três correntes provenientes do leste asiático. A grande maior parte dos ameríndios descende de uma população única ancestral, chamada 'primeiros americanos'. Contudo, os que falam as línguas esquimó do Ártico herdaram quase metade da sua ancestralidade de uma segunda corrente vinda do leste asiático, e os que falam as línguas na-dene, no Canadá, por sua vez, herdaram a décima parte da sua ancestralidade de uma terceira corrente. O povoamento inicial seguiu uma expansão para o sul, pela costa, com pouco fluxo gênico posterior, especialmente na América do Sul. Uma exceção a isso são os que falam a língua chibcha, que têm ancestralidade tanto do norte como do sul da América. [22]

Um outro estudo realizado, focado no dna mitocondrial (aquele que é herdado pela linhagem materna), [23] revelou que os nativos do continente americano têm sua ancestralidade materna traçada a um pequeno número de linhagens do leste asiático, que teria chegado pelo estreito de Bering. De acordo com o estudo, é provável que os antepassados dos ameríndios tenham ficado por um tempo na região do estreito de Bering, após o que teria havido um rápido movimento de povoamento das Américas, o qual teria levado todas as linhagens fundadoras até a América do Sul.

Análises linguísticas corroboram os estudos genéticos, tendo sido encontradas antigas relações e padrões de similaridade entre as línguas faladas na Sibéria e aquelas faladas no continente americano. [23]

En otros idiomas
Afrikaans: Indiane
Ænglisc: Scrælingas
azərbaycanca: Hindilər
башҡортса: Индеецтар
Boarisch: Indiana
žemaitėška: Indienā
беларуская: Індзейцы
беларуская (тарашкевіца)‎: Індзейцы
български: Индианци
brezhoneg: Amerindianed
čeština: Indiáni
Deutsch: Indianer
Zazaki: Postesuri
Esperanto: Indianoj
euskara: Amerindiar
فارسی: سرخ‌پوست
suomi: Intiaanit
français: Amérindiens
Nordfriisk: Indiooner
Frysk: Yndianen
עברית: אינדיאנים
hrvatski: Indijanci
magyar: Indiánok
Հայերեն: Հնդկացիներ
interlingua: Indiano american
Bahasa Indonesia: Penduduk asli Benua Amerika
la .lojban.: rindo
Basa Jawa: Suku Indian
ქართული: ინდიელები
қазақша: Үндістер
Кыргызча: Индейлер
Limburgs: Indiane
lietuvių: Indėnai
кырык мары: Индейвлӓ
Bahasa Melayu: Amerindian
مازِرونی: سرخپوست
Nāhuatl: Macehuallacatl
Napulitano: Native mericane
Plattdüütsch: Indianer
Nedersaksies: Inheemse Amerikanen
Nederlands: Indianen
norsk nynorsk: Amerikanske urfolk
Diné bizaad: Bitsįʼ yishtłizhii
Deitsch: Insching
polski: Indianie
پنجابی: لال ہندی
română: Amerindieni
русский: Индейцы
srpskohrvatski / српскохрватски: Indijanci
Simple English: Native American
slovenčina: Indiáni
slovenščina: Ameriški staroselci
српски / srpski: Američki starosedeoci
Seeltersk: Indioanere
svenska: Indianer
Kiswahili: Waindio
ślůnski: Indjanery
Türkmençe: Indeýler
українська: Індіанці
اردو: سرخ ہندی
Tiếng Việt: Thổ dân châu Mỹ
West-Vlams: Indioann
მარგალური: ინდიარეფი
粵語: 美洲土著