Porto Alegre

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Porto Alegre (desambiguação).
Município de Porto Alegre
"Capital dos Gaúchos "
"Poa"
Do topo, em sentido horário: Mercado Público; Usina do Gasômetro; vista da cidade; Monumento aos Açorianos diante do prédio do Centro Administrativo do Estado; panorama da cidade a partir do lago Guaíba; sede da Fundação Iberê Camargo e o Monumento ao Expedicionário no Parque Farroupilha.

Do topo, em sentido horário: Mercado Público; Usina do Gasômetro; vista da cidade; Monumento aos Açorianos diante do prédio do Centro Administrativo do Estado; panorama da cidade a partir do lago Guaíba; sede da Fundação Iberê Camargo e o Monumento ao Expedicionário no Parque Farroupilha.
Bandeira de Porto Alegre
Brasão de Porto Alegre
BandeiraBrasão
Hino
Aniversário26 de março
Fundação26 de março de 1772 (246 anos)
Emancipação11 de dezembro de 1810 (207 anos)
Gentílicoporto-alegrense
LemaLeal e Valerosa Cidade de Porto Alegre
CEP90000-000 até 91999-999
Prefeito(a)Nelson Marchezan Jr. (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Porto Alegre
Localização de Porto Alegre no Rio Grande do Sul
Porto Alegre está localizado em: Brasil
Porto Alegre
Localização de Porto Alegre no Brasil
30° 01' 58" S 51° 13' 48" O30° 01' 58" S 51° 13' 48" O
Unidade federativaRio Grande do Sul
Região
intermediária

Porto Alegre IBGE/2017[1]

Região
imediata

Porto Alegre IBGE/2017[1]

Região metropolitanaPorto Alegre
Municípios limítrofesAlvorada, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Nova Santa Rita, Triunfo e Viamão
Distância até a capital2 027 km[2]
Características geográficas
Área496,682 km² [3]
Área urbana160,7 km² (BR: 11º) – est. Embrapa[4]
População1 479 101 hab. (RS: 1º) –  estatísticas IBGE/2018[5]
Densidade2 977,96 hab./km²
Altitude10 m[4]
Climasubtropical úmido Cfa
Fuso horárioUTC−3
Indicadores
IDH-M0,805 (BR: 28º) – muito elevado PNUD/2010[6]
PIBR$ 68 117 224,43 mil (BR: 8º; RS: 1º) – IBGE/2015[7]
PIB per capitaR$ 46 122 79 IBGE/2015[7]
Página oficial
Prefeiturawww.portoalegre.rs.gov.br
Câmarawww.camarapoa.rs.gov.br

Porto Alegre é um município brasileiro e a capital do estado mais meridional do Brasil, o Rio Grande do Sul.[8] Com uma área de 496,682 km², possui uma geografia diversificada, com morros, baixadas e um grande lago: o Guaíba. Dista 2 027 quilômetros de Brasília, a capital nacional.[2][8][9]

A cidade constituiu-se a partir da chegada de casais açorianos em meados do século XVIII. No século XIX contou com o influxo de muitos imigrantes alemães e italianos, recebendo também espanhóis, africanos, poloneses e libaneses. Sede da maior concentração urbana da região Sul e quinta mais populosa do Brasil, desenvolveu-se com rapidez e hoje abriga quase 1,5 milhão de habitantes dentro dos limites municipais[8][10][11] e cerca de 4.276.475 habitantes na região metropolitana.[12] Com 37,7% da população vivendo em apartamentos, é a segunda capital mais verticalizada do país.[13] A cidade enfrenta muitos desafios, entre eles o fato de parte da população viver em condições de sub-habitação,[14] alto custo de vida,[15] alta incidência de obesidade e tabagismo,[16][17] deficiências sérias no quesito poluição,[18] degradação de ecossistemas originais,[19] índices de crime elevados[20][21] e crescentes problemas de trânsito.[22]

Por outro lado, ostenta mais de 80 prêmios e títulos que a distinguem como uma das melhores capitais brasileiras para morar, trabalhar, fazer negócios, estudar e se divertir. Foi destacada em 2010 também pela ONU como a Metrópole nº 1 em qualidade de vida do Brasil por três vezes; como possuindo um dos 40 melhores modelos de gestão pública democrática pelo seu Orçamento Participativo e por ter o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) entre as metrópoles nacionais.[23] Dados do IBGE a apontaram em 2009 como a capital brasileira com a menor taxa de desemprego,[24] a empresa de consultoria britânica Jones Lang LaSalle a incluiu em 2004 entre as 24 cidades com maior potencial para atrair investimentos no mundo[25] e figura na lista da Pricewaterhouse Coopers entre as cem cidades mais ricas do mundo.[26] Porto Alegre recebeu a classificação de cidade autossuficiente, por parte do Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC).[27]

Além disso, Porto Alegre é uma das cidades mais arborizadas[28] e alfabetizadas do país,[8] é um polo regional de atração de migrantes em busca de melhores condições de vida, trabalho e estudo[29] e tem uma infraestrutura em vários aspectos superior à das demais capitais do Brasil.[30] Foi manchete internacional quando sediou as primeiras edições do Fórum Social Mundial[23] e foi escolhida como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.[31] Também tem uma cultura qualificada e diversificada, com intensa atividade em praticamente todas as áreas das artes, esportes e das ciências, muitas vezes com projeção nacional, além de possuir ricas tradições folclóricas e um significativo patrimônio histórico em edificações centenárias e numerosos museus.[8]

História

Ver artigo principal: História de Porto Alegre

Origens

A região do atual município de Porto Alegre já era habitada pelo homem desde 11 000 anos atrás. Por volta do ano 1000, os povos indígenas tapuias que habitavam a região foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos do tronco linguístico tupi provenientes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, a mesma era habitada por um desses povos do tronco tupi, os carijós. Os carijós viriam a ser escravizados pelos colonos de origem portuguesa de São Vicente.[32]

Porto Alegre estabeleceu-se como cidade somente no século XVIII. Até então, o território do Rio Grande do Sul ainda pertencia legalmente aos espanhóis devido ao Tratado de Tordesilhas (1494), mas, desde o século XVII, os portugueses já começavam a dirigir esforços para a sua conquista e foram progressivamente penetrando no território pelo nordeste, chegando através do Caminho dos Conventos (uma extensão da Estrada Real) à região da Vacaria dos Pinhais, e dali descendo para Viamão. A penetração foi realizada por bandeirantes que vinham em busca de escravos índios e por tropeiros que caçavam os grandes rebanhos de gado bovino, mulas e cavalos que viviam livres no estado. Mais tarde, os tropeiros passaram a se radicar no sul, transformando-se em estancieiros e solicitando a concessão de sesmarias. A primeira delas foi outorgada em 1732 a Manuel Gonçalves Ribeiro na Parada das Conchas, onde hoje é Viamão. Outra via de penetração foi através do litoral, fundando-se, em 1737, uma fortaleza onde hoje é Rio Grande, com o objetivo dar assistência à Colônia do Sacramento, no Uruguai.[33]

Depois da assinatura do Tratado de Madrid (1750), o rei de Portugal determinou que fosse reunido um grupo de 4 000 casais dos Açores para povoar o sul, mas efetivamente foram transportados apenas cerca de mil casais, que se espalharam pelo litoral entre Osório e Rio Grande, e um pouco pelo interior. Cerca de 500 pessoas se fixaram em 1752 à beira do Lago Guaíba, no chamado Porto de Viamão, o primeiro nome da futura Porto Alegre. Os conflitos locais entre portugueses e espanhóis, porém, não foram contidos pelo tratado. Rio Grande foi invadida por espanhóis em 1763, a população portuguesa fugiu e o governo da Capitania do Rio Grande de São Pedro se mudou às pressas para Viamão. O Porto de Viamão foi elevado a freguesia, com o nome de Freguesia de São Francisco do Porto dos Casais, em 26 de março de 1772, hoje estabelecida como data oficial da fundação da cidade. Em vista da sua melhor situação geográfica e estratégica, em 25 de julho de 1773 o governador da Capitania, Marcelino de Figueiredo, determinou a transferência da capital de Viamão para lá, quando a freguesia já tinha cerca de 1 500 habitantes.[34][35]

Com a paz entre Portugal e Espanha conseguida no Tratado de Santo Ildefonso (1777), a posse da terra foi regularizada e começou-se a organizar a administração. Foi erguido o Palácio de Barro, primeira sede de governo, um cemitério, uma prisão, um pequeno teatro e a Igreja Matriz. Ruas foram calçadas, foi criado um serviço postal, o comércio começou a florescer, a atividade do porto se intensificou e a pequena urbe assumiu suas funções definitivamente como capital da Capitania, crescendo rapidamente. Em 1798 tinha 3 000 habitantes e, em 1814, já possuía 6 000.[36][37]

Herrmann Wendroth: Porto Alegre vista das ilhas do Guaíba, em 1852
Antigo mercado público em meados do século XIX

Século XIX

Em 27 de agosto de 1808 a freguesia foi elevada à categoria de vila, verificando-se a instalação a 11 de dezembro de 1810. Em 16 de dezembro de 1812 Porto Alegre tornou-se sede da Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul, recém-criada, e cabeça da comarca de São Pedro do Rio Grande e Santa Catarina. Em 1814 o novo governador, Dom Diogo de Sousa, obteve a concessão de uma grande sesmaria ao norte, com o fim expresso de estimular a agricultura local. Com o crescimento de cidades próximas como Rio Pardo e Santo Antônio da Patrulha, e em vista de sua privilegiada situação geográfica, na confluência das duas maiores rotas de navegação interna - a do rio Jacuí e a da Lagoa dos Patos - Porto Alegre começava a se tornar o maior centro comercial da região. A frota permanente que frequentava o porto nessa altura contava com cerca de cem navios, e foi aberta uma alfândega. Também se iniciavam exportações de trigo e charque. Em 1816 se haviam comerciado 400 mil alqueires de trigo para Lisboa, e em 1818 se venderam mais de 120 mil arrobas de charque, produto que logo assumiria a dianteira na economia local.[38]

Em 1822 a vila ganhou foro de cidade. A partir de então chegaram os primeiros imigrantes alemães, instalando restaurantes, pensões, pequenas manufaturas, olarias, alambiques e diversos estabelecimentos comerciais. Como a situação econômica da Capitania não ia bem, pressionada por pesados impostos e negligenciada pelo governo imperial, em 1835 estalou em Porto Alegre a Revolução Farroupilha. Tomada em 1836 pelas tropas imperiais, a partir de então a cidade sofreu três longos cercos até o ano de 1838. Foi a resistência a esses cercos que fez D. Pedro II dar à cidade o título de "Mui Leal e Valorosa". Apesar do inchaço populacional daqueles tempos, a malha urbana só voltou a crescer em 1845, após o fim da revolução e com a derrubada das muralhas que cercavam a cidade.[39][40]

No período de 1865 a 1870 a Guerra do Paraguai transformou a capital gaúcha na cidade mais próxima do teatro de operações. A cidade recebeu dinheiro do governo central, além de serviço telegráfico, novos estaleiros, quartéis e melhorias na área portuária. Em 1872 as primeiras linhas de bonde entraram em circulação. Construiu-se a Usina do Gasômetro (1874) para geração de energia e implantou-se uma rede de esgotos (1899), enquanto que os bairros da cidade se expandiam.[41][42] Na segunda metade do século, enfim a cultura local pôde receber mais atenção, construindo-se um grande teatro, o Theatro São Pedro, e surgindo os primeiros literatos, educadores, músicos e pintores locais de expressão, como Antônio Vale Caldre Fião, Hilário Ribeiro, Luciana de Abreu, Pedro Weingärtner, Apolinário Porto-Alegre, Joaquim Mendanha e Carlos von Koseritz. Fundou-se a Sociedade Parthenon Litterario, formada pela flor da intelectualidade gaúcha, e em 1875 foi realizado o primeiro salão de artes.[43][44]

Século XX

Abertura da Avenida Borges de Medeiros e construção do Viaduto Otávio Rocha, no início do século XX.
Rodoviária de Porto Alegre, setembro de 1970. Arquivo Nacional.

Na virada do século XX Porto Alegre passou a ser imaginada como o cartão de visitas do Rio Grande do Sul, ideia alinhada com os propósitos do Positivismo, corrente filosófica abraçada pelos governos estadual e municipal, e por isso a cidade deveria transmitir uma impressão de ordem e progresso. Para transformar a ideia em fato, a Intendência, a cuja testa estava José Montaury, iniciou um enorme programa de obras públicas. Montaury permaneceu no governo municipal por 27 anos, sendo sucedido por Otávio Rocha e Alberto Bins, que em linhas gerais mantiveram a mesma orientação. A fim de melhor controlar o processo de desenvolvimento, o município atraiu para si a responsabilidade sobre muitos serviços públicos, como o fornecimento de água encanada, iluminação, transporte, educação, policiamento, saneamento e assistência social, em um volume que ultrapassava em muito o hábito da época e superava o que faziam na mesma altura São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, o crescimento do funcionalismo público e a quantidade de obras demandaram recursos além das capacidades de arrecadação, e foram contraídos grandes empréstimos.[45] Na cultura foi um marco a fundação em 1908 do Instituto Livre de Belas Artes, antecessor do atual Instituto de Artes da UFRGS, que concentrou a produção de arte na capital e foi em todo o estado praticamente a única referência institucional significativa até a década de 1960 nos campos do estudo, ensino e produção de arte.[46]

Em 1940 o município contava com cerca de 385 mil habitantes e seus índices de crescimento eram positivos para a indústria, a construção civil, a educação, a saúde, a eletrificação, o saneamento, o movimento portuário, os transportes e as obras de urbanização. A ligação rodoviária e aérea com o centro do Brasil foi incrementada e a rede ferroviária para o interior do estado se expandia.[47] No encerramento dos anos 1950 foi implantado o primeiro Plano Diretor, composto com base na Carta de Atenas. Para Helton Bello, com este Plano se acentuou a verticalização da cidade, fazendo Porto Alegre conhecer o maior crescimento edilício de sua história, o que alterou significativamente a morfologia urbana.[48]

A segunda metade do século XX foi caracterizada por um acelerado crescimento urbano e populacional, e os sucessivos administradores se empenharam novamente em uma série de investimentos em obras públicas, enquanto a cidade via desaparecer, sob a onda do progresso, boa parte de suas edificações antigas.[48][49] Paralelamente, a cultura de Porto Alegre se caracterizou por um forte colorido político, reunindo expressivo grupo de intelectuais e produtores artísticos influentes alinhados ao Existencialismo e ao Comunismo. Entre o fim da década de 1950 e os anos que precederam o golpe militar de 64 foram montadas peças teatrais de vanguarda, em polêmicas abordagens de crítica social; as artes plásticas mostravam uma arte realista/expressionista de mesmo perfil, que por vezes adquiria um tom panfletário. Quanto ao golpe, Porto Alegre foi o palco de importantes movimentos políticos que levaram à sua concretização, comandados pelo então governador Ildo Meneghetti a partir do Palácio Piratini.[50] Porto Alegre nas últimas décadas se tornou uma das grandes metrópoles brasileiras, internacionalizou sua cultura, tornou-se um modelo de administração pública, dinamizou sua economia a ponto de se tornar uma das cidades mais ricas do mundo, e alcançou altos níveis de qualidade de vida,[23][26] mas ao mesmo tempo passou a experimentar os problemas que afligem outros grandes centros urbanos do Brasil, com o surgimento de favelas,[14] de dificuldades no trânsito[22] e crescimento da poluição[18] e dos índices de criminalidade.[20][51]

En otros idiomas
Afrikaans: Porto Alegre
العربية: بورتو أليغري
asturianu: Porto Alegre
azərbaycanca: Porto Alegre
беларуская: Порту-Алегры
беларуская (тарашкевіца)‎: Порту-Алегры
български: Порто Алегри
বিষ্ণুপ্রিয়া মণিপুরী: পর্টো আলেগ্রে
brezhoneg: Porto Alegre
bosanski: Porto Alegre
català: Porto Alegre
нохчийн: Порту-Алегри
Cebuano: Porto Alegre
čeština: Porto Alegre
Deutsch: Porto Alegre
Ελληνικά: Πόρτο Αλέγκρε
emiliàn e rumagnòl: Porto Alegre
English: Porto Alegre
Esperanto: Porto-Alegro
español: Porto Alegre
euskara: Porto Alegre
Na Vosa Vakaviti: Porto Alegre
français: Porto Alegre
Gaeilge: Porto Alegre
galego: Porto Alegre
Avañe'ẽ: Porto Alegre
客家語/Hak-kâ-ngî: Porto Alegre
hrvatski: Porto Alegre
magyar: Porto Alegre
interlingua: Porto Alegre
Bahasa Indonesia: Porto Alegre
Interlingue: Porto Alegre
íslenska: Porto Alegre
italiano: Porto Alegre
ქართული: პორტუ-ალეგრი
Qaraqalpaqsha: Portu-Alegri
қазақша: Порту-Алегри
kurdî: Porto Alegre
lumbaart: Porto Alegre
lietuvių: Porto Alegrė
latviešu: Portualegri
Malagasy: Porto Alegre
македонски: Порто Алегре
Bahasa Melayu: Porto Alegre
Napulitano: Porto Alegre
Plattdüütsch: Porto Alegre
norsk nynorsk: Porto Alegre
occitan: Porto Alegre
polski: Porto Alegre
Runa Simi: Porto Alegre
română: Porto Alegre
русский: Порту-Алегри
srpskohrvatski / српскохрватски: Porto Alegre
Simple English: Porto Alegre
slovenčina: Porto Alegre
српски / srpski: Порто Алегре
svenska: Porto Alegre
Kiswahili: Porto Alegre
ślůnski: Porto Alegre
Türkçe: Porto Alegre
українська: Порту-Алегрі
oʻzbekcha/ўзбекча: Portu-Alegri
vèneto: Porto Alegre
Tiếng Việt: Porto Alegre
Volapük: Porto Alegre
Winaray: Porto Alegre
Bân-lâm-gú: Porto Alegre
isiZulu: Porto Alegre