Paio Peres Correia

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Paio Peres Correia
Nascimento1205
Monte de Fralães
Mortejaneiro de 1275 (70 anos)
Uclés ou Montalbán
ProgenitoresMãe: Dordia Pires de Aguiar
Pai: Pero Pais Correia

Paio Peres Correia (em castelhano: Pelayo Pérez Correa; c.1205janeiro de 1275[1]) foi Mestre da Ordem de Santiago, tendo conduzido uma campanha militar contra os mouros no Algarve, que culminou com a tomada de Silves, deixando ao rei Afonso III de Portugal a tarefa de conquistar as últimas bolsas de resistência em 1249.[2]

Biografia

D. Paio Peres Correia, filho de Pero Pais Correia e Dordia Pires de Aguiar,[3] terá nascido no ano de 1205, possivelmente na Honra de Farelães (Monte de Fralães, Barcelos). As Inquirições assinalam a presença dos seus irmãos, de uma irmã e de outros parentes em freguesias da vizinhança.

No reinado de Sancho II de Portugal, encontramo-lo em Alcácer do Sal;[4] a partir de 1228 vai ter como primeiro palco da sua acção o Alentejo, conquistando Aljustrel e Mértola,[5] descendo depois até ao Algarve, conquistando Silves, Cacela e Tavira. De acordo com a Crónica da Conquista do Algarve, Tavira foi conquistada aos mouros, em Junho de 1239, por D. Paio Peres Correia, como represália pela morte de sete dos seus cavaleiros.

D. Paio Peres Correia

Em 1242, torna-se em Mérida o 17º Grão-Mestre da Cavalaria de São Tiago[6] e passou então a estar ao serviço de Fernando III e de seu filho, o futuro Afonso X de Leão e Castela, vivendo naturalmente no reino de castela.

Segundo a Crónica da Conquista do Algarve, inserida na Crónica Portuguesa de 1419, Paio Peres voltaria ao Algarve em 1249, no reinado de D. Afonso III, e colaborou nas conquistas de Faro e Aljezur. Um dos pontos altos da sua acção militar aconteceu na tomada de Sevilha em 1248, onde teve uma acção de grande relevo, como o testemunha, por exemplo, a Crónica Geral de Espanha de 1344.

En otros idiomas