Memória

Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e a coerência e o rigor deste artigo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2016)
Por favor, este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Memória (desambiguação).
PortalA Wikipédia possui o
Portal de Psicologia
De acordo com estudos realizados na Universidade de Quioto publicados na revista "Current Biology", chimpanzés teriam melhor memória fotográfica que estudantes universitários[1]

A memória é a capacidade de adquirir, armazenar e recuperar (evocar) informações disponíveis, seja internamente, no cérebro (memória biológica[2]), seja externamente, em dispositivos artificiais (memória artificial). Também é o armazenamento de informações e fatos obtidos através de experiências ouvidas ou vividas. Focaliza coisas específicas, requer grande quantidade de energia mental e deteriora-se com a idade. É um processo que conecta pedaços de memória e conhecimentos a fim de gerar novas ideias, ajudando a tomar decisões diárias.

Os neurocientistas (psiquiatras, psicólogos e neurologistas) distinguem memória declarativa de memória não-declarativa. A memória declarativa, grosso modo, armazena o saber que algo se deu, e a memória não-declarativa o como isto se deu.

A memória declarativa, ou de curto prazo como o nome sugere, é aquela que pode ser declarada (fatos, nomes, acontecimentos, etc.) e é mais facilmente adquirida, mas também mais rapidamente esquecida. Para abranger os outros animais (que não falam e logo não declaram, mas obviamente lembram), essa memória também é chamada explícita. Memórias explicitas chegam ao nível consciente. Esse sistema de memória está associado com estruturas no lobo temporal medial (ex: hipocampo, amígdala).

Psicólogos distinguem dois tipos de memória declarativa, a memória episódica e a memória semântica. São instâncias da memória episódica as lembranças de acontecimentos específicos. São instâncias da memória semântica as lembranças de aspectos gerais.

Já a memória não-declarativa, também chamada de implícita ou procedural, inclui procedimentos motores (como andar de bicicleta, desenhar com precisão ou quando nos distraímos e vamos no "piloto automático" quando dirigimos). Essa memória depende dos gânglios basais (incluindo o corpo estriado) e não atinge o nível de consciência. Ela em geral requer mais tempo para ser adquirida, mas é bastante duradoura.

Memória, segundo diversos estudiosos, é a base do conhecimento. Como tal, deve ser trabalhada e estimulada. É através dela que damos significado ao cotidiano e acumulamos experiências para utilizar durante a vida.

História

Até meados do século XX, a maioria dos estudos sobre aprendizagem questionava que as funções da memória seriam localizadas em regiões cerebrais específicas, alguns chegando a duvidar de que a memória seria uma função distinta da atenção, da linguagem e da percepção. Acreditava-se que o armazenamento da memória seria distribuído por todo o cérebro.

A partir de 1861, Broca evidencia que lesões restritas à parte posterior do lobo frontal, no lado esquerdo do cérebro, chamada de área de Broca, causavam um defeito específico na função da linguagem. Após essa localização da função da linguagem, os neurocientistas tornaram a voltar-se para a hipótese de se localizar a memória.

Wilder Penfield foi o primeiro a conseguir demonstrar que os processos da memória têm localizações específicas no cérebro humano. Penfield havia estudado com o pioneiro em neurofisiologia, Charles Sherrington. Na década de 1940, Penfield começou a usar métodos de estimulação elétrica, idênticos aos usados por Sherrington em macacos, para mapear as funções motoras, sensoriais e da linguagem no córtex humano de pacientes submetidos à neurocirurgia, para tratamento de epilepsia. Penfield explorou a superfície cortical em mais de mil pacientes e verificou que a estimulação elétrica produzia o que ele chamou de resposta experiencial, ou retrospecção, na qual o paciente descrevia uma lembrança correspondente a uma experiência vivida.

Estudos em pacientes com lesão do lobo temporal (pioneiramente com o paciente H.M) revelaram dois modos particularmente diferentes de aprendizagem, diferença que os psicólogos cognitivistas avaliaram em estudos com sujeitos normais. O ser humano aprende o que é o mundo apreendendo conhecimento sobre pessoas e objetos, acessíveis à consciência, usando uma forma de memória que é em geral chamada de explícita, ou aprende como fazer coisas, adquirindo habilidades motoras ou perceptivas a que a consciência não tem acesso, usando para isto a memória implícita.

O Professor Antônio Branco Lefèvre é considerado o pai da neuropsicologia no Brasil. Lefèvre foi professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e suas pesquisa abrangeram a memória e a linguagem - a neuropsicologia - de crianças e adultos.

En otros idiomas
অসমীয়া: স্মৃতি শক্তি
Aymar aru: Amuyu
azərbaycanca: Yaddaş (psixologiya)
башҡортса: Хәтер
Boarisch: Gmiak
беларуская: Памяць
беларуская (тарашкевіца)‎: Памяць
български: Памет
বাংলা: স্মৃতি
čeština: Paměť
dansk: Hukommelse
Deutsch: Gedächtnis
Ελληνικά: Μνήμη
English: Memory
Esperanto: Memoro
eesti: Mälu
euskara: Oroimen
suomi: Muisti
Gaeilge: Cuimhne
galego: Memoria
Avañe'ẽ: Mandu'a
עברית: זיכרון
hrvatski: Pamćenje
magyar: Emlékezet
Հայերեն: Հիշողություն
interlingua: Memoria
Bahasa Indonesia: Ingatan
íslenska: Minni
italiano: Memoria
日本語: 記憶
ქართული: მეხსიერება
қазақша: Ес
ಕನ್ನಡ: ನೆನಪು
한국어: 기억
kurdî: Bîrkan
Кыргызча: Эс
Latina: Memoria
Lingua Franca Nova: Memoria
lietuvių: Atmintis
latviešu: Atmiņa
മലയാളം: ഓർമ്മ
मराठी: मेमरी
Bahasa Melayu: Ingatan
Mirandés: Mimória
မြန်မာဘာသာ: မှတ်ဉာဏ်
مازِرونی: حافظه
नेपाल भाषा: लुमन्ति
norsk: Hukommelse
Runa Simi: Yuyay
română: Memorie
русский: Память
sicilianu: Ricordiu
srpskohrvatski / српскохрватски: Pamćenje
Simple English: Memory
slovenščina: Spomin
shqip: Kujtesa
српски / srpski: Памћење
svenska: Minne
Kiswahili: Kumbukumbu
Tagalog: Alaala
Türkçe: Bellek
українська: Пам'ять
Tiếng Việt: Trí nhớ
Winaray: Memorya
ייִדיש: זכרון
中文: 記憶
Bân-lâm-gú: Kì-ek