Livro

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Livro (desambiguação).
Livros.
Exemplar do livro de Georg Büchmann, Geflügelte Worte, edição de 1898.
Arquitetura em forma de livro de um anexo da Biblioteca Nacional da Alemanha

Livro (do latim liber, um termo relacionado com a cortiça da árvore) é um objeto transportável, composto por páginas encadernadas, contendo texto manuscrito ou impresso e/ou imagens e que forma uma publicação unitária (ou foi concebido como tal) ou a parte principal de um trabalho literário, científico ou outro, formando um volume.

Em ciência da informação, o livro é chamado monografia, para distingui-lo de outros tipos de publicações como revistas, periódicos, teses, tesauros, etc.

O livro é um produto intelectual e, como tal, encerra conhecimento e expressões individuais ou coletivas. Mas também é nos dias de hoje um produto de consumo, um bem. Portanto, a parte final de sua produção é realizada por meios industriais ( impressão e distribuição). A tarefa de criar um conteúdo passível de ser transformado em livro é tarefa do autor. Já a produção dos livros, no que concerne a transformar os originais num produto comercializável, é tarefa do editor, em geral contratado por uma editora. A coleta, a organização e a indexação de coleções de livros, por outro lado, é típica do bibliotecário. Finalmente, destaca-se também o livreiro, cuja função principal é disponibilizar os livros editados ao público em geral, vendendo-os nas livrarias generalistas ou de especialidade. Compete também ao livreiro todo o trabalho de pesquisa que vá ao encontro da vontade dos leitores.

História

Ver artigo principal: História do livro

A história do livro é uma história de inovações técnicas que permitiram a melhora da conservação dos volumes e do acesso à informação, da facilidade em manuseá-lo e produzi-lo. Esta história está intimamente ligada às contingências político-econômicas e à história de ideias e religiões.

Antiguidade

Uma seção original do Livro dos Mortos egípcio, escrito em papiro.

Na Antiguidade surge a escrita, anteriormente ao texto e ao livro. A escrita consiste de código capaz de transmitir e conservar noções abstratas ou valores concretos, em resumo: palavras. É importante destacar aqui que o meio condiciona o signo, ou seja, a escrita foi em certo sentido orientada por esse tipo de suporte; não se esculpe em papel ou se escreve no mármore.

Os primeiros suportes utilizados para a escrita foram tabuletas de argila ou de pedra. A seguir veio o khartés (volumen para os romanos, forma pela qual ficou mais conhecido), que consistia em um cilindro de papiro, facilmente transportado. O "volumen" era desenrolado conforme ia sendo lido, e o texto era escrito em colunas na maioria das vezes (e não no sentido do eixo cilíndrico, como se acredita). Algumas vezes um mesmo cilindro continha várias obras, sendo chamado então de tomo. O comprimento total de um "volumen" era de c. 6 ou 7 metros, e quando enrolado seu diâmetro chegava a 6 centímetros.

O papiro consiste em uma parte da planta, que era liberada, livrada ( latim libere, livre) do restante da planta - daí surge a palavra liber libri, em latim, e posteriormente livro em português. Os fragmentos de papiros mais "recentes" são datados do século II a.C..

Aos poucos o papiro é substituído pelo pergaminho, excerto de couro bovino ou de outros animais. A vantagem do pergaminho é que ele se conserva mais ao longo do tempo. O nome pergaminho deriva de Pérgamo, cidade da Ásia menor onde teria sido inventado e onde era muito usado. O "volumen" também foi substituído pelo códex, que era uma compilação de páginas, não mais um rolo. O códex surgiu entre os gregos como forma de codificar as leis, mas foi aperfeiçoado pelos romanos nos primeiros anos da Era Cristã. O uso do formato códice (ou códice) e do pergaminho era complementar, pois era muito mais fácil costurar códices de pergaminho do que de papiro.

Uma consequência fundamental do códice é que ele faz com que se comece a pensar no livro como objeto, identificando definitivamente a obra com o livro.

Uma antiga bíblia cristã feita em códex.

A consolidação do códex acontece em Roma, como já citado. Em Roma a leitura ocorria tanto em público (para a plebe), evento chamado recitatio, como em particular, para os ricos. Além disso, é muito provável que em Roma tenha surgido pela primeira vez a leitura por lazer (voluptas), desvinculada do senso prático que a caracterizara até então. Os livros eram adquiridos em livrarias. Assim aparece também a figura do editor, com Atticus, homem de grande senso mercantil. Algumas obras eram encomendadas pelos governantes, como a Eneida, encomendada a Virgílio por Augusto.

Acredita-se que o sucesso da religião cristã se deve em grande parte ao surgimento do códice, pois a partir de então tornou-se mais fácil distribuir informações em forma escrita.

Idade Média

Na idade Média o livro sofre um pouco, na Europa, as consequências do excessivo fervor religioso, e passa a ser considerado em si como um objeto de salvação. A característica mais marcante da Idade Média é o surgimento dos monges copistas, homens dedicados em período integral a reproduzir as obras, herdeiros dos escribas egípcios ou dos libraii romanos. Nos mosteiros era conservada a cultura da Antiguidade. Apareceram nessa época os textos didáticos, destinados à formação dos religiosos.

O livro continua sua evolução com o aparecimento de margens e páginas em branco. Também surge a pontuação no texto, bem como o uso de letras maiúsculas. Também aparecem índices, sumários e resumos, e na categoria de gêneros, além do didático, aparecem os florilégios (coletâneas de vários autores), os textos auxiliares e os textos eróticos. Progressivamente aparecem livros em língua vernácula, rompendo com o monopólio do latim na literatura. O papel passa a substituir o pergaminho.

Mas a invenção mais importante, já no limite da Idade Média, foi a impressão, no século XIV. Consistia originalmente da gravação em blocos de madeira do conteúdo de cada página do livro; os blocos eram mergulhados em tinta, e o conteúdo transferido para o papel, produzindo várias cópias. Foi em 1405 surgia na China, por meio de Pi Sheng, a máquina impressora de tipos móveis, mas a tecnologia que provocaria uma revolução cultural moderna foi desenvolvida por Johannes Gutenberg. [1]

A Epopeia de Gilgamesh é o livro mais antigo conhecido. [2]

Idade Moderna

No Ocidente, em 1455, Johannes Gutenberg inventa a imprensa com tipos móveis reutilizáveis, o primeiro livro impresso nessa técnica foi a Bíblia em latim. [3] [4] Houve certa resistência por parte dos copistas, pois a impressora punha em causa a sua ocupação. Mas com a impressora de tipos móveis, o livro popularizou-se definitivamente, tornando-se mais acessível pela redução enorme dos custos da produção em série.

Com o surgimento da imprensa desenvolveu-se a técnica da tipografia, da qual dependia a confiabilidade do texto e a capacidade do mesmo para atingir um grande público. As necessidades do tipo móvel exigiram um novo desenho de letras; caligrafias antigas, como a Carolíngea, estavam destinadas ao ostracismo, pois seu excesso de detalhes e fios delgados era impraticável, tecnicamente.

Uma das figuras mais importantes do início da tipografia é o italiano Aldus Manutius. Ele foi importante no processo de maturidade do projeto tipográfico, o que hoje chamaríamos de design gráfico ou editorial. [5] A maturidade desta nova técnica levou, entretanto, cerca de um século.

En otros idiomas
Afrikaans: Boek
Alemannisch: Buch
aragonés: Libro
العربية: كتاب
مصرى: كتاب
asturianu: Llibru
Atikamekw: Masinahikan
Aymar aru: Panka
azərbaycanca: Kitab
تۆرکجه: کیتاب
башҡортса: Китап
Boarisch: Buach
žemaitėška: Kninga
беларуская: Кніга
беларуская (тарашкевіца)‎: Кніга
български: Книга
भोजपुरी: किताब
bamanankan: Gafɛ
বাংলা: বই
brezhoneg: Levr
bosanski: Knjiga
буряад: Ном (бэшэг)
català: Llibre
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Cṳ̆
нохчийн: Жайна
ᏣᎳᎩ: ᎪᏪᎵ
کوردی: کتێب
čeština: Kniha
Чӑвашла: Кĕнеке
Cymraeg: Llyfr
dansk: Bog
Deutsch: Buch
Zazaki: Kıtabi
डोटेली: पुस्तक
Ελληνικά: Βιβλίο
English: Book
Esperanto: Libro
español: Libro
eesti: Raamat
euskara: Liburu
فارسی: کتاب
suomi: Kirja
français: Livre (document)
Gaeilge: Leabhar
贛語:
Gàidhlig: Leabhar
galego: Libro
Avañe'ẽ: Kuatiañe'ẽ
Gaelg: Lioar
客家語/Hak-kâ-ngî: Si
עברית: ספר
हिन्दी: पुस्तक
hrvatski: Knjiga
Kreyòl ayisyen: Liv (pou li)
magyar: Könyv
Հայերեն: Գիրք
interlingua: Libro
Bahasa Indonesia: Buku
Interlingue: Libre
Ilokano: Libro
Ido: Libro
íslenska: Bók
italiano: Libro
ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut: ᕿᒥᕐᕈᐊᑦ/qimirruat
日本語:
Patois: Buk
Basa Jawa: Buku
ქართული: წიგნი
Taqbaylit: Adlis
Kabɩyɛ: Takayaɣ
қазақша: Кітап
한국어:
Ripoarisch: Boch (z lääse)
Kurdî: Pirtûk
коми: Небӧг
Кыргызча: Китеп
Latina: Liber
Ladino: Livro
Lëtzebuergesch: Buch
лезги: Улуб
Limburgs: Book
lumbaart: Liber
lingála: Búku
ລາວ: ປຶ້ມ
lietuvių: Knyga
latviešu: Grāmata
Malagasy: Boky
олык марий: Книга
македонски: Книга
മലയാളം: പുസ്തകം
монгол: Ном
मराठी: पुस्तक
Bahasa Melayu: Buku
Mirandés: Libro
မြန်မာဘာသာ: စာအုပ်
Nāhuatl: Amoxtli
Napulitano: Libbro
Plattdüütsch: Book
Nedersaksies: Boek (literetuur)
नेपाली: पुस्तक
नेपाल भाषा: सफू
Nederlands: Boek (document)
norsk nynorsk: Bok
norsk: Bok
occitan: Libre
Livvinkarjala: Kirju
Ирон: Чиныг
ਪੰਜਾਬੀ: ਕਿਤਾਬ
Deitsch: Buch
पालि: पोत्थकं
polski: Książka
پنجابی: کتاب
Runa Simi: Patara qhilqa
română: Carte
armãneashti: Carti
русский: Книга
русиньскый: Книга
Kinyarwanda: Igitabo
саха тыла: Кинигэ
sicilianu: Libbru
Scots: Beuk
سنڌي: ڪتاب
srpskohrvatski / српскохрватски: Knjiga
සිංහල: පොත
Simple English: Book
slovenčina: Kniha
slovenščina: Knjiga
chiShona: Bhuku
Soomaaliga: Buug
shqip: Libri
српски / srpski: Књига
SiSwati: Íncwadzí
Basa Sunda: Buku
svenska: Bok
Kiswahili: Kitabu
తెలుగు: పుస్తకము
тоҷикӣ: Китоб
Türkmençe: Kitap
Tagalog: Aklat
Setswana: Buka
Tok Pisin: Buk
Türkçe: Kitap
татарча/tatarça: Китап
тыва дыл: Ном
українська: Книга
اردو: کتاب
oʻzbekcha/ўзбекча: Kitob
vepsän kel’: Kirj
Tiếng Việt: Sách
Winaray: Libro
isiXhosa: Incwadi
ייִדיש: בוך
Yorùbá: Ìwé
中文: 图书
Bân-lâm-gú: Chheh
粵語:
isiZulu: Incwadi