Línguas sorábias

Línguas sorábias
Falado em: Alemanha
Total de falantes: 60.000 a 150.000
Família: Indo-europeia
  Balto-eslava
   Eslava
    Eslava ocidental
    Línguas sorábias
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: wen
Região onde se fala sorábio.

As línguas sorábias (também ditas sórbias, lusacianas ou ainda lusácias) são um grupo de idiomas da família indo-européia que pertencem ao grupo eslavo, frequentemente agrupados sob a denominação sorábio ou sórbio. Faladas pelos antigos eslavos do rio Elba estabelecidos no leste da Alemanha no século VI, as línguas sorábias ainda são faladas hoje em dia na Lusácia, província histórica situada nos atuais estados ( Länder) da Saxônia e de Brandemburgo, por pelo menos 60.000 pessoas ( sorábios). O grupo se divide em duas línguas distintas, o Alto sorábio e o Baixo sorábio.

História

Os textos mais antigos existentes em sorábio são do século XVI, mesmo havendo evidências fragmentadas de séculos anteriores na forma de palavras, frases e sentenças curtas em documentos latinos e alemães. Um desses documentos é a “Crônica” do bispo Dietmar de Merseburgo, escrita em 1012- 1018. O primeiro texto sorábio é o “Juramento dos cidadãos de Bautzen” ( 1532), documento onde os cidadãos de Bautzen/Budyšin juravam lealdade ao rei e às autoridades locais.

O primeiro livro em sorábio é um catecismo e hinário em baixo sorábio de 1574; em alto sorábio o primeiro livro impresso é também outro catecismo traduzido e publicado em 1595. Um manuscrito do Novo Testamento traduzido do alemão para o sorábio por Mikławš Jakubica em 1548, está no dialeto que se falou a leste do rio Neisse (Nysa em polonês), na vizinha Sorau (Żary em polonês).

Durante o século XVII aparecem três gramáticas sorábias mas apenas uma foi impressa; tratava-se da Principia linguae wendicae quam aliqui wandalican vocant de Jacobus Xaverius Ticinus, baseada no dialeto setentrional de Wittichenau/Kulow. Mas a principal esfera de atividade literária da língua antes do século XIX foram as igrejas, no que a tradução da Bíblia teve um papel determinante em seu desenvolvimento.

A impressão da Bíblia em alto sorábio pelos luteranos começa com a aparição em 1670 da tradução impressa dos Evangelhos de Mateus e Marcos por Michał Frencel, ao que se seguiu a impressão de todo o Novo Testamento em 1706, um ano após a morte de Frencel. Frencel escreveu no dialeto de Bautzen/Budyšin, um sub-dialeto falado ao sul desta cidade. Em 1703 os Estados da Alta Lusácia estabeleceram um comitê para traduzir a Bíblia usando uma variante literária amplamente baseada na região de Bautzen/Budyšin. Esta tradução foi publicada em 1728 e estabeleceu esta variante da língua como a normativa para os luteranos. Sucessos de similar importância foram as publicações em baixo sórbio da tradução do Novo Testamento de Gottlieb Fabricius e da do Antigo Testamento feita por Friedrich Fryco, de 1796 em Cottbus/Chośebuz. Essas traduções estabeleceram o dialeto de Cottbus como a base da língua literária em baixo sorábio.

A língua normativa alto sorábio para os católicos durante o século XVII estava baseada no dialeto de Wittichenau/Kulow. A especial influência desta pequena cidade, situada a 7 km ao sul de Hoyerswerda/Wojerecy, deve-se provavelmente ao fato de que possuía uma escola de gramática da qual podiam sair clérigos influentes. Nessa cidade nasceu Jurij Hawštyn Swětlik ( 1650- 1729), que entre 1688 e 1707 traduziu toda a Vulgata para a língua literária baseada neste mesmo dialeto, mesmo nunca tendo sido publicada. Não obstante, como resultado deste trabalho, publicou-se seu Vocabularium Latino-Serbicum (Bautzen, 1721), o primeiro dicionário sórbio. Em meados do século XVIII os católicos sorábios de Crostwitz/Chrósćicy passaram a ter uma forte influência nos círculos governantes da hierarquia católica e a língua literária para os católicos pode-se estabelecer a partir de 1750 baseada no dialeto de Crostwitz/Chrósćicy.

A língua sorábia não possui limites precisos e definidos, nem naturais nem de outra categoria. No século X a população de língua sórbia se fixou na região entre os rios Saale (a oeste) e Bober e Queis (a leste); no norte se estendia desde onde hoje estão Berlim e Frankfurt; no sul estava limitada por Erzgebirge e Lausitzer Gebirge. As línguas vizinhas eram o polábio ao norte, o polonês a leste, o tcheco ao sul e o alemão a oeste. Portanto, o sórbio era falado numa região que se estendia a leste desde o rio Neisse no que hoje é território polonês e incluia, a oeste, as terras onde posteriormente apareceram as cidades de Halle, Leipzig/Lipsk, Zwickau e Chemnitz/Kamjenica.

No decorrer dos séculos posteriores o território de línguas sorábias se contraiu progressivamente até chegar, no século XIX, a cerca de 80 km a sudeste de Berlim.[ carece de fontes?] O limite meridional está a menos de 8 km da República Tcheca.[ carece de fontes?] A população rural, desde o princípio do século XX foi predominantemente falante de sórbio, enquanto as cidades principais da região (Bautzen/Budyšin, Hoyerswerda/Wojerecy, Cottbus/Chośebuz, Senftenberg/Zły Komorow e Spremberg/Grodk) foram sempre de língua alemã desde que foram fundadas na Idade Média.[ carece de fontes?]

A região habitada pelos sorábios constituiu antigamente os margrávios (províncias fronteiriças) da Alta Lusácia e Baixa Lusácia, sendo por isso o sorábio também conhecido como lusaciano. Em alemão o termo mais comum até a Segunda Guerra Mundial foi wendisch, mas sorbisch também se usou. Após a guerra apenas a forma sorbisch foi usada oficialmente e agora é dominante, enquanto o termo wendisch foi resgatado na Baixa Lusácia a partir de 1991. O adjetivo equivalente tanto no alto quanto no baixo sorábio é serbski.

Muito antes do século XIX a região falante de sorábio havia se convertido numa ilha rodeada de falantes de alemão e isolada do tcheco e do polonês. Desse século em diante a população falante de sórbio tem sido progressivamente diluída pela imigração alemã, pela emigração sórbia e a tendência dos sórbios de preferir o alemão ao sorábio. Atualmente a região é de língua predominantemente alemã, o que não quer dizer que o sorábio esteja morrendo; há um enclave geográfico formado por 40 localidades a noroeste de Bautzen/Budyšin que são principalmente católicos e que formam uma comunidade fechada falante de sorábio. Este é o núcleo de uma população esparsa de sorábios por toda a Lusácia.

En otros idiomas
Afrikaans: Sorbies
aragonés: Idioma sorabo
العربية: لغات صوربية
asturianu: Sorbiu
azərbaycanca: Sorb dilləri
žemaitėška: Suorbu kalba
беларуская: Лужыцкія мовы
беларуская (тарашкевіца)‎: Лужыцкія мовы
български: Лужишки езици
brezhoneg: Sorabeg
català: Sòrab
Cymraeg: Sorbeg
dolnoserbski: Serbšćina
Esperanto: Soraba lingvo
español: Lenguas sorabas
suomi: Sorbi
français: Sorabe
Nordfriisk: Sorbisch
Frysk: Sorbysk
Gaeilge: An tSoirbis
Gàidhlig: Sòrbais
hornjoserbsce: Serbšćina
magyar: Szorb nyelv
Հայերեն: Լուժիկերեն
Bahasa Indonesia: Bahasa Sorbia
italiano: Lingue sorabe
日本語: ソルブ語
Basa Jawa: Basa Sorbia
ქართული: სორბული ენა
한국어: 소르브어
Limburgs: Sorbisch
lietuvių: Sorbų kalbos
latviešu: Sorbu valodas
македонски: Лужички јазици
монгол: Сорб хэл
Plattdüütsch: Sorbsche Spraken
Nederlands: Sorbisch
norsk nynorsk: Sorbiske språk
norsk: Sorbisk
occitan: Sorab
română: Limbi sorabe
davvisámegiella: Sorbigiella
srpskohrvatski / српскохрватски: Lužičkosrpski jezik
Simple English: Sorbian languages
slovenčina: Lužické jazyky
slovenščina: Lužiščina
Seeltersk: Sorbisk
svenska: Sorbiska
Türkçe: Sorbca
українська: Лужицькі мови
vèneto: Lengue sorabe
Tiếng Việt: Nhóm ngôn ngữ Sorb
მარგალური: სორბული ნინეფი
ייִדיש: סארביש
中文: 索布语
文言: 索布語
粵語: 索布文