Jorge Eliécer Gaitán

Jorge Eliecer Gaitán (23 de janeiro de 1898 - 9 de abril de 1948) político e advogado colombiano, prefeito, ministro e candidato popular do Partido Liberal à Presidência da República para o periodo 1950-1954, com altas probabilidades de ser eleito nas eleições de 1949 devido a seu grande apoio popular, em particular da classe média e baixa. Seu assassinato em Bogotá provocou enormes protestos como El Bogotazo, e posteriormente, a Violencia se entendeu em boa parte do país.

Vida e obra

Seu lugar de origem é controverso. Há quem diz que nasceu em Bogotá, no bairro "Las cruces" em 1898, apesar de normalmente, o município de Manta (Cudinamarca) se sinalizar seu verdadeiro lugar de origem.

Em 1920, começou seus estudos na Faculdade de Direito e Ciências Políticas da Universidade Nacional da Colômbia da qual obteve o seu título de advogado em 1924 com a tese: "As idéias socialistas na Colômbia". Dois anos depois, com apoio familiar se dirigiu a Itália e ingressou à Real Universidade de Roma, onde obteve o título de doutor em jurisprudência nos anos 1926-28 com a tese: "o criterio positivo da premeditação" que lhe significou a menção acadêmica magna cum laude.

Depois de regressar à Colômbia em 1928, foi eleito representante da Câmara, desde onde denunciou o Massacre das Bananeiras. Em 1931, eleito presidente da Câmara dos Representantes, exerceu também como docente da cátedra de Direito Penal nas Universidade Nacional e Libre, sendo nomeado reitor desta última.

Sua postura contra o monopólio da terra, lhe garantiu um amplo apoio do campesinato. Em 1933 fundou a Unión Nacional Izquierdista Revolucionaria (UNIR) e seu órgão jornalístico El Unirismo, que pouco tempo depois dissolveu para se filiar ao Partido Liberal planejou a necessidade de uma reforma agrária.

Prefeito de Bogotá em 1936 realizou importantes reformas sociais; promoveu a municipalização dos serviços públicos, tratou de estabelecer os restaurantes escolares; ademais disto, teve um grave conflito com os condutores de taxis por tratar de uniforma-los.

Em 1940, foi nomeado ministro da Educação, realizando uma ambiciosa campanha de alfabetização; implantou o sapato escolar gratuito, os restaurantes escolares, o cine educativo ambulante e a extensão cultural massiva.

Nos anos seguintes, Gaitán continuou sua intensa vida pública como jurista, político e caudilho. Sua ação política se dirigiu contra os interesses das oligarquias e pela restauração moral da república.