João Filopono

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filósofo do século VI chamado de "João, o Gramático". Para o patriarca de Constantinopla do século IX também chamado assim, veja João VII Gramático.
João Filopono
Nome nativoἸωάννης ὁ Φιλόπονος
Nascimento490
Alexandria
Morte570 (80 anos)
CidadaniaImpério Bizantino
Ocupaçãofilósofo, teólogo, cientista, físico

João Filopono de Alexandria (em latim: Joannes Philoponus; c. 490 – c. 570[1]) foi um filósofo neoplatônico cristão bizantino e patrístico grego que fez parte da Biblioteca de Alexandria no período conhecido como "pós-nissênico" da Escola Neoplatônica de Alexandria, no Egito. Nascido por volta de 490, foi aluno e professor na Academia de Alexandria considerado o mais importante físico de sua época por suas obras baseadas na Física de Aristóteles e suas pesquisas sobre o "impetus", sobre o astrolábio, sugeriu o princípio da inércia e afirmou que um corpo em queda livre não desenvolve velocidade proporcional ao seu peso. Foi também professor de gramatica pelo que também ficou conhecido como João, o Gramático (Joannes Grammaticus) Mas ficou mais conhecido por ter rejeitado diversas das teorias físicas defendidas por Aristóteles, uma exceção para os neoplatônicos da época. Teve forte influência sobre os filósofos e cientistas muçulmanos de sua época, como Al Fahabi, ibn Hunayn, e outros. No final de sua vida converteu-se ao cristianismo. Mas tornou-se mais influente depois de morto e, traduzido no século XIII para o latim, influenciou o pensamento de Tomás de Aquino. Faleceu por volta de 570 em Alexandria.

Escreveu diversas obras em grego que ficaram conhecidas por suas várias traduções do Latin e algumas traduzidas do árabe como:

  • De opificio mundi, (sobre o astrolábio)
  • De aeternitate mundi contra Proclum
  • In cathegoria
  • In Analítica priora
  • In Analitica posteriora
  • In primos quatuor Aristotelis de naturali auscultatione
  • In librum primum Metereorum
  • In libros tres De anima
  • In libros duos De Generatione et interitu
  • In libros XIV Metaphysicorum e 
  • In Physicorum libros.(comentarios à Fisica de Aristóteles)

Comentários à Física e Cosmologia de Aristóteles

Embora de espírito platônico, dedicou-se mais a Aristóteles que os demais cristãos de sua época. FIlopono é considerado o maior crítico de sua época das idéias aristotélicas, basicamente as leis aristotélicas do movimento e a impossibilidade do infinito, da eternidade e do vazio.

Seu trabalho científico considerado mais importante foi uma crítica em relação à doutrina aristotélica da "antiperistasis", isto é a noção de que no movimento de um projétil o ar a sua frente passa para trás e empurra o projétil para frente. Utilizou argumentos teóricos e experimentais para concluir que o meio só pode resistir ao movimento, nunca sustentá-lo. E enunciou que seria preciso admitir que alguma força motora incorpórea que era conferida pelo lançador ao projétil. E concluiu que tal movimento perduraria no vazio.

Com relação à queda dos corpos no ar, verificou experimentalmente que os tempos de queda não são proporcionais aos pesos,conforme anunciara Aristóteles, mas que são praticamente iguais. Atacou também a separação entre o mundo sublunar e o lunar[2]

En otros idiomas
العربية: يوحنا النحوي
azərbaycanca: İoann Filoponus
български: Йоан Филопон
català: Joan Filopò
čeština: Jan Filoponos
Esperanto: Johano Filopono
español: Juan Filópono
français: Jean Philopon
polski: Jan Filopon
română: Ioan Filopon
srpskohrvatski / српскохрватски: Jovan Filopon
slovenčina: Ján Filoponos
slovenščina: Janez Filopon
українська: Іоанн Філопон
Tiếng Việt: Joannes Philoponus