Hussitas

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Bandeira hussita

O termo hussita ou Igreja hussita e (ou talvez ussiti) define a um movimento reformador e revolucionário que surgiu na Boêmia, no século XV. O nome vem do teólogo boêmio Jan Hus (1372-1452). O movimento mais tarde se juntou a Reforma Protestante.

No Concílio de Constança, em 1415, as ideias de Jan Hus foram condenadas.[1] Hus manteve uma posição muito crítica perante ao poder eclesiástico, posições muito próximas às de John Wyclif e os valdenses, opiniões que influenciaram Martinho Lutero.

Os hussitas foram divididos em dois grupos: os moderados utraquistas e os radicais taboritas (da cidade de Tábor no sul da Boêmia). Em 1420, após a morte do rei Venceslau, chegou-se ao acordo sobre um programa comum: os Artigos de Praga, que exigiam ao poder real o reconhecimento de:

  • Comunhão sob as duas espécies (os comungantes deveriam comer a hóstia e beber vinho)
  • A liberdade de pregação
  • A pobreza da Igreja
  • A punição dos pecados mortais sem distinção da posição de nascimento do pecador

O rei Sigismundo da Hungria, irmão de Venceslau, se recusou a aceitar suas exigências, de modo que os Taboritas se revoltaram causando as Guerras Hussitas (1419-1436). Conduzidas pelo seu líder e Jan Žižka e Procópio, o Grande, lutaram e conseguiram as vitórias de Zizkov (1420), Pankrac (1420), Kutna Hora (1422), Usti (1426) e Tachov (1427). O taboritas foram derrotados em Lipany em 1434 pelos moderados, que se aliaram com os católicos. Após o Concílio de Basileia e as conversações de Praga foram aceitas as Compactata (30 de novembro de 1436).

Em meados do século XV, após a morte do jovem rei Ladislau, o Póstumo da Hungria e Boêmia, em 1457, o regente Jorge de Poděbrady de inclinações hussitas se coroou como o rei dos tchecos e enganou os bispos da Hungria, a quem havia prometido converter-se para o catolicismo. Após isso, o Papa Paulo II apelou a uma cruzada contra os hereges hussitas e o rei Matias Corvino da Hungria respondeu enviando seus exércitos contra Podiebrad. Assim, em 1468 os exércitos húngaros, liderado por Blas Magyar e sob o comando de guerreiros como Paulo Kinizsi atacaram a Boêmia, mas finalmente só conseguiu conquistar os territórios da Morávia e Silésia para o rei Matias. Em 1469, as forças do rei húngaro forçaram o rei checo a renunciar seu trono, após o qual, imediatamente Matthias fez-se coroar como rei da Boêmia em 3 de maio daquele ano. Podiebrad sugeriu aos nobres checos que escolhessem Vladislav Jagiello, o filho do rei da Polônia como seu sucessor, em vez do húngaro, mas isso não aconteceu. Com a morte do único rei hussita, Podiebrad em 1471, finalmente acabou a "ameaça" para a Boêmia e seus sucessores serão todos católicos.

A maioria dos hussitas da Boêmia foram influenciados, no século XVI, por Lutero. Os taboritas mais ardentes entraram na Igreja Morava.

En otros idiomas
Afrikaans: Hussiete
aragonés: Husitas
العربية: هوسيون
Boarisch: Hussitn
беларуская: Гусіты
български: Хуситство
català: Hussites
čeština: Husitství
Deutsch: Hussiten
Ελληνικά: Χουσίτες
English: Hussites
Esperanto: Husanoj
español: Husitas
eesti: Hussiidid
euskara: Hustar
فارسی: هوسی‌ها
français: Église hussite
Gàidhlig: Husachd
hrvatski: Husiti
magyar: Husziták
Bahasa Indonesia: Husite
italiano: Hussiti
日本語: フス派
ქართული: ჰუსიტები
한국어: 후스파
lietuvių: Husitai
latviešu: Husīti
Nederlands: Hussieten
norsk: Husittene
polski: Husytyzm
русский: Гуситы
Scots: Hussites
srpskohrvatski / српскохрватски: Husiti
slovenčina: Husitstvo
српски / srpski: Хусити
svenska: Husiter
українська: Гуситський рух
Tiếng Việt: Hussite
中文: 胡斯派