Homo


Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo
Ocorrência: 2.4–0 Ma

Plioceno–presente

Reconstrução do Homo erectus georgicus (Élisabeth Daynès, Musée de Préhistoire, Quinson, França)
Reconstrução do Homo erectus georgicus (Élisabeth Daynès, Musée de Préhistoire, Quinson, França)
Classificação científica
Reino:Animalia
Filo:Chordata
Classe:Mammalia
Ordem:Primates
Subordem:Haplorrhini
Infraordem:Simiiformes
Parvordem:Catarrhini
Superfamília:Hominoidea
Família:Hominidae
Subfamília:Homininae
Género:Homo
Espécies

Homo é o gênero que inclui automaticamente os humanos modernos (Homo sapiens sapiens) e espécies estreitamente relacionadas com eles. Estima-se que o gênero tenha se iniciado há cerca de 2,5-3,2 milhões de anos,[1][2][3][4] evoluindo de ancestrais australopitecíneos com o surgimento do Homo habilis. O H. habilis, especificamente, é considerado descendente direto do Australopithecus garhi, que viveu cerca de 2,5 milhões de anos atrás. Ainda, em maio de 2010, o Homo gautengensis foi descoberto, uma espécie que acredita-se ser ainda mais antiga que o H. habilis.[5] Mais recentes descobertas fósseis na mesma região, incluindo as icónicas pegadas Laetoli da Tanzânia, de 3,7 milhões de anos, que mostram pés semelhantes a humanos e locomoção vertical, cimentaram a idéia de que os homininis (primeiros membros da linhagem humana) não só se originaram na África,[6] mas permaneceram isolados por vários milhões de anos antes de se dispersarem para a Europa e Ásia.[7] A descoberta de pegadas humanas em Creta de aproximadamente 5,7 milhões de anos, publicada em 2017,[8] derruba essa imagem simples e sugere uma realidade mais complexa.[9]

O mais saliente desenvolvimento fisiológico entre as duas espécies é o aumento da capacidade encefálica (ou craniana), de cerca de 450 cm³ no A. garhi para 600 cm³ no H. habilis. Dentro do gênero Homo, a capacidade craniana novamente foi duplicada entre o H. habilis e o Homo ergaster, ou através do H. erectus ao Homo heidelbergensis, de 0,6 milhões de anos atrás. A capacidade craniana do H. heidelbergensis sobrepôs-se com a variação encontrada nos humanos modernos. Acreditava-se que o advento do gênero Homo tinha coincidido com a primeira evidência do uso ferramentas de pedra (a indústria Olduvaiense) e assim, por definição, com o início do período Paleolítico Inferior. No entanto, uma recente evidência encontrada na Etiópia indicou que a primeira vez que houve a utilização de ferramentas de pedra ocorreu há 3,39 milhões de anos.[10] O surgimento do gênero Homo coincide aproximadamente com o início da glaciação do Quaternário, o início da era do gelo atual.

Todas as espécies desse gênero, exceto o Homo sapiens (os humanos modernos) estão extintas. O Homo neanderthalensis, tradicionalmente considerado o último parente humano vivo, extinguiu-se há cerca de 24 mil anos. No entanto, uma recente descoberta sugere que uma outra espécie, o Homo floresiensis, descoberto em 2003, pode ter vivido tão recentemente como há 12 mil anos. Os outros Homininae sobreviventes — os chimpanzés e gorilas — têm um alcance geográfico limitado. Em contraste, a evolução dos seres humanos é uma história de migrações e miscigenações. De acordo com estudos genéticos, os humanos modernos foram criados a partir de "pelo menos dois grupos" de seres humanos antigos: os Neandertais e os Denisovanos.[11] Os seres humanos deixaram a África várias vezes para ocupar a Eurásia e, finalmente, Américas, Oceania e o resto do mundo.

Etimologia

Nas ciências biológicas, em particular na antropologia e na paleontologia, o nome comum para todos os membros do gênero Homo é "humano".

A palavra homo é latina, no sentido original de "ser humano", ou "homem" (no sentido de gênero-neutro). A palavra "humano" em si vem do latim humanus, um cognato adjetivo para homo, que acredita-se ter sido derivada de uma palavra proto-indo-européia para "terra", reconstruída como *dhǵhem-.[12]

O nome binominal Homo sapiens é atribuído a Carl Linnaeus (1758).[13]

Nomes de outras espécies começaram a ser cunhados na segunda metade do século XIX (H. neanderthalensis - 1864, H. erectus - 1892).

En otros idiomas
Afrikaans: Homo
Alemannisch: Homo
العربية: هومو (جنس)
asturianu: Homo
azərbaycanca: İnsan (cins)
български: Хора
brezhoneg: Homo
bosanski: Homo (rod)
català: Homo
čeština: Člověk
Cymraeg: Homo
Deutsch: Homo
Zazaki: Homo
Ελληνικά: Homo
English: Homo
Esperanto: Homo (genro)
español: Homo
euskara: Homo
suomi: Ihmiset
français: Homo
Gaeilge: Homo
galego: Homo
עברית: אדם (סוג)
हिन्दी: होमो
hrvatski: Homo (rod)
Kreyòl ayisyen: Lòm
interlingua: Homo (taxon)
Bahasa Indonesia: Homo (genus)
íslenska: Frummaður
italiano: Homo
ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut: ᐃᓄᒃ
日本語: ヒト属
한국어: 사람속
Latina: Homo (genus)
lietuvių: Žmonės
latviešu: Cilvēki
македонски: Човек (род)
മലയാളം: ഹോമോ
Bahasa Melayu: Homo
Plattdüütsch: Homo
Nederlands: Homo (geslacht)
norsk nynorsk: Homo
occitan: Homo
polski: Homo
پنجابی: مانس
română: Homo
armãneashti: Homo
русский: Люди (род)
русиньскый: Чоловік
Scots: Bodie
srpskohrvatski / српскохрватски: Homo
Simple English: Homo
slovenčina: Človek (Homo)
српски / srpski: Човек (род)
svenska: Människor
Kiswahili: Homo
ไทย: โฮโม
Tagalog: Homo
Türkçe: Homo
українська: Людина (рід)
Tiếng Việt: Chi Người
Winaray: Homo (genus)
Yorùbá: Homo
中文: 人属
粵語: 人屬