História do Botafogo de Futebol e Regatas

Disambig grey.svg Nota: Se procura o artigo principal do clube, veja Botafogo de Futebol e Regatas.
Vista aérea atual do bairro de Botafogo, onde fica a sede do clube.

A história do Botafogo de Futebol e Regatas começa em 1891, data da fundação do Grupo de Regatas Botafogo na cidade do Rio de Janeiro. Três anos depois, o grupo se transformou em Club de Regatas Botafogo e, em 1904, surgiu o Botafogo Football Club. Após 38 anos com as duas agremiações existindo em paralelo, a fusão entre os dois clubes criou o Botafogo de Futebol e Regatas, atualmente uma das entidades esportivas mais populares do Brasil.[1][2][3]

Conhecido pela estrela de cinco pontas em seu distintivo, que lhe dá a alcunha de clube da Estrela Solitária, o Botafogo tem como suas cores oficiais o preto e o branco. Desde 2007, manda seus jogos de futebol no Estádio Nilton Santos, antes chamado de Engenhão. Seus principais rivais são o Flamengo, o Fluminense e o Vasco da Gama.[4][5][6]

Foi indicado pela FIFA ao seleto grupo dos maiores clubes do século XX.[7][8] Dentre seus principais títulos estão: vinte e um Campeonatos Cariocas, quatro Torneios Rio-São Paulo, dois Campeonatos Brasileiros e uma Copa Conmebol (precursora da atual Copa Sul-Americana).[9][10][11][12]

Além disso, o clube detém alguns dos principais recordes do futebol brasileiro, como o de maior número de partidas de invencibilidade: 52 jogos entre os anos de 1977 e 1978;[13][14] o recorde de partidas invictas em jogos do Campeonato Brasileiro: 42, também entre 1977 e 1978;[15][16] o maior número de participações de jogadores em partidas totais da Seleção Brasileira (considerando jogos oficiais e não oficiais): 1100 participações;[17] e o maior número de jogadores cedidos à Seleção Brasileira para Copas do Mundo.[18] O clube ainda é o responsável pela maior vitória já registrada no futebol brasileiro: 24–0 sobre o Sport Club Mangueira no Campeonato Carioca de 1909.[19]

Surgimento

Antecessores

Primeira sede do Club de Regatas Botafogo.

A história do Botafogo remete ao século XIX, mais precisamente 1891, quando membros egressos do Clube Guanabarense, criado em 1874, criaram o Grupo de Regatas Botafogo, tendo como um de seus fundadores o remador Luiz Caldas, conhecido como Almirante. Logo após o falecimento de Caldas, o grupo foi regulamentado como Club de Regatas Botafogo.[20] O clube tinha como sede um casarão, atualmente demolido, no sul da praia de Botafogo, encostado ao Morro do Pasmado, onde hoje termina a avenida Pasteur.[1]

No dia 12 de agosto de 1904, paralelamente ao clube de regatas, surgia também no bairro de Botafogo um novo time de futebol, o Electro Club, criado por iniciativa de Flávio Ramos e Emmanuel Sodré, dois jovens entre 14 e 15 anos que estudavam juntos no Colégio Alfredo Gomes.[1] Pouco mais de um mês depois, o nome da agremiação foi alterado para Botafogo Football Club, por sugestão da avó materna de Flávio, conhecida como Dona Chiquitota.[1][21]

Botafogo de Futebol e Regatas

Nascido da união entre o Club de Regatas Botafogo e o Botafogo Football Club, o Botafogo de Futebol e Regatas foi fundado oficialmente no dia 8 de dezembro de 1942, dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, padroeira do clube.[22][23] A fusão entre as duas agremiações já era estudada desde 1931, mas durante muitos anos foi combatida porque pessoas ligadas aos dois clubes, como o historiador Antônio Mendes de Oliveira Castro, do remo, e João Saldanha, do futebol, garantiam que o Regatas estava "infiltrado de torcedores do Fluminense", que é, dentre os maiores rivais do alvinegro, o único que nunca teve um departamento ligado a esse esporte.[24]

Time do Botafogo em 1906, o primeiro a usar o uniforme listrado.

Na década de 1940, entretanto, a união dos clubes foi motivada por conta de uma tragédia: no dia 11 de junho de 1942, o clube de regatas e o de futebol se enfrentavam em uma partida de basquete, válida pelo Campeonato Carioca. O atleta Armando Albano, um dos principais jogadores do Botafogo Football Club e da Seleção Brasileira, saiu atrasado do trabalho e chegou à quadra com o jogo já em andamento, no final do primeiro tempo. Durante o intervalo, Armando se abaixou para pegar uma bola e caiu desfalecido na quadra. Prontamente o jogador foi levado ao vestiário e a partida recomeçou. Porém, após alguns minutos tentando trazê-lo de volta à vida, a notícia de sua morte interrompeu o confronto quando o placar marcava 23–21 para o clube de futebol. A decisão de parar o jogo foi tomada pelo Botafogo de Regatas, que abdicou da disputa para que Albano tivesse como homenagem uma última vitória.[25][26] Envolvidos em uma profunda atmosfera de comoção, os dirigentes das duas agremiações optaram pela união dos clubes. Duas frases marcantes foram eternizadas na época:

"Nas disputas entre os nossos clubes só pode haver um vencedor, o Botafogo!"[26]

— Eduardo Góis Trindade, presidente do Botafogo Football Club.

"O que mais é preciso para que os nossos dois clubes sejam um só?"[26]

— Augusto Frederico Schmidt, presidente do Club de Regatas Botafogo.

A partir dessa data, começou o procedimento para a fusão, oficializada cerca de seis meses depois. A partir de então, surgia o Botafogo de Futebol e Regatas, com algumas alterações: a bandeira permaneceu com as listras horizontais em preto e branco, mas o escudo com as letras BFC entrelaçadas foi substituído por um retângulo preto com a Estrela Solitária em branco. O novo escudo fez mudança semelhante, incorporando o símbolo máximo do remo ao formato do distintivo de futebol, agora em fundo preto e contorno branco.[27]

En otros idiomas