Hesíodo
English: Hesiod

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Fevereiro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser acadêmico)
Hesíodo
Ἡσίοδος
NascimentoSéculo VIII a.C.
Grécia Antiga
MorteSéculo VIII a.C.
Grécia Antiga
OcupaçãoPoeta e historiador

Hesíodo (em grego: Ἡσίοδος, transl. Hēsíodos) foi um poeta oral grego da Antiguidade, geralmente tido como tendo estado em atividade entre 750 e 650 a.C.. Sua poesia é a primeira feita na Europa na qual o poeta vê a si mesmo como um tópico, um indivíduo com um papel distinto a desempenhar.[1] Autores antigos creditavam a ele e a Homero a instituição dos costumes religiosos gregos,[2] e os acadêmicos modernos referem-se a ele como uma das principais fontes para a religião grega, as técnicas agriculturais, o pensamento econômico (chegou a ser referido, por vezes, como o primeiro economista),[3] a astronomia grega arcaica e o estudo do tempo.

Hesíodo utilizou diversos estilos do verso tradicional, incluindo a poesia gnômica, hínica, genealógica e narrativa, porém não foi capaz de dominar todas com a mesma fluência; as comparações com Homero costumam lhe ser desfavoráveis. Nas palavra de um estudioso moderno de sua obra, "é como se um artesão, com seus dedos grandes e desajeitados, estivesse imitando, paciente e fascinadamente, a costura delicada de um alfaiate profissional."[4]

Biografia

As datas precisas de sua vida são uma questão contestada nos círculos acadêmicos, e foram abordadas na seção Datas.

A narrativa épica não permitia a poetas como Homero qualquer oportunidade para revelações pessoais, porém a obra existente de Hesíodo abrange também poemas didáticos, e nestes o autor desviou-se de sua trajetória para compartilhar com o público alguns detalhes de sua vida, incluindo três referências explícias, no Trabalhos e Dias, além de algumas passagens da Teogonia, que permitem que algumas inferências sejam feitas. No primeiro, o leitor fica sabendo que o pai de Hesíodo era originário de Cime, na Eólia, litoral da Ásia Menor, ao sul da ilha de Lesbos, e atravessou o mar para fixar-se num vilarejo, nas proximidades de Téspias, na Beócia, chamada Ascra, "uma aldeia amaldiçoada, cruel no inverno, penosa no verão, jamais agradável" (Trabalhos, l. 640). O patrimônio de Hesíodo no local, um pequeno pedaço de terra no sopé do Monte Hélicon, foi responsável por processos judiciais com seu irmão, Perses, que parece ter inicialmente se apossado indevidamente da parte devida a Hesíodo graças a autoridades (ou "reis") corruptos, porém mais tarde acabou ficando pobre e sobrevivendo às custas do poeta, mais precavido (Trabalhos l. 35, 396). Ao contrário de seu pai, Hesíodo evitava viagens marítimas, embora tenha cruzado certa vez o estreito que separa a Grécia continental da ilha de Eubeia para participar nos ritos fúnebres de um certo Átamas de Cálcis, onde conquistou um tripé após participar de uma competição de canto.[5] Também descreveu um encontro entre ele próprio e as Musas, no Monte Hélicon, onde ele havia levado suas ovelhas para pastar, quando as deusas lhe presentearam com um ramo de louros, símbolo de autoridade poética (Teogonia, ll. 22–35). Por mais fantasioso que isto pareça, o relato levou estudiosos antigos e modernos a deduzir a partir dele que Hesíodo não era capaz de tocar a lira, ou não havia sido treinado profissionalmente para tocá-la, do contrário ele teria recebido um instrumento de presente no lugar do cajado.[nota 1]

Alguns estudiosos enxergaram em Perses uma criação literária, um recurso utilizado para a moralização desenvolvida por Hesíodo nos Trabalhos e Dias, porém também existem argumentos contrários a esta teoria.[6] Era muito comum, por exemplo, em obras voltadas à instrução moral, utilizar-se de uma ambientação imaginária, como forma de conquistar a atenção do público,[nota 2] porém é difícil imaginar como Hesíodo poderia ter viajado por toda a região rural entretendo as pessoas com uma narrativa sobre si próprio se ela fosse notoriamente fictícia.[7] O professor americano de Estudos Clássicos Gregory Nagy, por outro lado, vê tanto no nome Persēs ("destruidor": πέρθω, perthō) quanto em Hēsiodos ("aquele que emite a voz": ἵημι, hiēmi + αὐδή, audē) como nomes fictícios de personas poéticas.[8]

Hesíodo e a Musa, de Gustave Moreau. O poeta é representado aqui com uma lira, o que contradiz o relato apresentado pelo próprio Hesíodo, no qual o presente foi um ramo de louros.

Parece pouco comum que o pai de Hesíodo tenha migrado da Ásia Menor para a Grécia continental, percorrendo o caminho oposto ao da maior parte dos deslocamentos coloniais ocorridos no período; o próprio Hesíodo não apresenta qualquer explicação para o fato. Por volta de 750 a.C., no entanto, ou pouco mais tarde, ocorreu uma migração de mercadores marítimos de sua pátria, Cime, na Ásia Menor, para Cumas, na Campânia (uma colônia que Cime partilhava com os eubeus), e talvez sua mudança para o oeste tenha tido a ver com isto, já que Eubeia não fica longe da Beócia, onde ele acabou por se fixar com sua família.[9] A associação com Cime pela família poderia explicar sua familiaridade com mitos orientais, evidente em seus poemas, embora o mundo grego já pudesse àquela altura ter desenvolvido suas próprias versões daqueles mitos.[10]

Apesar das reclamações de Hesíodo a respeito de sua pobreza, a vida na fazenda de seu pai não pode ter sido excessivamente desconfortável a se julgar pela sua obra, especialmente Trabalhos e Dias, já que ele descreve as rotinas de proprietários de terra prósperos, e não de camponeses. Seu fazendeiro emprega um amigo (l. 370) bem como servos (ll. 502, 573, 597, 608, 766), um arador enérgico e responsável já de idade avançada (ll. 469–71), um escravo jovem para cobrir as sementes (ll. 441–6), uma criada para cuidar da casa (ll. 405, 602) e grupos de bois e mulas (ll. 405, 607f.).[11] Um acadêmico moderno sugeriu que Hesíodo teria aprendido sobre geografia geral, especialmente o catálogo de rios citado na Teogonia (ll. 337–45), ao ouvir os relatos de seu pai sobre suas próprias viagens como comerciante.[12] O pai provavelmente falava no dialeto eólio de Cime, porém Hesíodo provavelmente cresceu falando o dialeto beócio local. Sua poesia, no entanto, apresenta alguns eolismos, enquanto não tem quaisquer palavras de origem beócia, já que ele compunha suas obras utilizando o principal dialeto literário da época, o dialeto jônio.[13]

É provável que Hesíodo tenha escrito seus poemas, ou os ditado, e não apresentado-os oralmente, como faziam os rapsodos - do contrário o estilo acentuadamente pessoal que emerge de seus poemas teria seguramente sido diluído através da transmissão oral de um rapsodo a outro. Se ele de fato escreveu ou ditou suas obras, provavelmente o fez para ajudar a memorizá-los, ou porque ele não tinha confiança na sua capacidade de produzir poemas de improviso, como costumavam fazer os rapsodos com mais treinamento. Certamente não foi visando qualquer tipo de fama ou posteridade, já que os poetas de seu tempo não conheciam esta noção. Alguns estudiosos suspeitam, no entanto, a presença de alterações em grande escala no texto, e a atribuem a transmissão oral.[14] Hesíodo pode ter escrito seus versos durante períodos de ócio na sua fazenda, na primavera, antes da colheita de maio, ou no meio do inverno.[15]

A característica pessoal por trás dos poemas é pouco apropriada ao tipo de "afastamento aristocrático" que um rapsodo deveria ter; seu estilo foi descrito como "argumentativo, desconfiado, ironicamente bem-humorado, frugal, apreciador de provérbios, temeroso quanto às mulheres."[16] Era, de fato, um misógino do mesmo quilate de outro poeta que viveu posteriormente, Semônides.[17] Assemelha-se a Sólon em sua preocupação com a questão do bem contra o mal, e "como um deus justo e onipotente pode permitir que o injusto floresça nesta vida." Lembra Aristófanes em sua rejeição do herói idealizado da literatura épica, preferindo em seu lugar uma visão idealizada do fazendeiro.[18] No entanto, o fato de que ele podia fazer elogios a reis na Teogonia (ll. 80ff, 430, 434) e ao mesmo tempo denunciá-los como corruptos nos Trabalhos e Dias sugere que ele tinha a capacidade de escrever de acordo com o público que ele visava atingir.[19]

As diversas lendas que se acumularam ao longo do tempo a respeito de Hesíodo foram registradas em diferentes fontes:

  • a história "A Competição de Poesia (Ἀγών, Agōn) de Homero e Hesíodo;"[20]
  • uma vita de Hesíodo de autoria do gramático bizantino João Tzetzes;
  • o verbete sobre Hesíodo na Suda;
  • duas passagens e alguns comentários na obra de Pausânias (IX, 31.3–6 e 38.3–4);
  • uma passagem na Moralia, de Plutarco (162b).

Duas tradições diferentes, porém arcaicas, registram o local da sepultura de Hesíodo. Uma, do tempo de Tucídides e registrada por Plutarco, pela Suda e por João Tzetzes, afirma que o oráculo de Delfos teria avisado Hesíodo que ele morreria em Nemeia, e por isso ele fugiu para a Lócrida, onde foi morto no templo local dedicado a Zeus Nemeu, e enterrado ali. Esta tradição segue uma convenção irônica familiar: o oráculo acaba prevendo corretamente a despeito da tentativa da vítima de escapar de seu destino. A outra tradição, mencionada pela primeira vez num epigrama de Quérsias de Orcômeno, e escrita no século VII a.C. (pouco mais de um século depois da morte de Hesíodo) afirma que ele estaria sepultado em Orcômeno, uma cidade da Beócia. De acordo com a Constituição de Orcômeno, de Aristóteles, quando os téspios atacaram Ascra, seus habitantes procuraram refúgio em Orcômeno onde, seguindo o conselho de um oráculo, eles juntaram as cinzas de Hesíodo e colocaram-nas num local de honra dentro de sua ágora, próximo ao túmulo de Mínias, seu fundador epônimo. Posteriormente passaram a considerar Hesíodo também como o "fundador de seu lar" (οἰκιστής, oikistēs). Escritores posteriores tentaram harmonizar os dois relatos.

Datas

O monte Hélicon nos dias de hoje - Hesíodo descreveu certa vez sua terra natal, Ascra, situada nas vizinhanças, como "cruel no inverno, penosa no verão, jamais agradável".

Os gregos do fim do século V e início do século IV a.C. consideravam como seus poetas mais antigos Orfeu, Museu, Hesíodo e Homero - nesta ordem. Posteriormente, os autores gregos passaram a considerar Homero mais antigo que Hesíodo. Admiradores de Orfeu e Museu provavelmente eram responsáveis pela precedência dada a estes dois heróis cultuados, e talvez os Homéridas tenham sido responsáveis, posteriormente, por 'promover' Homero às custas de Hesíodo.

Os primeiros autores conhecidos a situar Homero antes, cronologicamente, que Hesíodo foram Xenófanes e Heráclide Pôntico, embora Aristarco da Samotrácia tenha sido o primeiro a argumentar a favor da teoria. Éforo descreveu Homero como um primo mais novo de Hesíodo; Heródoto (Histórias, 2.53) evidentemente considerava-os como quase contemporâneos, e o sofista Alcídamas, do século IV a.C., em sua obra Mouseion, representou-os atuando junto numa competição poética (agon) fictícia, que sobrevive atualmente como Competição entre Homero e Hesíodo. A maior parte dos estudiosos de hoje em dia concordam com a antecedência de Homero, porém existem bons argumentos de ambos os lados.[21]

Hesíodo certamente antecedeu os poetas líricos e elegíacos cujas obras foram conservadas até os dias de hoje. Imitações de sua obra foram identificadas nos trabalhos de Alceu, Epimênides, Mimnermo, Semônides, Tirteu e Arquíloco, de onde se deduziu que a data mais tardia possível para Hesíodo só poderia ser 650 a.C.

Um limite máximo de 750 a.C. como data de sua morte foi indicado por muitas considerações, como a probabilidade de que sua obra tenha sido escrita, o fato de que ele menciona um santuário em Delfos que tinha pouco significado nacional antes de meados de 750 a.C. (Teogonia l. 499), e o fato dele listar rios que deságuam no Euxino, uma região explorada e desenvolvida por colonos gregos apenas no início do século VIII a.C. (Teogonia, 337–45).[22]

Hesíodo menciona um concurso de poesia em Cálcis, na ilha de Eubeia, onde os filhos de um certo Anfídamas lhe presentearam com um tripé (Trabalhos e Dias ll.654–662). Plutarco identificou este Amnfídamas com o herói da Guerra Lelantina, travada entre Cálcis e Erétria, e concluiu que este trecho devia ser uma interpolação na obra original de Hesíodo, assumindo que a Guerra Lelantina teria ocorrido numa data tarde demais para coincidir com a vida de Hesíodo. Estudiosos modernos aceitaram esta identificação de Anfídamas, porém discordam de sua conclusão. A data da guerra não é conhecida com precisão, porém é estimada por volta de 730-705 a.C., coincidindo com a cronologia estimada para Hesíodo. Se este for o caso, o tripé concedido a Hesíodo poderia ser conquistado por sua interpretação da Teogonia, um poema que parece destinar-se ao tipo de público aristocrático que estaria presente em Cálcis.[23]

Segundo o historiador romano Marco Veleio Patérculo, Hesíodo floresceu cento e vinte anos após Homero,[24] que floresceu novecentos e cinquenta anos antes da composição do Compêndio da História romana.[25]

En otros idiomas
Afrikaans: Hesiodos
Alemannisch: Hesiod
aragonés: Hesíodo
العربية: هسيودوس
asturianu: Hesíodo
azərbaycanca: Hesiod
Boarisch: Hesiod
беларуская: Гесіёд
български: Хезиод
brezhoneg: Hesiodos
català: Hesíode
corsu: Esiodu
čeština: Hésiodos
dansk: Hesiod
Deutsch: Hesiod
Ελληνικά: Ησίοδος
English: Hesiod
Esperanto: Heziodo
español: Hesíodo
eesti: Hesiodos
euskara: Hesiodo
estremeñu: Esiodu
فارسی: هزیود
suomi: Hesiodos
français: Hésiode
Frysk: Hesiodos
galego: Hesíodo
Hawaiʻi: Hesioda
עברית: הסיודוס
हिन्दी: हेसिओद
hrvatski: Heziod
magyar: Hésziodosz
հայերեն: Հեսիոդոս
interlingua: Hesiodo
Bahasa Indonesia: Hesiodos
íslenska: Hesíódos
italiano: Esiodo
ქართული: ჰესიოდე
қазақша: Гесиод
한국어: 헤시오도스
Latina: Hesiodus
Lëtzebuergesch: Hesiod
lietuvių: Hesiodas
latviešu: Hēsiods
македонски: Хесиод
Bahasa Melayu: Hesiodos
Plattdüütsch: Hesiod
Nederlands: Hesiodos
norsk nynorsk: Hesiod
norsk: Hesiod
occitan: Esiòde
polski: Hezjod
română: Hesiod
русский: Гесиод
sicilianu: Esìudu
Scots: Hesiod
srpskohrvatski / српскохрватски: Hesiod
Simple English: Hesiod
slovenčina: Hésiodos
slovenščina: Heziod
shqip: Hesiodi
српски / srpski: Хесиод
svenska: Hesiodos
Kiswahili: Hesiodo
தமிழ்: எசியோடு
Türkçe: Hesiodos
українська: Гесіод
Tiếng Việt: Hēsíodos
Winaray: Hesiodos
吴语: 赫西俄德
中文: 赫西俄德
粵語: 赫西俄德