Guerra da Coreia

Guerra da Coreia
Parte do Conflito coreano e da Guerra Fria
Korean War Montage 2.png
Data25 de junho de 1950 - 27 de julho de 1953 [nota 1]
LocalPenínsula da Coreia
DesfechoCessar-fogo e estabelecimento de uma zona desmilitarizada no Paralelo 38° N, que separa as duas Coreias.
Beligerantes
 Coreia do Sul

Flag of the United Nations.svg ONU:
Flag of the United States (1912-1959).svg Estados Unidos
 Reino Unido
 Austrália
 Nova Zelândia
 Canadá
Flag of the Philippines (navy blue).svg Filipinas
 Tailândia
França França
Grécia
 Bélgica
África do Sul
 Países Baixos
 Luxemburgo
entre outros

Apoio:
Coreia do Norte
China China
 União Soviética

Apoio:
Comandantes
Coreia do Sul Syngman Rhee
Coreia do Sul Chung Il-kwon
Coreia do Sul Paik Sun-yup
Coreia do Sul Shin Sung-mo
Coreia do Sul Son Won-il
Flag of the United States (1912-1959).svg Douglas MacArthur
Flag of the United States (1912-1959).svg Matthew Ridgway
Flag of the United States (1912-1959).svg Mark W. Clark
entre outros
Coreia do Norte Kim Il-Sung
Coreia do Norte Pak Hon-yong
Coreia do Norte Choi Yong-kun
Coreia do Norte Kim Chaek
China Mao Tsé-Tung
China Peng Dehuai
China Deng Hua
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Josef Stalin
Forças
Coreia do Sul 602 902[1]

Flag of the United States (1912-1959).svg 326 863[2]

Reino Unido 14 198[3][4][5]
Canadá 8 123
Austrália 2 282
entre outros

Total: 1 500 000 combatentes
(no auge)
Coreia do Norte 800 000 +[6]
China 1 350 000[7]
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 26 000[8]



Total: 1 642 600 combatentes
(no auge)
Baixas
Coreia do Sul 137 899 mortos e
450 742 feridos
Flag of the United States (1912-1959).svg 36 574 mortos e
103 284 feridos
entre outros


Total: 178 224 mortos
Coreia do Norte 215 000-350 000 mortos e 303 000 feridos
China 150 000-400 000 mortos
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 282 mortos


Total: 750 000 mortos
2,5 milhões de civis mortos ou feridos

A Guerra da Coreia (em sul-coreano hangul: 한국전쟁; hanja: 韓國戰爭; rr: Hanguk Jeonjaeng, "Guerra Coreana"; em norte-coreano hangul: 조국해방전쟁; hanja: 祖國解放戰爭; MR: Choguk haebang chǒnjaeng, "Guerra de Libertação da Pátria"; 25 de junho de 1950 – 27 de julho de 1953)[9][10] começou quando a Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul.[11][12] As Nações Unidas, com os Estados Unidos como sua principal força, vieram em ajuda aos sul-coreanos. A China, por sua vez, interveio em favor do norte, com a União Soviética lhes dando apoio logístico e político.

A Coreia foi governada pelo Japão desde 1910 até o final da Segunda Guerra Mundial. Em agosto de 1945, os soviéticos declararam guerra contra os japoneses, como resultado de um acordo feito com os Estados Unidos e libertaram o norte do Paralelo 38. Tropas estadunidenses, logo em seguida, se moveram para ocupar o sul da península. Em 1948, como resultado do início da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, a Coreia foi dividida em duas regiões, com governos separados. Representantes da zona sul (capitalista, de influência americana) e da zona norte (comunista, de influência soviética) afirmavam, cada um, ser o legítimo governo da Coreia, e nenhum lado aceitava as fronteiras da época como permanentes. O conflito escalou para uma guerra aberta total quando os norte-coreanos, apoiados belicamente pelos soviéticos e chineses, invadiram o sul, em 25 de junho de 1950. Naquele período, o Conselho de Segurança das Nações Unidas reconheceu isto como uma invasão ilegal e exigiu um cessar-fogo.[13] A 27 de junho, o Conselho da ONU aprovou a Resolução 83, condenando a invasão e despachando uma tropa sob a bandeira das Nações Unidas para restabelecer a paz na península coreana. Cerca de vinte e um países comprometeram forças militares para a missão da ONU, sendo que 88% desses soldados eram, na verdade, americanos.

Após dois meses de guerra, parecia que a Coreia do Sul iria ser sobrepujada pelos norte-coreanos. Contudo, as forças da ONU, compostas principalmente por tropas dos Estados Unidos, detiveram os comunistas no perímetro de Pusan. Em setembro de 1950, os Aliados lançaram uma contra-ofensiva em Incheon e impuseram um grande revés ao exército da Coreia do Norte. Utilizando de sua superioridade bélica e de recursos, os Estados Unidos e seus aliados continuaram a forçar o recuou dos norte-coreanos até além de suas próprias fronteiras, o que levou a China a agir, mandando os seus exércitos cruzarem o rio Yalu, entrando oficialmente na guerra em favor do norte. Isso forçou as forças da ONU a recuar.

A intervenção chinesa acabou levando a guerra a um impasse. A cidade de Seul, capital da Coreia do Sul, por exemplo, trocou de mãos quatro vezes. Assim, os dois últimos anos do conflito se arrastaram numa guerra de atrito, com as linhas de frente se mantendo relativamente firmes no Paralelo 38. A guerra no ar, contudo, continuou intensamente disputada. Enquanto os Estados Unidos submetiam as cidades norte-coreanas a bombardeios aéreos constantes, os céus sobre a península coreana viram intensos combates, especialmente entre caças a jato (a primeira vez que isso aconteceu na história). Pilotos de todo o mundo comunista lutaram ao lado do norte, enquanto pilotos ocidentais (a maioria americanos e Europeus) apoiavam os sul-coreanos. Algumas das maiores batalhas aéreas aconteceram na chamada "Alameda dos Migs", onde dúzias de aviões foram perdidos, por ambos os lados.

A luta se arrastou por três anos até que, em 27 de julho de 1953, um armistício foi assinado. O acordo firmou a Zona Desmilitarizada da Coreia a fim de separar o Norte e o Sul, e permitiu a troca de prisioneiros. Contudo, nenhum tratado de paz formal foi assinado entre as partes envolvidas, o que faz com que as duas Coreias estejam, tecnicamente, ainda em guerra.[14][15] Desde então, ambos os países continuam com provocações mútuas e até atos de violência, com os governos nutrindo muita animosidade um pelo outro. Em abril de 2018, os líderes das duas Coreias se reuniram na Zona Desmilitarizada e concordaram em assinar um tratado de paz até o fim desse ano para encerrar oficialmente a guerra.[16]

Contexto

Ocupação japonesa (1910–1945)

Após derrotar a Dinastia Qing na Primeira Guerra Sino-Japonesa (1894–96), o Império do Japão ocupou militarmente a Coreia – uma península estratégica na "esfera de influência" regional.[17] Uma década mais tarde, os japoneses derrotaram a Rússia Imperial na Guerra Russo-Japonesa (1904–05), e tornaram a península coreana seu novo protetorado, pelo Tratado de Eulsa, em 1905, e então assinaram o tratado de Anexação Japão-Coreia em 1910.[18]

A Coreia ocupada era considerada parte do Império japonês como uma colônia industrializada, como parte da Esfera de Coprosperidade da Grande Ásia Oriental. Em 1937, o governador da Coreia, o general Jirō Minami, iniciou um processo de assimilação cultural dos 23,5 milhões de coreanos ao banir o uso e o ensino da língua local, proibindo a literatura nacional e promovendo a repressão cultural, implementando à força na sociedade coreana os ensinamentos e tradições japonesas. Em 1939, a população passou a ser obrigada a adotar nomes japoneses sob a regra Sōshi-kaimei. Em 1938, o governo colonial instaurou programas de trabalho forçado.[18]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses usaram a comida, a pecuária e metais coreanos no esforço de guerra. A presença militar japonesa no país aumentou de 46 000 soldados em 1941 para 300 000 em 1945. O Japão alistou 2,6 milhões de coreanos como força de trabalho. Cerca de 723 000 pessoas foram enviadas para trabalhar em territórios ocupados pelos japoneses no exterior. Em 1942, homens coreanos passaram a ser alistados à força pelo exército imperial japonês. Em janeiro de 1945, os coreanos eram cerca de 32% da força de trabalho japonesa. Em agosto, quando os Estados Unidos lançaram bombas atômicas contra as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, cerca de 25% dos mortos eram coreanos.[19] No fim da guerra, as potências mundiais não mais reconheciam a legalidade da ocupação japonesa sobre a Coreia e sobre a ilha de Taiwan, outro protetorado japonês.

Invasão soviética-americana (1945)

Em novembro de 1943, em uma conferência realizada no Egito, a República da China, o Reino Unido e os Estados Unidos decidiram que "a Coreia se tornaria uma nação independente após a guerra".[20] Na Conferência de Ialta, feita em fevereiro de 1945, foi acertado que o país entraria para a "zona de influência" soviética, em troca do apoio destes na guerra contra o Japão.[21] Ao fim da Segunda Guerra Mundial, o Exército vermelho ocupou boa parte do norte da península coreana, como havia sido acertado em acordo com as potências ocidentais e em 26 de agosto de 1945, mas detiveram seu avanço no paralelo 38 e esperaram a invasão americana no sul do país.[22]

Em 10 de agosto de 1945, com a derrota japonesa próxima, os americanos duvidavam se os soviéticos iriam honrar os acordos da ocupação da Coreia. Um mês antes, os coronéis Dean Rusk e Charles H. Bonesteel III dividiram a península no paralelo 38, assegurando-se que a zona sul tivesse pelo menos dois grandes portos.[23][24] Rusk teria justificado o local da divisão no paralelo 38 pois "caso a União Soviética violasse o acordo, a área ocupada pelo exército vermelho estaria ao alcance rápido das forças americanas, [...] era importante colocar a capital da Coreia sob responsabilidade do exército dos Estados Unidos". Os soviéticos aceitaram a demarcação das zonas de ocupação americanas, já que seu foco estava nas negociações com o ocidente sobre como ocupar o leste da Europa e também porque eles aceitariam a rendição japonesa nos termos dela.[25]

Divisão da Coreia (1945–1949)

Ver artigo principal: Divisão da Coreia
Cidadãos sul-coreanos protestando contra a ocupação das Coreias por potências estrangeiras, em dezembro de 1945.

Na Conferência de Potsdam (julho–agosto de 1945), os Aliados decidiram, unilateralmente, dividir a Coreia — sem consultar o povo coreano.[26] Em 8 de setembro de 1945, o general americano John R. Hodge chegou em Incheon para aceitar a rendição japonesa no sul do paralelo 38. Apontado como governador militar, Hodge assumiu total controle sobre o sul da Coreia.[27]

Em dezembro de 1945, a Coreia era administrada por uma Comissão Americano-Soviética, como acertado na Conferência de Moscou, ainda naquele ano. Os coreanos foram excluídos de todas as negociações sobre o futuro do país. A comissão decidiu dar independência a península coreana em 1950, depois de cinco anos de ocupação e de esforços para inclinar a população das zonas ocupadas as ideologias defendidas pelas forças estrangeiras de ocupação. A população coreana se revoltou contra tais determinações. No sul, foram reportados enormes protestos nacionalistas e alguns grupos políticos passaram a pegar em armas.[28]

Em 1946 as greves assolaram o país inteiro, além de protestos nas grandes cidades.[29] A desordem civil foi forte durante todo este ano e conduziu a vários levantes populares. Em 1 de outubro de 1946, a polícia matou três estudantes durante uma revolta em Daegu. Manifestantes armados passaram então a visar a policia, matando 38 oficiais de segurança. Em 3 de outubro, cerca de 10 mil pessoas atacaram uma delegacia de polícia em Yeongcheon, matando 3 policiais e ferindo outros 40. Cerca de 20 proprietários de terra e coreanos suspeitos de serem simpatizantes da antiga ocupação japonesa também foram mortos. As forças de ocupação americanas decidiram então decretar lei marcial.[30] Em 3 de abril, uma grande revolta explodiu na Coreia (a Insurreição de Jeju), que terminou com cerca de 60 mil pessoas mortas.[31][32]

Com a recusa da Rússia de permitir as Nações Unidas de supervisionar as eleições para uma Coréia unida,[33] em 10 de maio de 1948, a Coreia do Sul convocou sua primeira eleição nacional, a que os soviéticos se opuseram.[34] Em 25 de agosto, foi a vez da Coreia do Norte ter eleições gerais,[35] com apenas um candidato por distrito eleitoral,[36] a afluência às urnas foi relatada de 99,97%, com 98,49% de votos a favor dos candidatos apresentados.[37]

O governo formado no sul após as eleições tinha uma dura linha anti-comunista e aprovou sua nova constituição em 17 de julho de 1948, elegendo o presidente, Syngman Rhee, em 20 de julho. As eleições foram violentas e pelo menos 600 pessoas morreram durante o processo.[38] A República da Coreia (no sul) foi formalmente estabelecida em 15 de agosto de 1948. Na zona de ocupação soviética, o novo governo comunista passou a ser chefiado por Kim Il-sung. O regime do presidente Rhee expulsou os comunistas da vida política do sul. Muitos fugiram para as colinas e pegaram em armas para lutar contra o governo de Seul.[39]

Ambos muito nacionalistas, Syngman Rhee e Kim Il-Sung tinham intenções de reunificar a Coreia sob seu próprio sistema de governo.[40] O Norte recebia apoio incondicional da União Soviética e da China. Tiroteios e confrontos nas fronteiras (que passaram a ser militarizadas) se tornaram comuns. A Coreia do Sul era tremendamente limitada em materiais e recursos.[40] Durante essa era, o governo americano presumiu que os comunistas (independentemente da nacionalidade) eram diretamente controlados ou influenciados por Moscou. Assim, os Estados Unidos viam a guerra civil na Coreia como uma manobra de hegemonia por parte dos soviéticos.[41]

No fim de 1948, os soviéticos retiraram seus exércitos do norte, como era previsto nos acordos feitos com o ocidente. Tropas americanas se retiraram do sul em 1949, deixando as forças militares sul-coreanas despreparadas e mal armadas, ao contrário dos vizinhos do norte que estavam fortemente armados com equipamentos russos.[42]

En otros idiomas
Afrikaans: Korea-oorlog
Alemannisch: Koreakrieg
aragonés: Guerra de Coreya
asturianu: Guerra de Corea
azərbaycanca: Koreya müharibəsi
žemaitėška: Kuoriejės vaina
беларуская: Вайна ў Карэі
беларуская (тарашкевіца)‎: Карэйская вайна
български: Корейска война
brezhoneg: Brezel Korea
bosanski: Korejski rat
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Hàng Ciéng
čeština: Korejská válka
Cymraeg: Rhyfel Corea
Deutsch: Koreakrieg
English: Korean War
Esperanto: Korea milito
español: Guerra de Corea
euskara: Koreako Gerra
فارسی: جنگ کره
føroyskt: Koreakríggið
français: Guerre de Corée
Nordfriisk: Koreakrich
客家語/Hak-kâ-ngî: Hòn Chan
Fiji Hindi: Korean War
hrvatski: Korejski rat
Bahasa Indonesia: Perang Korea
íslenska: Kóreustríðið
italiano: Guerra di Corea
日本語: 朝鮮戦争
Patois: Korian Waar
Basa Jawa: Perang Korea
ქართული: კორეის ომი
қазақша: Корей соғысы
한국어: 한국 전쟁
Кыргызча: Корей согушу
Lëtzebuergesch: Koreakrich
lietuvių: Korėjos karas
latviešu: Korejas karš
македонски: Корејска војна
Bahasa Melayu: Perang Korea
မြန်မာဘာသာ: ကိုရီးယားစစ်ပွဲ
Plattdüütsch: Koreakrieg
नेपाल भाषा: कोरिया
Nederlands: Koreaanse Oorlog
norsk nynorsk: Koreakrigen
sicilianu: Guerra di Corea
Scots: Korean War
srpskohrvatski / српскохрватски: Korejski rat
Simple English: Korean War
slovenčina: Kórejská vojna
slovenščina: Korejska vojna
српски / srpski: Корејски рат
svenska: Koreakriget
Kiswahili: Vita ya Korea
тоҷикӣ: Ҷанги Корея
Türkçe: Kore Savaşı
татарча/tatarça: Корея сугышы
українська: Корейська війна
oʻzbekcha/ўзбекча: Koreys urushi
Winaray: Gera Koreano
吴语: 韩国战争
მარგალური: კორეაშ ლჷმა
中文: 朝鲜战争
文言: 韓戰
Bân-lâm-gú: Hân-chiàn
粵語: 韓戰