Guerra

Disambig grey.svg Nota: Para o filme dinamarquês, veja Krigen.
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)

Guerra é um confronto sujeito a interesses da disputa entre dois ou mais grupos distintos de indivíduos mais ou menos organizados,[1] utilizando-se de armas para tentar derrotar o adversário. A guerra pode ocorrer entre países ou entre grupos menores como tribos ou facções políticas dentro do mesmo país (confronto interno). Em ambos os casos, pode-se ter a oposição dos grupos rivais isoladamente ou em conjunto. Neste último caso, tem-se a formação de aliança(s).

Diz-se guerra civil de um confronto que provoca uma onda de conflitos armados, programados ou planificados entre facções, partidos ou grupos de um mesmo povo, ou ainda a que ocorre entre povos ou etnias habitantes de um mesmo país. Expressões como "guerra econômica" e "guerra psicológica" designam também os confrontos diretos provocados pelos pequenos conflitos efervescentes, agudos com ações igualmente violentas mas sem o uso de armas, necessariamente. O confronto ou a guerra pode ter motivos religiosos, étnicos, ideológicos, econômicos, territoriais, de vingança, ou de posse (quando um grupo deseja algo do outro).

Tipos de guerras

Varsóvia em ruínas como resultado da Segunda Guerra Mundial.

Existem diferentes formas de classificação, sendo: segundo as causas, o desenvolvimento, a intensidade, a abrangência geográfica ou a estratégia e o tipo de armamento principal utilizado. Algumas guerras podem ser incluídas em mais de uma modalidade, quando se considera elementos como a escala geográfica ou a escala de intensidade do conflito, ou ainda as causas ou origem da conflagração. É sempre interessante notar que geralmente uma guerra possui várias causas, ou seja, causada por variáveis distintas mas simultâneas. Raramente uma guerra tem uma única causa. Porém, Sun Tzu, em seu tratado A Arte da Guerra, alerta que todas são de conquista.

Modalidades de guerra segundo a intensidade do confronto

  • Guerra total - Travada entre os países europeus em diversas ocasiões, com objetivos políticos e econômicos. A Guerra Total é o conflito que envolve todos os recursos de um Estado e de uma sociedade. Segundo Clausewitz, só existiria no plano das ideias ou do planejamento, e sua forma "real" seria a Guerra Absoluta.[2] Exemplos: Guerras Napoleônicas, Primeira Guerra Mundial e Segunda Guerra Mundial.
  • Guerra limitada - De certa forma, toda guerra que não se torna uma guerra total poderia ser considerada uma guerra limitada. Entretanto, esta seria uma modalidade específica de guerra, limitada no tempo e no espaço, com objetivos pontuais claros e bem definidos, geralmente envolvendo um cálculo razoável da relação custo-benefício da escalada do conflito. Campanhas rápidas visam a atingir objetivo político ou econômico com o menor desgaste possível. A maioria das guerras travadas entre Estados incapazes de sustentar um conflito longo ou de vencer uma guerra rapidamente pode ser considerada uma guerra limitada. Exemplos: as guerras fronteiriças entre Peru e Equador em 1941 e 1995, a Guerra Sino-Soviética de 1969, e a Guerra entre Índia e Paquistão na região de Kargil, entre maio e julho de 1999.[3][4]
  • Guerras intermitentes ou guerras crônicas - É uma modalidade de conflito reincidente, onde há períodos de confronto seguidos de períodos de relativa calmaria. Muitas vezes os objetivos políticos nem sempre são claros ou vão sendo modificados com o tempo. Na modernidade, muitas vezes, estas guerras prolongam-se devido a fatores locais, como a própria economia de guerra, que passa a manter o conflito, geralmente incluindo a formação de lideranças locais chamadas de "chefes da guerra". Frequentemente ocorrem após guerras de independência, em países onde não ocorreu a consolidação de um Estado-Nação ou o Estado-Nação é muito frágil. Exemplos: a longa sequência de batalhas entre França e Inglaterra conhecida como Guerra dos cem anos; a Guerra Civil na ex-Iugoslávia (1992-1995 e 1999-2000) que levou à fragmentação do país; a sequência de guerras civis e invasões estrangeiras que acometeram o Afeganistão, e a sequência de conflagrações armadas na República Democrática do Congo, que vai desde a guerra da independência nos anos 1960, a guerra civil a partir dos anos 1960, até as guerras recentes (ver: Primeira Guerra do Congo e Segunda Guerra do Congo)[5]
  • Guerra de guerrilha - Guerra que envolve o uso de pequenos contingentes militares, muitas vezes não estatal, contra um exército organizado pertencente a um Estado formal. As guerrilhas geralmente utilizam-se do que se convencionou de "táticas de guerrilha", com grande mobilidade das forças, uso de emboscadas, ataques surpresa, ataques rápidos seguidos de fuga, sabotagem e terrorismo, táticas de atrito e confronto indireto.
  • Guerra diplomática - confronto político que considera-se o estado "ideal" da guerra, ou seja, uma guerra em que prevalece a diplomacia ou o entendimento entre os povos, a estratégia e a racionalidade do entendimento, não havendo inspiração de ordem emocional ou moralista. Geralmente encontrada em sistemas internacionais propícios ao equilíbrio de poder (vide relações internacionais), segundo Napoleão I, "…as guerras armadas nascem quando as guerras diplomáticas morrem…"

Modalidades de guerra segundo a abrangência do conflito

Clausewitz dividia o estudo da Guerra em dois níveis, sendo o primeiro nível aquele da Guerra Total (virtual) e da Guerra Absoluta (forma de guerra total real ou possível), e o segundo nível, o da Guerra Regional, ou de delimitação de fronteiras.[6]

Considerando-se apenas a área de abrangência, as guerras modernas poderiam ser divididas em 3 níveis: Local, Regional e Global. Considerando-se simultaneamente a área geográfica de abrangência e a intensidade do confronto militar, pode-se dividir uma guerra em até 4 níveis: Guerra Mundial, Guerra Continental ou Guerra Inter-regional, Guerra Regional e Guerra Local Guerra Inter-regional[7][8][9]

  • Guerra mundial ou guerra global - Que envolve nações de diversos continentes diferentes, com confrontos em mais de uma grande região ou oceano do mundo. Geralmente apresentam características de "Guerra Total" para alguns dos países que participam do conflito. Geralmente está em questão a disputa pela liderança mundial. Em alguns casos são formadas pela conexão de várias guerras regionais em um único confronto. Ex: Guerras Napoleônicas (1803–1815), I Guerra Mundial (1914-1918), II Guerra Mundial (1931-1945 na Ásia e 1939-1945 na Europa).
  • Guerra inter-regional ou grande guerra- Guerra que envolve um conflito central entre dois ou três países que formam o núcleo do confronto, mas que acabam envolvendo vários países ou povos de todo uma macrorregião, área continental ou duas regiões próximas. Pode contar, às vezes, com o envolvimento de poucos países extracontinentais ou extra-regionais participando como atores secundários. Um ou dois dos países centrais do confronto podem apresentar características de envolvimento de "guerra total", mas a maioria dos países se envolve como uma "guerra limitada". Geralmente está em questão a disputa pela liderança em uma macro-região ou continente. Alguns consideram que esta é simplesmente uma modalidade mais violenta de Guerra Regional. Alguns casos de conflitos deste tipo acabaram levando a confrontos ainda maiores, ou se tornando parte de uma Guerra Mundial, como o caso da Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937 a 1945), que se tornou uma parte da II Guerra Mundial. Ex: Guerras púnicas, Guerras Médicas, Guerra do Paraguai (1864 - 1870), Guerra dos Sete Anos (1756 – 1763).
  • Guerra regional - Formato de "guerra limitada" que envolve diretamente ao menos dois países e envolve contingentes militares expressivos, geralmente com envolvimento indireto de outros países do continente ou região em questão. A escala do confronto nunca atinge a de "guerra total" e, muitas vezes, quando a guerra tem uma duração maior no tempo, se torna comum a utilização de táticas de guerrilha. Algumas guerras civis acabam se tornando guerras regionais quando envolvem os países vizinhos no confronto. Geralmente, está, em questão, a disputa pela liderança regional. Exemplos: Guerra franco-prussiana (1870-1871), Guerra Hispano-Americana (1898), Guerra do Pacífico (século XIX) (1879-1883), Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), Guerra Civil Angolana (1975-2002), Segunda Guerra do Congo (1998-2003), Guerra das Malvinas (1982), Guerras Árabe-Israelenses.
  • Guerra local e pequenas guerras - Modalidade de guerra claramente restrita no tempo e no espaço, que inclui guerras entre apenas dois Estados, em uma região claramente delimitada, sem uma escalada para a guerra regional nem o envolvimento direto de terceiros atores. Ex: Primeira Guerra Sino-Japonesa (1894-1895), Guerra na Ossétia do Sul em 2008, Guerra Eritreia-Etiópia (1998-2000), Guerra do Chaco (1932 a 1935). Embora alguns autores classifiquem as Guerras Civis como formas de Guerra Local, quando não há o envolvimento direito de atores de fora da nação no conflito, as guerras civis de baixa intensidade também poderiam ser consideradas um subtipo ainda menor, por envolver atores não-estatais, o que levaria à classificação como "pequena guerra" (em inglês: small war).[10]

Modalidades de guerra segundo a forma ou desenvolvimento do confronto

  • Guerra civil - Conflito que envolve facções de uma mesma nação ou grupo. Possui como objetivo a separação (fratricídio) ou a tomada do poder. Exemplos: Guerra Civil Portuguesa, Guerra Civil Americana (Estados Unidos), Revolução Constitucionalista de 1932 (9 de julho a 4 de outubro de 1932), Guerra Civil Espanhola (Espanha, 1936-1939).[11]
  • Guerra preservativa - ocorre quando uma nação, estando sob a ameaça de outra, não encontra alternativa senão a de tomar a iniciativa do confronto, fazendo isso como forma de defesa. São consideradas "legais", de acordo com a Organização das Nações Unidas(1948) ou Liga das Nações(1918).
  • Guerra de partida ou Ataque é a melhor defesa - a nação antecipa agressivamente o confronto, pelo conflito subversivo efervescente das massas, sem que existam provas consistentes o bastante para o justificar, antes do oponente do confronto. Ex.: invasão do Iraque, que culminou na queda de Saddam Hussein.
  • Guerra por procuração - nações confrontam-se indiretamente, financiando os conflitos efervescentes ou subvertendo as massas populares, cujos resultados dizem respeito aos interesses delas. Exemplo: ocasião em que os Estados Unidos financiaram a Grécia contra o avanço do comunismo (vide Doutrina Truman). Também podem ser consideradas guerras por procuração, as situações em que um país ataca outro, servindo aos interesses de um terceiro, como na Guerra da Coreia ou na Guerra Irã-Iraque.
  • Guerra fria - ocorre quando nações digladiam-se pela liderança global, através de conflitos indiretos, de corrida armamentista e tecnológica, espionagem ou subversão, guerras por procuração, guerras doutrinárias; sempre evitando o confronto militar direto, uma vez que este desencadearia uma escalada de aniquilação, na Era Nuclear, que levaria à Guerra Nuclear total. Exemplo: Estados Unidos X União das Repúblicas Socialistas Soviéticas de 1945 a 1989 (vide tipo "guerra nuclear").
  • Guerra subversiva, espionagem ou de guerrilha - é um tipo de guerra não convencional de confronto direto, no qual um dos grupos envolvidos pretende subverter a ordem estabelecida. Geralmente a principal estratégia utilizada é a ocultação e a extrema mobilidade de agentes autônomos, dos combatentes, geralmente envolvendo "guerra ou confronto de guerrilheiros". Embora a "subversão" seja encontrada em toda ou qualquer guerra, ou por atores não estatais ou pelos agentes do Estado invasor, nestes casos costuma haver uma clara vantagem dos grupos estabelecidos no poder sobre os subversivos. Exemplo: Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, na Colômbia, e em guerras urbanas modernas, contra os diversos tipos de tráfico ilegal, que confrontam a sociedade e a cidadania, tentando formar um "estado paralelo" no exercício do poder. É utilizado também pelos Estados que pregam a invasão ideológica religiosa.
  • Guerra revolucionária - é o tipo de guerra que ocorre durante uma Revolução ou que se segue a uma revolução ou golpe de Estado, onde um dos lados em confronto tem a intenção declarada de tomar o poder para modificar profundamente as estruturas políticas, econômicas e/ou sociais de um país. Muitas vezes tornam-se guerras civis prolongadas, quando o grupo revolucionário não tem condições políticas ou militares de tomar o poder. Ex: A Guerra dos Farrapos (Brasil), o período de 1918 a 1922 da Revolução Russa em que se confrontaram os exércitos bolcheviques ou vermelhos, contra os exércitos brancos, no que alguns chamam de Guerra Civil Russa; ou ainda, quando os revolucionários cubanos abandonaram a tática de guerrilha para adotar uma guerra aberta pela tomada do poder em 1958. Algumas guerras de libertação nacional também podem ser classificadas como revolucionárias, como normalmente é considerada a Guerra da Independência dos Estados Unidos, também chamada de Revolução Americana de 1776.
  • Guerra psicológica ou de propaganda - a população (de qualquer das partes) é manipulada para conseguir obter o seu apoio pela panfletagem e propaganda. A manipulação pode ocorrer mediante a transmissão de informações falsas e assistência médica, por exemplo. É a guerra psicológica, a manobra em que o interessado detém a fidelidade do povo ao suprir, precariamente, suas necessidades básicas mas sem a intenção verdadeira de viabilizar soluções. Aparentando apoio e atenção, sem perder o foco voltado em mantê-lo (o povo) atado e fiel através do medo, ignora o fato que se trata apenas da manutenção de sua miséria sobrevivência. Dessa forma, o interessado os mantém calados, passivos, inoperantes e gratificados. Mantendo-os temerosos com seu futuro e ignorantes de cultura e informações da verdade, o interessado não terá oponente. Como exemplo, temos a guerra psicológica de propaganda de Adolf Hitler no passado e, modernamente, a propaganda do tráfico, tentando aliciar os cidadãos de bem em uma aventura duvidosa. Goebbels, o ministro da propaganda da Alemanha Nazista, afirmou que "… uma mentira dita várias vezes, acaba transformando-se em verdade, se não tiver respaldo legal que a negue…" Este é o princípio norteador da chamada "guerra psicológica".

Modalidades de guerra segundo a causa do confronto bélico, ou causus belis

  • Guerra comercial ou econômica - envolve causas econômicas, que muitas vezes são consideradas variáveis causais da maior parte das guerras. Também envolvem a utilização de mecanismos de confronto econômico, tais como o embargo comercial e a imposição de barreiras alfandegárias. Ex.: Bloqueio continental promovido por Napoleão; embargo à África do Sul na época do Apartheid, como também o embargo americano a Cuba, a partir de 1960 (após a invasão da Baía dos Porcos, até aos dias de hoje).
  • Guerra político-ideológica- Pode ser considerada uma forma específica de guerra civil. Em geral opõe grupos revolucionários ou partidos políticos distintos, ou estes grupos contra governos, devido a divergências político-ideológicas. Entre os conflitos ocorridos na América Latina, este é o tipo mais frequente.
  • Guerras religiosas - Guerras que envolveram como motivação principal ou justificativa mais relevante, a imposição de uma determinada religião sobre uma região ou país, ou a conversão de "infiéis" a uma determinada religião. Exemplos: as Cruzadas, Jihad, Guerra santa.
  • Guerras étnicas - guerras que envolvem grupos étnicos diferentes, geralmente justificadas por supostas ou reais rivalidades históricas entre as etnias. Já que a simples existência de duas ou mais etnias em um mesmo Estado não é causa necessária de rivalidades ou guerras, geralmente existem outras causas principais para o conflito. Apesar de muitas guerras serem classificadas como étnicas, a causa dominante geralmente é política ou econômica, e o elemento étnico costuma ser a principal justificativa ideológica para os lados em disputa arregimentarem soldados e voluntários ou manterem o conflito.
  • Guerras de secessão ou Guerra separatista - é uma modalidade de Guerra Civil motivada pela secessão ou separatismo de uma região, contra um governo central. Exemplos: Guerra da Secessão Americana (1861-1865), Guerra de Biafra (1967),Guerra dos Farrapos, Guerra separatista em Cabinda, Guerra de Dissolução da Iugoslávia, e, mais recentemente, a Guerra do Kosovo. Atualmente, existem guerrilhas separatistas em confronto militar contra governos estabelecidos, em lugares como o sul da Nigéria e o Sudão.[12][13][14] Embora exista um movimento separatista na Bolívia (ver: Nação Camba), este nunca teve sucesso em deflagrar um conflito armado civil no país, embora alguns analistas considerem este cenário como possível[9][15]
  • Guerra de libertação nacional ou independência- Travadas com objetivo político claro de libertar um território ocupado por uma potência estrangeira ou colonizado por uma metrópole. As principais guerras deste tipo opuseram exércitos asiáticos e africanos a exércitos europeus entre meados do século XIX e o século XX. Guerras de Resistência, também pode ser consideradas um subtipo das Guerras de Libertação Nacional, nos casos de países invadidos e ocupados por potências estrangeiras. Ex: Guerra da Independência dos Estados Unidos, Guerra Colonial Portuguesa
  • Guerra nupcial, de encadeamento ou vingança - caracteriza-se por compreender uma nação inteira sob o objetivo de vencer uma guerra emocional e psicologicamente envolvida em um objetivo beligerante, nascido de confrontos muitas vezes de natureza histórica ou sociológica. Envolve a totalidade dos esforços bélicos, ideológicos, comercial etc., e inclui, necessariamente, um elenco subjetivo cultural, histórico e antropológico, nascido de disputas políticas anteriores, bem como necessariamente um líder constituído para tal fim que incorpora tal espírito beligerante de um povo historicamente ofendido e com ódio de classes ou culturas ou religiões, tudo concatenado e encadeado num momento histórico, como se fosse uma grade panela de pressão que explodisse. Por exemplo: a Alemanha Nazi de Adolf Hitler, a Itália de Benito Mussolini e o Japão, nações do chamado Eixo, de mesmo foco político, que queriam transformar o mundo, durante a Segunda Guerra Mundial, que queriam encadear outros teatros de guerra, nas palavras de Winston Churchill.

Modalidades de guerra segundo o tipo de armas estratégicas utilizadas

  • Guerra de Corsário- é a guerra mais antiga conhecida, de preservação de soberania, que a Armada e/ou Exército chineses desenvolveram contra os invasores de seus territórios depois da Unificação da China.
  • Guerra nuclear ou Terror Atômico- também conhecida como "terrorismo estressante", em que foguetes de alcance mundial são utilizados para causar destruição total e irreversível no oponente. Seria um período específico da Guerra Fria, que vai de 1962 (período John F. Kennedy e Nikita Khrushchov com a Crise dos mísseis de Cuba) até à queda do muro de Berlim (1989). Jamais houve esse tipo de guerra na realidade, mas a ameaça do terror iminente, da espada de Dâmocles sobre a cabeça da humanidade, sempre existiu, de haver o fim do mundo, o que inspirou de fato e de direito a Guerra Fria entre EUA (seus satélites) e URSS (e seus satélites). A síntese desta modalidade de tensão estratégica foi a "Destruição Mútua Assegurada", ou "Mutual Assured Destruction" (MAD em inglês, que também significa "louco" ou "estressante"). Esta lógica garantiria que, se um lado atacasse, o outro responderia com força total, e ambos acabariam destruídos. Outra forma de Terro Atômico foi uma estratégia proposta pelos Estados Unidos: em último caso, atacar preventivamente alguns pontos estratégicos do inimigo, de forma a neutralizar uma possível reação nuclear deste. Esta seria conhecida como "Estratégia de Alvos de Uso Nuclear", ou "Nuclear Utilization Target Strategies" (ou apenas NUTS, em inglês "maluco").[16][17][18][19]
  • Guerra biológica- envolve como tática de guerra o uso de agentes biológicos nocivos (vírus, bactérias, doenças etc). É possível considerar que o uso de táticas deste tipo foram utilizadas de forma consciente ou inconsciente pelos atacantes em diversos momentos da história da humanidade, conforme descrito por Jared Diamond em seu livro Armas, Germes e Aço. A conquista da América teria inaugurado a guerra biológica em larga escala, pois os europeus trouxeram consigo doenças que dizimavam as populações nativas das Américas. No século XX armas biológicas foram intensamente utilizadas durante a Segunda Guerra Mundial, pelas forças japonesas que atacavam a China e durante a Guerra da Coreia. O governo socialista de Cuba sempre acusou os EUA de pulverizarem pragas sobre suas plantações. Segundo diversas fontes do Pentágono, hoje forças políticas beligerantes, incluindo terroristas, utilizam-se dessa modalidade de guerra, no envio de cartas e objetos pelo correio contaminados com agentes patogênicos, como nos episódios ocorridos nos EUA logo após o ataque às torres gêmeas em 11 de setembro de 2001.
  • Guerra química - que envolve o uso de armas químicas. Esta modalidade de armas foi utilizada de forma ampla pela primeira vez na I Guerra Mundial de 1914 a 1918 e envolve a utilização de artefatos químicos, como gases venenosos como o mostarda, venenos ou napalm. Exemplos: Guerra Irã-Iraque, a Guerra do Vietnã.
  • Guerra Regular -Travada entre exércitos. Característica de Estados organizados e estáveis. Neste tipo de conflito geralmente existe a separação entre civis e soldados, assim como a separação entre territórios. Por se tratar de um conflito entre Estados, algumas regras podem ser seguidas (tratamento de prisioneiros, respeito à população civil, etc). Obedece à doutrinas que se alteram de tempos em tempos.
  • Guerra Irregular - Travada entre um exército e uma guerrilha, ou entre guerrilhas. Não há campos de batalha definidos, uniformes ou divisões territoriais. Este modo de guerrear não oferece ao inimigo a “batalha decisiva”. A diferenciação entre civis e soldados torna-se mais difícil ou mesmo inexistente. Denúncias de abusos contra civis são habitualmente usados, pois ambos os lados precisam de apoio da população.
  • Guerra Simétrica - Guerra em que os oponentes apresentam equivalência técnica e numérica, bem como equivalência de meios e objetivos. Algumas guerras regulares encaixam-se neste perfil. Ex: Guerras Mundiais, Guerra Irã-Iraque, Guerra da Coreia.
  • Guerra Assimétrica - Guerra em que os oponentes apresentam diversas diferenças, tais como: nível de organização, objetivos, recursos financeiros, recursos militares, comportamento-obediência a regras. Em geral, são guerras irregulares (guerrilhas), insurrecionais ou entre potências e Estados pequenos. As ações do mais fraco são geralmente indiretas e visam desgastar o mais forte. Quando há vitória, esta geralmente não é militar, mas é alcançada pelo desgaste militar e político de um dos combatentes, em um nível que leva à desistência de lutar.[20] Diferem da Guerra Irregular por tratar-se de conflito entre nações, enquanto aquela trata de conflito entre combatentes de uma mesma nação. Já a Guerra Assimétrica pode chegar a uma forma de resistência a uma força adversa muito mais forte. Nela, reinará o estado da arte da guerra.
En otros idiomas
Afrikaans: Oorlog
Alemannisch: Krieg
አማርኛ: ጦርነት
aragonés: Guerra
العربية: حرب
ܐܪܡܝܐ: ܩܪܒܐ
مصرى: حرب
asturianu: Guerra
azərbaycanca: Müharibə
تۆرکجه: ساواش
башҡортса: Һуғыш
žemaitėška: Vaina
беларуская: Вайна
беларуская (тарашкевіца)‎: Вайна
български: Война
বাংলা: যুদ্ধ
བོད་ཡིག: དམག་འཁྲུག
brezhoneg: Brezel
bosanski: Rat
буряад: Дайн
català: Guerra
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Ciéng-cĕng
нохчийн: ТӀом
Cebuano: Gubat
Chamoru: Gera
کوردی: جەنگ
čeština: Válka
Чӑвашла: Вăрçă
Cymraeg: Rhyfel
dansk: Krig
Deutsch: Krieg
Ελληνικά: Πόλεμος
English: War
Esperanto: Milito
español: Guerra
eesti: Sõda
euskara: Gerra
estremeñu: Guerra
فارسی: جنگ
suomi: Sota
Võro: Sõda
français: Guerre
furlan: Vuere
Frysk: Oarloch
Gaeilge: Cogadh
贛語: 打仗
Gàidhlig: Cogadh
galego: Guerra
עברית: מלחמה
हिन्दी: युद्ध
Fiji Hindi: Yudh
hrvatski: Rat
Kreyòl ayisyen: Lagè
magyar: Háború
հայերեն: Պատերազմ
interlingua: Guerra
Bahasa Indonesia: Perang
Ilokano: Gubat
ГӀалгӀай: ТIом
íslenska: Stríð
italiano: Guerra
ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut: ᐊᑭᕋᖅᑑᑎᔪᑦ
日本語: 戦争
Patois: Waar
Basa Jawa: Perang
ქართული: ომი
Kabɩyɛ: You
Kongo: Vita
қазақша: Соғыс
ಕನ್ನಡ: ಯುದ್ಧ
한국어: 전쟁
къарачай-малкъар: Къазауат
Ripoarisch: Kreech
kurdî: Şer
коми: Тыш
Кыргызча: Согуш
Latina: Bellum
Lëtzebuergesch: Krich
Limburgs: Krieg
lumbaart: Guerra
lingála: Etumba
lietuvių: Karas
latviešu: Karš
Basa Banyumasan: Perang
олык марий: Сар
Baso Minangkabau: Parang
македонски: Војна
മലയാളം: യുദ്ധം
монгол: Дайн
मराठी: युद्ध
Bahasa Melayu: Peperangan
Mirandés: Guerra
မြန်မာဘာသာ: စစ်ပွဲ
эрзянь: Тюрема
Plattdüütsch: Krieg
Nedersaksies: Kraig
नेपाल भाषा: हताः
Nederlands: Oorlog
norsk nynorsk: Krig
norsk: Krig
Nouormand: Dgèrre
Chi-Chewa: Nkhondo
occitan: Guèrra
ਪੰਜਾਬੀ: ਜੰਗ
Deitsch: Grieg
polski: Wojna
Piemontèis: Guèra
پنجابی: لڑائی
پښتو: جگړه
Runa Simi: Maqanakuy
română: Război
armãneashti: Polimu
русский: Война
русиньскый: Война
संस्कृतम्: युद्धम्
саха тыла: Сэрии
sicilianu: Guerra
Scots: War
سنڌي: جنگ
srpskohrvatski / српскохрватски: Rat
සිංහල: යුද්ධ
Simple English: War
slovenčina: Vojna
slovenščina: Vojna
chiShona: Hondo
shqip: Lufta
српски / srpski: Рат
Basa Sunda: Bitotama
svenska: Krig
Kiswahili: Vita
தமிழ்: போர்
తెలుగు: యుద్ధం
тоҷикӣ: Ҷанг
Tagalog: Digmaan
Türkçe: Savaş
Xitsonga: Nyimpi
татарча/tatarça: Сугыш
українська: Війна
اردو: جنگ
oʻzbekcha/ўзбекча: Urush
vèneto: Guera
vepsän kel’: Soda
Tiếng Việt: Chiến tranh
walon: Guere
Winaray: Gerá
吴语: 打仗
isiXhosa: Imfazwe
მარგალური: ლჷმა
ייִדיש: מלחמה
Yorùbá: Ogun
中文: 战争
Bân-lâm-gú: Chiàn-cheng
粵語: 打仗