Friedrich Ratzel

Friedrich Ratzel
Nascimento30 de agosto de 1844
Karlsruhe, Karlsruhe
Morte09 de agosto de 1904 (59 anos)
Ammerland, Baixa Saxônia
NacionalidadeAlemanha alemão
OcupaçãoGeógrafo e etnólogo

Friedrich Ratzel (Karlsruhe, 30 de agosto de 1844Ammerland, 9 de agosto de 1904) foi um geógrafo e etnólogo alemão, notável por ter criado o termo Lebensraum ("espaço vital").

Determinismo ambiental

O historiador alemão era um grande mestre que Lucien Febvre considerou Ratzel como determinista geográfico; porém, suas críticas desqualificaram o geógrafo alemão quase sem contribuir construtivamente para a ciência geográfica.[1] De fato, Ratzel deixou bem claro no início do seu livro Antropogeografia que seria contra o determinismo simplista.[2][3] Já na Antiguidade procurava-se explicar as diferenças entre os povos com base em raciocínios deterministas acerca das influências naturais sobre a fisiologia humana, sobre o “caráter” de cada povo ou ainda sobre as formas de organização política.

A ideia popular de que certos grupos nacionais ou regionais seriam preguiçosos devido aos efeitos do clima quente sobre a disposição física das pessoas exemplifica esse tipo de raciocínio, pois expressa uma relação direta de causa e efeito entre clima e comportamento. Em Ratzel, porém, a adaptação do homem ao ambiente é entendida sob a ótica da utilização de recursos naturais para a reprodução dos elementos materiais da cultura, o que muda completamente o sentido da interpretação. Esse autor entendia que o ambiente interfere no desenvolvimento de uma sociedade na medida em que pode oferecer melhor ou pior acesso aos recursos, atuando assim como estímulo ou obstáculo ao progresso. As leis que governam a história humana são produtos de um processo dinâmico e permanente de adaptação ao ambiente, e não um resultado direto da ação de fatores naturais, como o clima ou o relevo, sobre os homens[4].

Com respeito à obra Geografia Política, muito "mais do que uma crítica "possibilista" ao "determinismo" de Ratzel, nos termos simplistas de Lucien Febvre, trata-se de uma perspectiva epistemológica ampla, que defende a não fragmentação da Geografia, nem em termos de valorização de ramos específicos (seja a geografia física, seja a geografia política), nem em termos de ênfase a uma escala prioritária (como a do Estado)."[5]. Esse e outros estudos de Ratzel sobre o tema das relações entre espaço e poder deram origem à geografia política como ramo de estudos da geografia e também da ciência política.

En otros idiomas