Fausto Delhuyar

Fausto Delhuyar
Conhecido(a) porTungstênio
Nascimento11 de outubro de 1755
Logroño
Morte6 de fevereiro de 1833 (77 anos)
Madrid
NacionalidadeEspanhol
Campo(s)Química, mineralogia

Fausto Fermín Delhuyar (ou Fausto Fermín de Elhuyar) (11 de outubro de 1755 – 6 de fevereiro de 1833) foi um químico espanhol, e co-descobridor do tungsténio com o seu irmão Juan José Delhuyar em 1783. Fausto Delhuyar tinha a seu cargo, por indicação do Rei de Espanha, a organização da Escola de Minas na Cidade do México e portanto foi responsável pela construção de uma jóia arquitetónica conhecida como Palácio de Minería. Delhuyar abandonou o México na sequência da Guerra da Independência do México, quando a maioria dos residentes espanhóis no México foi expulsada.

Biografia

Nasceu em Logroño (La Rioja) filho de pais franceses oriundos de Hasparren, França, e faleceu em Madrid, Espanha.

Entre 1773 e 1777, Delhuyar estudou medicina, cirurgia e química, bem como matemática, física e história natural com o seu irmão Juan José Delhuyar em Paris. Após a sua graduação, regressou à Espanha, onde se exercitou no estudo da mineralogia, especialmente a do País Basco e Navarra, onde residia. Em 1781 foi nomeado membro da Real Sociedad Bascongada de Amigos del Pais, uma instituição iluminista graças à qual começou a ensinar como professor de mineralogia e metalurgia em Bergara, sede tanto da Sociedad Bascongada como da Universidade de Bergara (atualmente fundida com a Universidade do País Basco). Durante estes anos, começou a publicar numerosos artigos e dossiês sobre minerais, os seus modos de extração e purificação, etc., os quais o fizeram famoso por toda a Europa como um dos principais peritos sobre estas questões. Começou a trabalhar no Laboratorium Chemicum de Bergara juntamente com François Chavaneau, com o qual seria o primeiro a purificar a platina. No outono de 1780, após vários meses, foi o primeiro a descobrir e isolar o tungsténio, descoberta que lhe é creditada em conjunto com o seu irmão Juan José. Colaborou também com Joseph Louis Proust, o famoso químico francês ao serviço do rei Carlos IV da Espanha, o qual dirigia o Laboratorio Nacional em Segóvia.

Em 1783, visitou várias universidades europeias, como a Escola de Minas de Freiberga, na qual deu palestras sobre metalurgia e maquinaria mineira; a Universidade de Uppsala, onde colaborou com Torbern Olof Bergman; e Köping, onde visitou Carl Wilhelm Scheele, o qual anunciou a descoberta do tungsténio por Delhuyar, embora seja por alguma razão ele mesmo creditado por esta.

Após o seu regresso à Espanha, em 1785 renunciou à sua posição de professor e, em julho de 1786, foi nomeado Diretor-Geral de Minas no México.Antes partir para o seu novo trabalho, viajou novamente pela Europa entre 1786 e 1788, para estudar o método de Born para a refinação da prata. Durante esta viagem, casou com Joan Raab em Viena, em 1787. Durante os trinta e três anos seguintes viveria na Cidade do México, onde fundou a Escola de Minas local (1 de janeiro de 1792), e adjudicou dirigiu a construção da sede daquela instituição, o Palácio de Minería na Cidade do México, cuja construção foi terminada em 1813 e que é considerado uma das jóias do neoclassicismo americano. Também visitou e melhorou várias das Minas Reais existentes, aumentado dramaticamente a sua produtividade com a introdução de novos métodos de exploração.

Após a independência do México, regressou à Espanha, onde, devido à sua larga experiência e conhecimento dos métodos mineiros modernos, foi nomeado Ministro das Minas em 1822, e supervisionou a mineração moderna nas minas de Almadén, Guadalcanal e Rio Tinto. Após a sua saída do ministério, foi novamente nomeado Diretor-Geral de Minas, e retomou as suas atividades de investigação em química até à sua morte em Madrid, em 6 de janeiro de 1833.