Escola

Prédio escolar na Inglaterra, em 2007.

A escola (do grego scholé, através do termo latino schola) é uma instituição concebida para o ensino de alunos sob a direção de professores. [1] A maioria dos países tem sistemas formais de educação, que geralmente são obrigatórios. Nestes sistemas, os estudantes progridem através de uma série de níveis escolares e sucessivos. Os nomes para esses níveis nas escolas variam por país, mas geralmente incluem o ensino fundamental ( ensino básico) para crianças e o ensino médio ( ensino secundário) para os adolescentes que concluíram o fundamental. [2] Uma instituição onde o ensino superior é ensinado, é comumente chamada de faculdade ou universidade.

Além destas, os alunos também podem frequentar outras instituições escolares, antes e depois do ensino fundamental. A pré-escola fornece uma escolaridade básica para as crianças mais jovens. As profissionalizantes, faculdades ou seminários podem estar disponíveis antes, durante ou depois do ensino médio. A escola também pode ser dedicada a um campo particular, como uma escola de economia ou de música, por exemplo.

As escolas podem ser públicas ou particulares. Podem ser mistas, femininas ou masculinas. Podem ser colégios de aplicação. Podem ser exclusivas para crianças com necessidades especiais. Podem ser escolas religiosas. Escolas para adultos incluem instituições de alfabetização, de treinamento corporativo, militar e escolas de negócios.

Escola primária nas áreas liberadas pelo PAIGC, em Guiné-Bissau, em 1974.


História e Desenvolvimento das escolas

Missionários cristãos desempenharam um papel central na criação de escolas modernas na Índia. Foto de 2007.

O conceito de unir estudantes em um local separado para a aprendizagem existe desde a Antiguidade Clássica. O ensino fundamental existe provavelmente desde a Grécia antiga, Roma antiga, Índia antiga e China antiga. O Império Bizantino tinha um sistema de ensino criado a partir do nível primário. De acordo com Bentley (2006), a fundação do sistema de educação primária começou em 425 quando "... o pessoal militar geralmente tinha pelo menos o ensino primário ...". Apesar de Bizâncio ter perdido muito da grandiosidade da cultura romana, o Império enfatizou a eficiência nos seus manuais de guerra. O sistema de ensino bizantino continuou até o colapso do império em 1453. [3]

O Islã foi outra cultura que desenvolveu um sistema escolar, no sentido moderno da palavra. Na Europa, foi durante os séculos XIV e XV que ocorreu a expansão das escolas devido, em grande parte, aos esforços catequistas da Igreja na busca de fiéis. "(...) é preciso estudar a Bíblia para chegar a Deus, e as palavras da liturgia não toleram imprecisão. Cabe à Igreja atrair fiéis, que devem conhecer as preces e os preceitos.". Assim, os dois últimos séculos da Idade Média presenciam a expansão da escrita, tanto em latim quanto na língua vulgar. [4]

Local de eventos de uma escola municipal de Goiânia, em Goiás, no Brasil, em 2009.

Destinadas as crianças entre sete e quatorze anos, aos poucos a escola traz o livro do domínio eclesiástico e político para o uso quotidiano. Expande-se para os estabelecimentos comerciais (" livros de contas") e chega à zona rural nos contratos de venda ou locação, mesmo para posses pequenas. Também nas profissões, a escola exerce grande influência: frequentar a escola constitui uma prova de honradez, útil para conseguir um bom casamento, tornar-se administrador dos bens da paróquia ou magistrado municipal: scolae scalae ("a escola é uma escada"). [4]

Estas escolas eram presididas por um eclesiástico, scholasticus, subordinado ao bispado, daí o nome de escolástica dado à doutrina e à prática de ensino. Há uma forte demanda por elas, mais para moços, citadinos e mercadores do que para moças, camponeses e pequenos vendedores. Apesar do estímulo à formação de clérigos por Carlos Magno (768-814) e da referência às escolas em 1215 no Concílio de Latrão, não há uma estrutura escolar uniforme, como uma escola por paróquia. [4]

O magistério tem maior concentração nas regiões mais desenvolvidas. Os mosteiros beneditinos recebem rapazes e moças e os jovens pensionistas sempre se tornam monges. Os conventos e confrarias também podem manter escolas, assim como hospitais e orfanatos. Fundar, subvencionar e manter uma escola constitui um ato de misericórdia. A escola pode funcionar ainda, sobretudo na Itália, como empresa privada subvencionada pela comuna. Em uma escala mais reduzida, os mercadores ensinam, a seus aprendizes, as bases da escrita e do cálculo. [4]

A oferta assume várias formas, bem adaptada à demanda dos pais e inserida na continuidade da educação familiar, centrada na aprendizagem dos valores, na socialização e na aquisição de competências precisas. Este tipo de oferta tem seus inconvenientes: a flexibilidade de suas estruturas resulta em um funcionamento aleatório; se o pároco muda ou o mestre decide viajar, a escola para de funcionar. [4]

Na França, as escolas elementares só surgiram na segunda metade do século XIII, e se multiplicaram entre 1350 e 1450. As escolas rurais são relativamente bem conhecidas no norte, na Champanha e na Normandia, ou em toda região rica e urbanizada que tem muitos clérigos a formar e muitos monges para formá-los. No norte, em 1449, das 156 aldeias de Flandres, 152 possuem uma escola. Na zona rural, a escola raramente ensina a escrever: "saber ler é uma função intelectual valorizada, saber escrever é uma habilidade manual vagamente desprezada". Na cidade, há todos os tipos de escola (cursos em latim ou em língua vulgar), assim como todos os níveis de ensino. No norte, Lille e Saint-Omer possuem trinta escolas, quase uma por paróquia, e Douai possui sete escolas. Em Valenciennes, que conta com vinte escolas em 1337 e 49 em 1388, há, nessa data, 516 crianças (145 meninas) escolarizadas entre sete e dez anos. [4]

En otros idiomas
Acèh: Sikula
адыгабзэ: ЕджапӀэ
Afrikaans: Skool
Alemannisch: Schule
العربية: مدرسة
অসমীয়া: বিদ্যালয়
asturianu: Escuela
Aymar aru: Yatiña uta
azərbaycanca: Məktəb
تۆرکجه: مدرسه
башҡортса: Мәктәп
žemaitėška: Muokīkla
беларуская: Школа
български: Училище
Bahasa Banjar: Sakulah
བོད་ཡིག: སློབ་གྲྭ།
brezhoneg: Skol
bosanski: Škola
буряад: Һургуули
català: Escola
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Hŏk-hâu
Tsetsêhestâhese: Moxe'estonemaheo'o
کوردی: فێرگە
čeština: Škola
Чӑвашла: Шкул
dansk: Skole
Deutsch: Schule
Ελληνικά: Σχολείο
English: School
Esperanto: Lernejo
español: Escuela
eesti: Kool
euskara: Eskola
فارسی: مدرسه
suomi: Koulu
Võro: Kuul
français: École
Gaeilge: Scoil
galego: Escola
Avañe'ẽ: Mbo'ehao
עברית: בית ספר
हिन्दी: विद्यालय
hrvatski: Škola
Kreyòl ayisyen: Lekòl
magyar: Iskola
Հայերեն: Դպրոց
interlingua: Schola
Bahasa Indonesia: Sekolah
Ido: Skolo
íslenska: Skóli
italiano: Scuola
ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut: ᐃᓕᓐᓂᐊᕈᑎᒃᓴᓕᐅᕐᕕᒃ
日本語: 学校
ქართული: სკოლა
қазақша: Мектеп
ಕನ್ನಡ: ಶಾಲೆ
한국어: 학교
Kurdî: Dibistan
Кыргызча: Мектеп
Latina: Schola
Ladino: Eskola
Lëtzebuergesch: Schoul
lumbaart: Scöla
lingála: Etéyelo
lietuvių: Mokykla
latviešu: Skola
मैथिली: विद्यालय
Basa Banyumasan: Sekolah
македонски: Училиште
മലയാളം: വിദ്യാലയം
मराठी: शाळा
Bahasa Melayu: Sekolah
မြန်မာဘာသာ: ကျောင်း
Plattdüütsch: School
नेपाली: विद्यालय
norsk nynorsk: Skule
norsk: Skole
occitan: École
Livvinkarjala: Škola
ଓଡ଼ିଆ: ବିଦ୍ୟାଳୟ
ਪੰਜਾਬੀ: ਸਕੂਲ
پنجابی: سکول
پښتو: ښوونځی
Runa Simi: Yachay wasi
română: Școală
armãneashti: Sculii
русский: Школа
русиньскый: Школа
sicilianu: Scola
Scots: Schuil
سنڌي: مدرسو
sámegiella: Skuvla
srpskohrvatski / српскохрватски: Škola
සිංහල: පාසල්
Simple English: School
slovenčina: Škola
slovenščina: Šola
chiShona: Chikoro
shqip: Shkolla
српски / srpski: Школа
Basa Sunda: Sakola
svenska: Skola
Kiswahili: Shule
తెలుగు: పాఠశాల
тоҷикӣ: Мактаб
Türkmençe: Mekdep
Tagalog: Paaralan
Tok Pisin: Skul
Türkçe: Okul
тыва дыл: Школа
ئۇيغۇرچە / Uyghurche: Mektep
українська: Школа
اردو: مدرسہ
oʻzbekcha/ўзбекча: Maktab
vepsän kel’: Škol
Tiếng Việt: Trường học
West-Vlams: Schole
walon: Scole
Winaray: Iskwilahan
吴语: 学堂
მარგალური: სკოლა
ייִדיש: שולע
Zeêuws: Schole
中文: 学校
Bân-lâm-gú: Ha̍k-hāu
粵語: 學校