Ergonomia

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Ergonomia: a ciência de projetar o trabalho, os equipamentos e local de trabalho para adequá-los ao trabalhador.

História

O médico italiano Bernardino Ramazzini (1633-1714) foi o primeiro a escrever sobre doenças e lesões relacionadas ao trabalho, em sua publicação de 1700 De Morbis Artificum ("Doenças Ocupacionais"). Ramazzini foi discriminado por seus colegas médicos por visitar os locais de tra balho de seus pacientes a fim de identificar as causas de seus problemas. O termo ergonomia, derivado das palavras gregas ergon ("trabalho") e nomos ("lei natural") entrou para o léxico moderno quando Wojciech Jastrzębowski o usou em um artigo em 1857.

Em 1911, Frederick Taylor publicou seu livro " Princípios de Administração Científica", com uma abordagem que buscava a melhor maneira de executar um trabalho e suas tarefas. Mediante aumento e redução do tamanho e peso de uma pá de carvão, até que a melhor relação fosse alcançada, Taylor triplicou a quantidade de carvão que os trabalhadores podiam carregar num dia.

No início do anos 1900s, Frank Bunker Gilbreth e sua esposa Lilian expandiram os métodos de Taylor para desenvolver "Estudos de Tempos e Movimentos" o que ajudou a melhorar a eficiência, eliminando passos e ações desnecessárias. Ao aplicar tal abordagem, Gilbreth reduziu o número de movimentos no assentamento de tijolos de 18 para 4,5 permitindo que os operários aumentassem a taxa de 120 para 350 tijolos por hora.

A Segunda Guerra Mundial marcou o advento de máquinas e armas sofisticadas, criando demandas cognitivas jamais vistas antes por operadores de máquinas, em termos de tomada de decisão, atenção, análise situacional e coordenação entre mãos e olhos.

Foi observado que aeronaves em perfeito estado de funcionamento, conduzidas pelos melhores pilotos, ainda caíam. Em 1943, Alphonse Chapanis, um tenente no exército norte-americano, mostrou que o "erro do piloto" poderia ser muito reduzido quando controles mais lógicos e diferenciáveis substituíram os confusos projetos das cabines dos aviões.

Em 1949, K.F.H. Murrel, engenheiro inglês, começou a dar um conteúdo mais preciso a este termo, e fez o reconhecimento desta disciplina científica criando a primeira associação nacional de Ergonomia, a Ergonomic Research Society, que reunia fisiologistas, psicólogos e engenheiros que se interessavam pela adaptação do trabalho ao homem. E foi a partir daí que a Ergonomia se desenvolveu em outros países industrializados e em vias de desenvolvimento.

Nas décadas seguintes à guerra e até os dias atuais, a ergonomia continuou a desenvolver-se e a diversificar-se. A era espacial criou novos problemas de ergonomia tais como a ausência de gravidade e forças gravitacionais extremas. Até que ponto poderia este ambiente ser tolerado e que efeitos teria sobre a mente e o corpo? A era da informação chegou ao campo da interação homem-computador enquanto o crescimento da demanda e a competição entre bens de consumo e produtos eletrônicos resultou em mais empresas levando em conta fatores ergonômicos no projeto de produtos.

O termo Ergonomia foi adotado nos principais países europeus (a partir de 1950), onde se fundou em 1959 em Oxford, a Associação Internacional de Ergonomia (IEA – International Ergonomics Association), e foi em 1961 que esta associação realizou o seu primeiro congresso em Estocolmo, na Suécia [1]. Nos Estados Unidos foi criada a Human Factors Society em 1957, e até hoje o termo mais frequente naquele país continua a ser Human Factors & Ergonomics ("Fatores Humanos e Ergonomia") ou simplesmente Human Factors, embora Ergonomia tenha sido aceita como sinônimo desde a década de 80. Isto ocorreu porque no princípio a Ergonomia tratava apenas dos aspectos físicos da atividade de trabalho e alguns estudiosos cunharam a expressão "Fatores Humanos" de forma a incorporar os aspectos organizacionais e cognitivos presentes nas atividades de trabalho humano. Além disso, existe um obstáculo profissional que envolve a questão, já que somente engenheiros podem ser human factors engineers ("engenheiros de fatores humanos)". Esses profissionais temem perder mercado ao aceitar uma associação mais efetiva com ergonomistas, preferindo assim continuar associados à HFES (Human Factors and Ergonomics Society) mais diretamente relacionada à engenharia.

En otros idiomas
العربية: عوامل بشرية
azərbaycanca: Erqonomika
български: Ергономия
bosanski: Ergonomija
català: Ergonomia
čeština: Ergonomie
dansk: Ergonomi
Deutsch: Ergonomie
Ελληνικά: Εργονομία
Esperanto: Ergonomio
español: Ergonomía
euskara: Ergonomia
فارسی: ارگونومی
suomi: Ergonomia
français: Ergonomie
galego: Ergonomía
עברית: ארגונומיה
hrvatski: Ergonomija
magyar: Ergonómia
հայերեն: Էրգոնոմիկա
Bahasa Indonesia: Ergonomika
italiano: Ergonomia
日本語: 人間工学
ქართული: ერგონომიკა
қазақша: Эргономика
한국어: 인간공학
lietuvių: Ergonomika
latviešu: Ergonomika
Nederlands: Ergonomie
norsk nynorsk: Ergonomi
norsk: Ergonomi
polski: Ergonomia
română: Ergonomie
русский: Эргономика
srpskohrvatski / српскохрватски: Ergonomija
slovenčina: Ergonómia
slovenščina: Ergonomija
српски / srpski: Ергономија
svenska: Ergonomi
Tagalog: Ergonomiya
Türkçe: Ergonomi
українська: Ергономіка
oʻzbekcha/ўзбекча: Ergonomika
Tiếng Việt: Công thái học
Winaray: Ergonomiya