Ejaculação

Ejaculação é a ação física pela qual ocorre a liberação de esperma. Usualmente ocorre pelo estímulo durante o ato sexual ou masturbação, ou involuntariamente, como na polução noturna. Geralmente vem acompanhada de intensa sensação de prazer, o orgasmo. O processo se inicia com contrações involuntárias dos músculos do epidídimo, ductos deferentes, vesícula seminal e próstata, que liberam fluidos que são conduzidos para a parte posterior da uretra. Então, contrações involuntárias e rítmicas dos músculos pélvicos dão propulsão ao sêmen, que passa através da uretra e deixa o pênis. Tipicamente após a ejaculação ocorre o período refratário, ao longo do qual não há resposta a estímulos sexuais e, portanto, não pode ocorrer outra ejaculação.

O problema mais comum relacionados à ejaculação é a ejaculação precoce, que geralmente traz insatisfação durante o ato sexual. Outros problemas incluem a ejaculação retardada, em que o indivíduo leva muito tempo para liberar o sêmen, ou mesmo a anejaculação, no qual o indivíduo não é capaz de chegar à ejaculação. Ejaculação retrógrada acontece quando ocorre a entrada de fluido seminal para a bexiga. [1]

Fisiologia

Ejaculação é a ação física em que ocorre a liberação de sêmen do aparelho reprodutor masculino. O orgasmo, por outro lado, é a intensa sensação de prazer que frequentemente acompanha a ejaculação. Tipicamente os indivíduos ejaculam pela primeira vez quando possuem idade entre onze e quinze anos, através de uma polução noturna ou masturbação. [2] Contudo, as primeiras ejaculações possuem quantidade reduzida de espermatozoides. Somente um ou dois anos após a primeira ejaculação que o sêmen adquire as características de um indivíduo adulto. [3]

A ejaculação é dividida em duas fases principais, a emissão e a expulsão de sêmen. Cada uma provém da ação de diferentes estruturas anatômicas. O epidídimo, ductos deferentes, vesículas seminais, glândulas prostáticas, uretra prostática e o colo da bexiga participam na etapa de emissão enquanto que a uretra e os músculos pélvicos participam na expulsão. [4]

O pênis não necessariamente precisa estar ereto para que haja ejaculação ou orgasmo. [5] Homens podem, ainda, atingir a ejaculação e o orgasmo sem o estímulo do pênis. Os casos mais frequentes ocorrem durante a polução noturna. Pode ainda ocorrer o orgasmo sem a expulsão de fluido ejaculatório, ou sua expulsão sem a ocorrência de orgasmo. A ejaculação pode ser prevenida a partir de diversas condições, como aquelas que afetam o sistema genital, como a prostatectomia, condições psiquiátricas, como o transtorno obsessivo compulsivo, e psicossexuais, além do efeito colateral de alguns medicamentos, como Inibidor seletivo de recaptação de serotonina. A ejaculação sem orgasmo ocorre em casos extremos de ejaculação precoce, além de situações psicológicas como excitação exacerbada. É possível ainda separar voluntariamente o orgasmo e a ejaculação, através do conhecimento do ponto de inevitabilidade, prolongando e intensificando o prazer sexual. [6]

Usualmente, logo após ser atingido um estado de excitação e o pênis estar ereto, a glândula bulbouretral, ou glândula de Cowper, passa a produzir um fluido incolor e viscoso, o fluido pré-ejaculatório, cuja função é neutralizar a acidez da urina remanescente na uretra e assim garantir a qualidade do sêmen que será expulso. [7]

Anatomia do sistema genital masculino.

Emissão

A emissão é provocada pela contração dos músculos em diversos componentes do sistema genital masculino, nas cápsulas dos testículos, na vesícula seminal, na próstata e nos ductos do epidídimo e dos ductos deferentes. Estes últimos se contraem como uma unidade por toda sua extensão, enquanto que as vesículas seminais se contraem em movimentos peristálticos, liberando e conduzindo os fluidos ejaculatórios. [8] Estas contrações involuntárias são ativadas pelo estímulo à divisão simpática do sistema nervoso autônomo, através do nervo pudendo, como resultado do estímulo erótico dos genitais ou do cérebro. [9] [10] Nesta etapa, a próstata, o epidídimo e os ductos deferentes liberam os fluidos seminais e os espermatozoides. [11] Estes são depositados na parte posterior da uretra. Esta etapa precede a liberação do sêmen em até dois segundos, e quando acontece não é mais possível evitar a ejaculação. [12]

Expulsão

A contração do esfíncter interno previne a entrada de sêmen na bexiga. Durante o orgasmo, os músculos da região pélvica, como o Músculo bulbocavernoso e bulboesponjoso passam a se contrair de forma rítmica e involuntária. O esfíncter externo abre e fecha de forma coordenada com as contrações, o que faz com que o sêmen ganhe propulsão através da uretra, liberando-o. [13] Estas contrações se repetem por várias vezes, liberando sucessivos jorros de sêmen durante alguns segundos. [14] Estas contrações musculares são também reflexos do sistema nervoso simpático, sendo, portanto, involuntárias. Acredita-se que as contrações rítmicas dos músculos pélvicos sejam iniciadas pela presença de sêmen na parte posterior da uretra. [15]

Quatro quadros, cada um mostrando o pênis ereto ejetando o sêmen, um fluido branco.
Esperma sendo ejetado.

Existe uma grande variabilidade no volume de sêmen produzido na ejaculação, com a média variando entre 1,5 e 6,6 mililitros. 3,5 mililitros é a média de um adulto sem ejacular por alguns dias, enquanto que 13 mililitros já foram registrados durante um longo período de abstinência. Portanto, o volume relaciona-se com a frequência de ejaculações, além de existir uma relação direta com fatores genéticos. [16] Em geral o sêmen possui entre duzentos e quatrocentos milhões de espermatozoides. Contudo a maior parte do volume do sêmen é produzido pela vesícula seminal, responsável pelo aspecto espesso e leitoso do fluido, de coloração esbranquiçada ou amarelada. [17]

Em função da pressão com que o sêmen deixa a uretra, este é arremessado por uma distância que depende de diversos fatores, como o tempo transcorrido desde a última ejaculação, a idade e fatores genéticos. Com três dias de abstinência, o sêmen pode ser ejetado a até um metro de distância ou mais. [18]

Período refratário

Após a ejaculação, a maior parte dos homens não respondem mais a estímulos sexuais, o que é chamando de período refratário, no qual não é possível ejacular novamente ou atingir o orgasmo. Em jovens este período dura somente alguns minutos, enquanto que para homens mais velhos pode levar algumas horas. Alguns poucos homens, entretanto, conseguem atingir vários orgasmos sucessivos e aparentemente não possuem período refratário, mesmo que não haja ejaculação. Esta inibição da resposta sexual tem um claro benefício reprodutivo, uma vez que se a ejaculação ocorrer com muita frequência, a quantidade de esperma tende a diminuir, diminuindo portanto a fertilidade. [19]

En otros idiomas
Afrikaans: Ejakulasie
Alemannisch: Ejakulation
العربية: قذف (أحياء)
تۆرکجه: بوشالما
беларуская: Эякуляцыя
беларуская (тарашкевіца)‎: Эякуляцыя
български: Еякулация
bosanski: Ejakulacija
català: Ejaculació
Cebuano: Ejaculation
čeština: Ejakulace
Cymraeg: Alldafliad
dansk: Udløsning
Deutsch: Samenerguss
English: Ejaculation
Esperanto: Ejakulo
español: Eyaculación
euskara: Isurtze
فارسی: انزال
français: Éjaculation
galego: Exaculación
ગુજરાતી: વીર્ય સ્ખલન
עברית: שפיכה
hrvatski: Ejakulacija
magyar: Magömlés
Հայերեն: Էյակուլյացիա
Bahasa Indonesia: Ejakulasi
íslenska: Sáðlát
italiano: Eiaculazione
日本語: 射精
Basa Jawa: Éjakulasi
қазақша: Эякуляция
lietuvių: Ejakuliacija
latviešu: Ejakulācija
македонски: Ејакулација
മലയാളം: സ്ഖലനം
Bahasa Melayu: Pemancutan mani
မြန်မာဘာသာ: သုက်ပန်းခြင်း
Nederlands: Ejaculatie
polski: Ejakulacja
Runa Simi: Yuma hich'ay
română: Ejaculare
русский: Эякуляция
srpskohrvatski / српскохрватски: Ejakulacija
Simple English: Ejaculation
slovenčina: Ejakulácia
Soomaaliga: Biyo-bax
shqip: Ejakulimi
српски / srpski: Ејакулација
తెలుగు: స్ఖలనం
Türkçe: Boşalma
Tiếng Việt: Xuất tinh
中文: 射精
粵語: 射精