Eduardo Galeano

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Eduardo Galeano
Eduardo Galeano na Feira do Livro de Madri de 2008.
Nome completoEduardo Hughes Galeano
Nascimento3 de setembro de 1940
Montevidéu, Uruguai
Morte13 de abril de 2015 (74 anos)
Montevidéu, Uruguai
Nacionalidadeuruguaio
CônjugeHelena Villagra
OcupaçãoJornalista e escritor
PrémiosPrémio Casa de las Américas (2011)
Magnum opusAs Veias Abertas da América Latina

Eduardo Hughes Galeano (Montevidéu, 3 de setembro de 1940 – Montevidéu, 13 de abril de 2015) foi um jornalista e escritor uruguaio.[1] É autor de mais de quarenta livros, que já foram traduzidos em diversos idiomas. Suas obras transcendem gêneros ortodoxos, combinando ficção, jornalismo, análise política e História.

Biografia

Galeano nasceu em 3 de setembro de 1940 em Montevidéu, primeiro dos três filhos de Eduardo Hughes Roosen e de Licia Esther Galeano Muñoz, uma família católica de classe média. A família Hughes, paterna, era composta de descendentes da elite rural Uruguaia, embora já muito distante de suas glórias passadas, vivendo como trabalhadores urbanos. Na infância, Galeano tinha como certo que se tornaria padre, devido a importância da fé católica em sua vida. Todavia, perdeu a religiosidade aos treze anos de idade, quando afirmou ter perdido Deus. o sonho de se tornar um jogador de futebol; esse desejo é retratado em algumas de suas obras, como O futebol ao sol e à sombra (1995). Na adolescência, Galeano trabalhou em empregos nada usuais, como pintor de letreiros, mensageiro, datilógrafo e caixa de banco. Aos 14, vendeu sua primeira charge política para o jornal El Sol, do Partido Socialista.

Galeano iniciou sua carreira jornalística no início da década de 1960 como editor do Marcha, influente jornal semanal que tinha como colaboradores Mario Vargas Llosa e Mario Benedetti. Foi também editor do diário Época e editor-chefe do jornal universitário por dois anos. Em 1971 escreveu sua obra-prima As Veias Abertas da América Latina.

Em 1973, com o golpe militar do Uruguai, Galeano foi preso e mais tarde seu nome foi colocado na lista dos esquadrões da morte e, temendo por sua vida, exilou-se na Espanha, onde deu início à trilogia Memória do Fogo. Em 1985, com a redemocratização de seu país, Galeano retornou a Montevidéu, onde viveu até sua morte, em 2015.

Em princípios de 2007 Galeano caiu seriamente doente, mas recuperou-se, após uma bem-sucedida cirurgia em Montevidéu.

Galeano foi internado dia 10 de abril e morreu próximo das 9h em 13 de abril de 2015, em Montevidéu, de câncer no mediastino, após o tumor provocar metástase.[2][3]

En otros idiomas
aragonés: Eduardo Galeano
asturianu: Eduardo Galeano
Aymar aru: Eduardo Galeano
azərbaycanca: Eduardo Qaleano
Boarisch: Eduardo Galeano
čeština: Eduardo Galeano
Esperanto: Eduardo Galeano
español: Eduardo Galeano
français: Eduardo Galeano
Avañe'ẽ: Eduardo Galeano
Kreyòl ayisyen: Eduardo Galeano
italiano: Eduardo Galeano
Lëtzebuergesch: Eduardo Galeano
lietuvių: Eduardo Galeano
Nāhuatl: Eduardo Galeano
Nederlands: Eduardo Galeano
norsk nynorsk: Eduardo Galeano
Runa Simi: Eduardo Galeano
română: Eduardo Galeano
Simple English: Eduardo Galeano
Türkçe: Eduardo Galeano
українська: Едуардо Галеано
Volapük: Eduardo Galeano