Déjà vu

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Novembro de 2010). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde março de 2017). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e a coerência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Déjà Vu, veja Déjà Vu (desambiguação).

Déjà vu é um galicismo que descreve a reação psicológica da transmissão de ideias de que já se esteve naquele lugar antes, já se viu aquelas pessoas, ou outro elemento externo [carece de fontes?]. O termo é uma expressão da língua francesa que significa: "Eu já vi”.

Definição

Déjà vu pode-se descrever como uma sensação desencadeada por um fato presente que faz com que quem o sofra lhe pareça estranhamente que já presenciara aquela específica situação, quando, em verdade, não o fizera. Sabe-se que nossa memória às vezes pode falhar; nem sempre consegue-se distinguir o que é novo do que já era conhecido. Eu já li este livro? Já assisti a este filme? Já estive neste lugar antes? Conheço esse sujeito? - essas são perguntas corriqueiras de nossa vida. No entanto, essas dúvidas não são acompanhadas daquele sentimento de estranheza que é indispensável ao verdadeiro déjà vu. Eu posso até me sentir um pouco confuso, ou indeciso, ou triste por sentir que minha memória já não tem a limpidez de outros tempos, mas isso é natural; o sentimento associado ao déjà vu clássico não é o de confusão ou de dúvida, mas sim o de estranheza. Não há nada de estranho em não lembrar de um livro que se leu ou de um filme a que se assistiu; estranho (e aqui entra-se no déjà vu) é sentir que a cena que parece familiar não deveria sê-lo. Tem-se a sensação esquisita de estar revivendo alguma experiência passada, sabendo que é materialmente impossível que ela tenha algum dia ocorrido. Em psiquiatria o termo é utilizado para ilustrar pacientes que repetem comportamentos compulsivamente Transtorno Obsessivo Compulsivo, na tentativa de sentir novamente as mesmas sensações já experimentadas.[1] Mas, o que é mais intrigante nesta questão é o fato do indivíduo poder, nestas circunstâncias, experimentar esta estranha sensação de já ter vivenciado o que lhe ocorre, e além disso, também poder relatar (antes de uma observação) quais serão os acontecimentos seguintes que se manifestarão nesta sua experiência.[2]

No entanto, sabe-se que o uso pode mudar o significado das palavras, seja para ampliá-lo, seja para restringi-lo. Embora se possa lamentar algumas dessas mudanças (nos casos em que se gostasse mais do significado primitivo, originário), é preciso ver, nesse processo de mutação semântica, um fator extremamente benéfico e enriquecedor do idioma. Colocando em termos bem concretos: os dicionários engrossam não apenas pelos novos vocábulos que entram no léxico, mas também (e principalmente) pelos novos significados que são acrescidos aos verbetes já existentes. Quando a expressão déjà vu saiu das publicações especializadas em neurologia e psicologia para entrar na imprensa comum, o público, atraído por sua tradução literal ("já visto"), passou a usá-la para designar aquelas situações em que a pessoa tem a sensação de estar vivenciando algo que lhe parece familiar. Pode parecer ironia, mas a expressão que a linguagem técnica associa à estranheza passou, na linguagem usual, a indicar familiaridade. É nesse sentido que escreveu um conhecido comentarista político: "Assistir à instalação na nova CPI trouxe-me uma triste sensação de déjà vu" -, um lamento que equivale à forma popular "eu já vi esse filme".

Os especialistas reagem contra a limitação do "vu", que restringiria ao mundo do que pode ser "visto", e já soltaram por aí formas paralelas que fariam referência mais específica aos vários tipos de situação: "déjà vécus" ("já vivido"), "déjà lu" ("já lido"), "déjà entendu" ("já ouvido"), "déjà visité" ("já visitado") - o que pode um dia acarretar um "déjà mangé" ("já comido") ou um "déjà bu" ("já bebido").[3]

En otros idiomas
azərbaycanca: Dejavu
български: Дежавю
বাংলা: দেজা ভু
bosanski: Déjà vu
català: Déjà vu
کوردی: دێژاڤوو
čeština: Déjà vu
dansk: Deja-vu
Deutsch: Déjà-vu
Ελληνικά: Προμνησία
English: Déjà vu
Esperanto: Déjà vu
español: Déjà vu
eesti: Déjà-vu
euskara: Déjà vu
suomi: Déjà-vu
français: Déjà-vu
ગુજરાતી: ડેઝા વુ
עברית: דז'ה וו
hrvatski: Déjà-vu
magyar: Déjà vu
Bahasa Indonesia: Déjà vu
íslenska: Déjà vu
italiano: Déjà vu
日本語: 既視感
ქართული: დეჟავიუ
қазақша: Дежавю
한국어: 기시감
kurdî: Dejavû
lietuvių: Déjà vu
македонски: Дежа ви
Bahasa Melayu: Déjà vu
Nederlands: Déjà vu
norsk nynorsk: Déjà vu
norsk: Déjà vu
ਪੰਜਾਬੀ: ਦੇਜਾ ਵੂ
polski: Déjà vu
Piemontèis: Già s-ciairà
русский: Дежавю
Scots: Déjà vu
shqip: Deja Vu
српски / srpski: Дежа ви
svenska: Déjà vu
Türkçe: Déjà vu
українська: Дежавю
vèneto: Déjà vu
vepsän kel’: Dežavü
Tiếng Việt: Déjà vu
中文: 既視感