Cultura da Albânia

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2009). Por favor, referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Teatro

A Albânia é uma nação balcânica que foi governada pelo regime socialista de Enver Hoxha durante a maior parte da segunda metade do século XX. Mesmo antes do início do regime de Hoxha, a Albânia foi por muito tempo controlada pelo Império Otomano e por outras potências, o que gerou uma boa diversidade de influências, algo comum na muito fragmentada região balcânica. Os albaneses (tanto os da Albânia como os albaneses étnicos da região sérvia do Kosovo) são geralmente divididos em três grupos: os Ghegs, do norte, e os Labs e Tosks, do sul. A influência turca é mais forte na região em torno da capital, Tirana, ao passo que Shkodër é vista há muito tempo como o centro do desenvolvimento musical da Albânia.

Desde sempre, a música é um meio potente de expressão nacional para os albaneses. Sob o regime de Hoxha, esta expressão foi canalizada para canções de devoção patriótica ao partido, mas desde a democratização, em 1991, as letras viraram-se para tradições há muito suprimidas, tais como o kurbet (a busca de trabalho fora da Albânia), e para o apoio aos vários partidos políticos, candidatos e ideias. Também surgiram músicos pop, banidos durante o regime socialista.

A música folcolórica foi até certo ponto encorajada pelo governo socialista, que promovia um festival musical quinquenal em Gjirokastër, muito embora os músicos devessem expressar frequentemente o seu apoio aos líderes do partido. Após a queda do socialismo, A Radiotelevisão Albanesa lançou em 1995 um festival em Berat que ajudou a continuar as tradições musicais.

En otros idiomas
беларуская: Культура Албаніі
беларуская (тарашкевіца)‎: Культура Альбаніі
српски / srpski: Култура Албаније
українська: Культура Албанії