Concha

  • disambig grey.svg nota: para outros significados, veja concha (desambiguação).
    conchas de bivalves.

    a concha (do termo latino conchula, através de *concla), também chamada de itã, sambá e tambá, é um órgão rígido, muitas vezes externo, característico dos moluscos.[1] a morfologia da concha é uma das características usadas para classificar estes animais:

    • os bivalves, como o nome indica, têm uma concha formada por duas peças;
    • os gastrópodes, como os caracóis, têm geralmente uma concha assimétrica, muitas vezes desenhada em espiral; mas as lesmas podem ter um rudimento de concha interior;
    • os cefalópodes, como o choco, têm uma concha interna, mas o náutilo possui uma concha exterior.

    as conchas são formadas por nácar, uma mistura orgânica de camadas de bifes (uma escleroproteína), seguida de uma capa intermédia de calcite ou aragonite, e por último uma camada de carbonato de cálcio (caco3) cristalizado.

    o nácar é secretado por células ectodérmicas do manto de certas espécies de moluscos. o sangue dos moluscos é rico em uma forma líquida de cálcio, que se concentra fora do fluxo sanguíneo e se cristaliza como carbonato de cálcio. os cristais individuais de cada camada diferem na sua forma e orientação. o nácar deposita-se de forma contínua na superfície interna da concha do animal (a capa nacarada iridescente, também conhecida como madrepérola). estes processos proporcionam, ao molusco, um meio para alisar a própria concha e mecanismos de defesa contra organismos parasitas e dejectos prejudiciais.

    quando um molusco é invadido por um parasita ou é incomodado por um objecto estranho que o animal não pode expulsar, entra, em acção, um processo conhecido como enquistação, pelo meio do qual a entidade ofensiva é envolta, de forma progressiva, por camadas concêntricas de nácar. com o tempo, formam-se pérolas. a enquistação mantém-se até que o molusco morra.

    as conchas são muito duradouras: duram mais tempo que os animais de corpo mole que as produzem. em lugares onde se acumulam grandes quantidades de conchas, formam-se sedimentos que podem converter-se, por compressão, em calcário.

    alguns animais, como os paguros, aproveitam conchas abandonadas para as utilizarem como proteção de seus corpos moles.

    commons
    o commons possui imagens e outras mídias sobre concha

    referências

  • ligações externas

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Concha (desambiguação).
Conchas de bivalves.

A concha (do termo latino conchula, através de *concla), também chamada de itã, sambá e tambá, é um órgão rígido, muitas vezes externo, característico dos moluscos.[1] A morfologia da concha é uma das características usadas para classificar estes animais:

  • Os bivalves, como o nome indica, têm uma concha formada por duas peças;
  • Os gastrópodes, como os caracóis, têm geralmente uma concha assimétrica, muitas vezes desenhada em espiral; mas as lesmas podem ter um rudimento de concha interior;
  • Os cefalópodes, como o choco, têm uma concha interna, mas o náutilo possui uma concha exterior.

As conchas são formadas por nácar, uma mistura orgânica de camadas de bifes (uma escleroproteína), seguida de uma capa intermédia de calcite ou aragonite, e por último uma camada de carbonato de cálcio (CaCO3) cristalizado.

O nácar é secretado por células ectodérmicas do manto de certas espécies de moluscos. O sangue dos moluscos é rico em uma forma líquida de cálcio, que se concentra fora do fluxo sanguíneo e se cristaliza como carbonato de cálcio. Os cristais individuais de cada camada diferem na sua forma e orientação. O nácar deposita-se de forma contínua na superfície interna da concha do animal (a capa nacarada iridescente, também conhecida como madrepérola). Estes processos proporcionam, ao molusco, um meio para alisar a própria concha e mecanismos de defesa contra organismos parasitas e dejectos prejudiciais.

Quando um molusco é invadido por um parasita ou é incomodado por um objecto estranho que o animal não pode expulsar, entra, em acção, um processo conhecido como enquistação, pelo meio do qual a entidade ofensiva é envolta, de forma progressiva, por camadas concêntricas de nácar. Com o tempo, formam-se pérolas. A enquistação mantém-se até que o molusco morra.

As conchas são muito duradouras: duram mais tempo que os animais de corpo mole que as produzem. Em lugares onde se acumulam grandes quantidades de conchas, formam-se sedimentos que podem converter-se, por compressão, em calcário.

Alguns animais, como os paguros, aproveitam conchas abandonadas para as utilizarem como proteção de seus corpos moles.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Concha

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 446.

En otros idiomas
Afrikaans: Skulp
العربية: صدفة بحرية
беларуская: Ракавіна малюскаў
беларуская (тарашкевіца)‎: Ракавіна
български: Раковина
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Káe̤k-siŏh
ᏣᎳᎩ: ᎤᏯᏍᎦ
čeština: Schránka
Cymraeg: Cragen
dansk: Konkylie
Deutsch: Muschelschale
Ελληνικά: Κοχύλι
English: Seashell
Esperanto: Konko
español: Concha
eesti: Merikarp
euskara: Maskor
فارسی: صدف
Gaeilge: Sliogán
galego: Cuncha
हिन्दी: कौड़ी
Ido: Konko
italiano: Conchiglia
日本語: 貝殻
ქართული: ნიჟარა
Limburgs: Sjelp
lietuvių: Kriauklė
latviešu: Čaula
नेपाली: कौडा
Nederlands: Schelp
norsk: Konkylie
polski: Muszla
română: Scoică
русский: Раковина
संस्कृतम्: वराटिका
sicilianu: Cunchigghia
Scots: Seashell
Simple English: Shell (zoology)
Soomaaliga: Angalool
Tagalog: Kabibe
Türkçe: Denizkabuğu
українська: Черепашка
oʻzbekcha/ўзбекча: Chigʻanoq
vèneto: Capa
中文: 貝殼
粵語: 貝殼