Colonização italiana da América

Fernando I da Toscana quis colonizar um pequeno território ao norte do delta do Rio Amazonas, entre as possessões espanholas e portuguesas (mapa de 1574).

A Colonização italiana da América foi parecida com a alemã e esteve relacionada à tentativa colonizadora de Fernando I, Grão-Duque da Toscana, em 1608 no norte do Brasil, comandados pelo capitão Robert Thornton.

História

O Grão-Duque Fernando I de Médici fez a única tentativa Italiana de criar colônias na América.[1]

Para esse objetivo, o Grão-Duque organizou em 1608 uma expedição até o norte do Brasil, sob o comando do capitão inglês Thornton e com a supervisão de Sir Robert Dudley. A razão principal era desenvolver o comércio de madeira preciosa desde o Amazonas até a Itália do Renascimento, criando uma base colonial entre as possessões espanholas e portuguesas no norte atlântico da América do Sul.

Nei primi anni del Seicento Ferdinando I di Toscana valuta la possibilità di una colonia brasiliana.(Nos primeiros anos do século XVII Fernando I de Toscana considera a possibilidade de fazer uma colônia no Brasil.)[2]


Desafortunadamente, Thornton, em seu regresso da viagem preparativa em 1609 (esteve no Rio Amazonas), encontrou morto Fernando I e todo o projeto ficou anulado pelo sucessor Cosmo II.

O galeão "Santa Lucia" usado por Robert Thornton regressou com muita informação e material depois de ter feito escala na Trinidad e estava pronto para regressar à América do Sul com colonos originários de Livorno e Lucca.

Thornton, em sua viagem de quase um ano, estudou também a possibilidade de criar uma pequena colônia comercial na Guiana ou na bacia Amazônica do Brasil, explorando o Rio Amazonas e o Orinoco. O território que queria propor a Fernando I para colonizar era o da atual Guiana Francesa, ao redor de Caiena (que depois foi colonizado pelos franceses em 1630).