Chytridiomycota

Como ler uma infocaixa de taxonomiaChytridiomycota
Spizellomycete.jpg
Classificação científica
Domínio:Eukaryota
Reino:Fungi
Filo:Chytridiomycota
Hibbett et al. (2007)
Classes/Ordens
  • Chytridiomycetes
  • Chytridiales
  • Cladochytriales
  • Rhizophydiales
  • Polychytriales
  • Spizellomycetales
  • Rhizophlyctidales
  • Lobulomycetales
  • Gromochytriales
  • Mesochytriales
  • Synchytriales
  • Polyphagales
  • Hyaloraphidiomycetes
  • Hyaloraphidiales

O filo Chytridiomycota inclui organismos que são heterotróficos e que possuem paredes de quitinosas e uma nutrição por absorção. Neste grupo todas as espécies possuem um estágio zoospórico no seu ciclo de vida (Barr 1990).[1] Segundo James (2006) [2] este é o único filo de fungos verdadeiros que se reproduzem com esporos (zoósporos).

Este filo contém somente uma classe, Chytridiomycetes, sendo a única pertencente ao reino Fungi que produz células móveis. Com exceção as poucas espécies com células poliflageladas, as células móveis (zoósporos e gametas) destes organismos possuem um único flagelo tipo chicote, posteriormente inserido (Alexopoulos et al. 1996).[3]

Os fungos pertencentes a este filo são similares aos fungos superiores seja composição de suas paredes celulares, ou pela bioquímica de suas células, bem como pela análise seqüencial das subunidades ribossômicas. Sem se considerar aspectos bioquímicos ou moleculares, há espécies filamentosas entre os Chytridiomycota para justificar sua relação com os fungos superiores (Barr 1990, 1992). Outras características que possuem em comum com os outros fungos são: a estrutura cenocítica do talo e a conversão do zigoto em esporo ou esporângio de resistência, ou no desenvolvimento de talo diplóide. Possuem talo de desenvolvimento endógeno ou exógeno, holocárpico ou eucárpico, monocêntrico, policêntrico, rizoidal ou micelial; paredes celulares com quitina e glucanos; cristas mitocondriais achatadas; divisões intranucleares cêntricas; zoósporos sem mastigonemas ou escamas (flagelo tipo chicote), com um único sistema de raízes flagelares e algumas vezes rumposomos. Reprodução assexual por meio de zoósporos e, a sexual por copulação planogamética, copulação de gametângios ou somatogamia (Hawksworth et al. 1995,[4] Alexopoulos et al. 1996[3]).

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Chytridiomycota
  • ocorrência (habitats) e problemas causados pelo filo (parasitismo)
  • ciclo de vida

Ocorrência (Habitats) e Problemas causados pelo filo (Parasitismo)

Estes fungos estão presentes nos ecossistemas terrestres e aquáticos, vivendo saprobicamente ou parasitando algas, anfíbios, outros fungos, animais microscópicos e, plantas superiores[1] ocorrendo em habitats diversificados e exclusivos dos trópicos para as regiões árticas (Powell 1993[5]). Eles são encontrados em sistemas aquáticos tais como córregos, lagoas e estuarinas (ambiente aquático de transição entre um rio e o mar) e os ecossistemas marinhos, principalmente como parasitas de algas e componentes de plâncton. Talvez a maioria das espécies ocorrem em habitats terrestres (Barr 2001) tais como florestas, solos agrícolas e no deserto, também em turfeiras ácidas como saprófitas de substratos de refratários.

Algumas espécies poderão provocar a morte de anfíbios em larga escala. O processo, no entanto, é desconhecido. A infecção é denominada quitridiomicose. O declínio das populações de anfíbios levou à descoberta desta infecção em 1998, na Austrália e no Panamá. Espécies no gênero fúngico Batrachochytrium são responsáveis por declínios severos nas populações de anfíbios globalmente[6].


Olpidium brassicae (Woronin) Dang é vetor de inúmeras viroses em plantas de interesse econômico e, Synchytrium endobioticum (Schilb.) Percival é responsável pela doença conhecida como verruga preta da batata. Os representantes de Neocallimasticales são anaeróbios obrigatórios em rúmen e ceco de herbívoros (Alexopoulos et al. 1996[3]). Batrachochytridium dendrobatidis Longcore tem merecido atenção especial por ser responsável pelo declínio da população de anfíbios nativos em várias partes do mundo, inclusive no Brasil (Carnaval et al. 2005[7]).

En otros idiomas
azərbaycanca: Xitridiomiset
čeština: Chytridiomycety
Esperanto: Chytridiomycota
español: Chytridiomycota
français: Chytridiomycota
interlingua: Chytridiomycota
Bahasa Indonesia: Chytridiomycota
italiano: Chytridiomycota
日本語: ツボカビ門
한국어: 호상균류
lietuvių: Chitridiomikotai
Nederlands: Chytridiomycota
română: Chytridiomycota
Simple English: Chytridiomycota
svenska: Gisselsvampar
Türkçe: Chytridiomycota
Tiếng Việt: Chytridiomycota
中文: 壶菌门