Cerveja

Uma caneca de cerveja

A cerveja (do gaulês, através do latim servisia[1]) é uma bebida produzida a partir da fermentação de cereais, principalmente a cevada maltada. Acredita-se que tenha sido uma das primeiras bebidas alcoólicas que foram criadas pelo ser humano.[2][3][4][5][6] Atualmente, é a terceira bebida mais popular do mundo, logo depois da água e do café. É a bebida alcoólica mais consumida no mundo atualmente.[7]

História

A Estela de Hamurabi, onde estão escritas as leis mais antigas sobre a cerveja, no Museu do Louvre, em Paris
Um mapa mostrando o consumo de cerveja por pessoa em cada país

Historicamente, a cerveja já era conhecida pelos antigos sumérios, egípcios, mesopotâmios e iberos, remontando, pelo menos, a 6 000 a.C.[8] A agricultura surgiu na Mesopotâmia em um período entre a revolução do Neolítico e a Idade dos Metais. A mais antiga lei que regulamenta a produção e a venda de cerveja é a Estela de Hamurabi, que data de 1 760 a.C. Nela, se condena à morte quem não respeita os critérios de produção de cerveja indicados. Incluía várias leis de comercialização, fabricação e consumo da cerveja, relacionando direitos e deveres dos clientes das tabernas.[9] O Código de Hamurabi também estabelecia uma ração diária de cerveja para o povo da Babilônia: 2 litros para os trabalhadores, 3 para os funcionários públicos e 5 para os administradores e o sumo sacerdote. O código também impunha punições severas para os taberneiros que tentassem enganar os seus clientes.[10]

A notícia mais antiga que se tem da cerveja vem de 2 600 a 2 350 a.C. Desta época, arqueólogos encontraram menção no Hino a Ninkasi, a deusa da cerveja, de que os sumérios já produziam a bebida. Já na Babilônia dá-se conta da existência de diferentes tipos de cerveja, originadas de diversas combinações de plantas e aromas, e o uso de diferentes quantidades de mel. Mesopotâmios estavam bebendo cerveja de vasos individuais há 3.500 anos.[11]

Posteriormente, no antigo Egito, a cerveja, segundo o escritor grego Ateneu de Náucrates (século III), teria sido inventada para ajudar a quem não tinha como pagar o vinho. Inscrições em hieróglifos e obras artísticas testemunham o gosto deste povo pelo henket ou zythum, apreciado por todas as camadas sociais. Até um dos faraós, Ramsés III (1 184-1 153 a.C.), passou a ser conhecido como "faraó-cervejeiro" após doar, aos sacerdotes do Templo de Amon, 466 308 ânforas ou aproximadamente um milhão de litros de cerveja provenientes de suas cervejeiras.

Praticamente qualquer açúcar ou alimento que contenha amido pode, naturalmente, sofrer fermentação alcoólica. Assim, bebidas semelhantes à cerveja foram inventadas de forma independente em diversas sociedades em redor do mundo. Na Mesopotâmia, a mais antiga evidência referente à cerveja está numa tabua sumeriana com cerca de 6000 anos de idade na qual se veem pessoas tomando uma bebida através de juncos de uma tigela comunitária. A cerveja também é mencionada na Epopeia de Gilgamesh. Um poema sumeriano de 3900 anos homenageando a deusa dos cervejeiros, Ninkasi, contém a mais antiga receita que sobreviveu, descrevendo a produção de cerveja de cevada utilizando pão.

A cerveja teve alguma importância na vida dos primeiros romanos, mas, durante a República Romana, o vinho destronou a cerveja como a bebida alcoólica preferida, passando esta a ser considerada uma bebida própria de bárbaros. Tácito, em seus dias, escreveu depreciativamente acerca da cerveja preparada pelos povos germânicos.

Na Idade Média, vários mosteiros fabricavam cerveja, empregando diversas ervas para aromatizá-la, como mírica, rosmarinho, louro, sálvia, gengibre e o lúpulo, este utilizado até hoje e introduzido no processo de fabricação da cerveja entre os anos 700 e 800. O uso de lúpulo para dar o gosto amargo da cerveja e para preservá-la é atribuída aos monges do Mosteiro de San Gallo, na Suíça.[12] Houve um tempo em que o papel da levedura na fermentação era desconhecido. Na Era Viquingue, cada família tinha sua própria vara de cerveja que eles usavam para agitar a bebida durante a produção. Estas varas de cerveja eram consideradas herança de família, porque era o uso da vara que garantia que a cerveja daria certo. Hoje em dia, sabe-se que estas varas continham uma cultura de levedura. A Lei da Pureza Alemã de cerveja de 1516 - a Reinheitsgebot - definia os únicos materiais permitidos para fabricação de cerveja como sendo malte, lúpulo e água. Com a descoberta do fermento e de sua função no final da década de 1860 por Louis Pasteur, a lei teve que ser alterada. [13]

A maior parte das cervejas, até tempos relativamente recentes, eram do tipo que agora chamamos de ales. As lagers foram descobertas por acidente no século XVI, quando a cerveja era estocada em frias cavernas por longos períodos; desde então, elas ultrapassaram largamente as cervejas tipo ale em volume. O lúpulo é cultivado na França desde o século IX. O mais antigo escrito remanescente a registrar o uso do lúpulo na cerveja data de 1067 pela abadessa Hildegarda de Bingen: "Se alguém pretender fazer cerveja da aveia, deve prepará-la com lúpulo." No século XV, na Inglaterra, a fermentação sem lúpulo podia dar origem a uma bebida tipo ale - o uso do lúpulo torná-la-ia uma cerveja. A cerveja com lúpulo era importada para a Inglaterra (a partir dos Países Baixos) desde cerca de 1400, em Winchester. O lúpulo passou a ser cultivado na ilha a partir de 1428. A Companhia dos Fabricantes de Cerveja de Londres foi longe a ponto de especificar que "nenhum lúpulo, ervas, ou coisa semelhante será colocada dentro de nenhuma ale ou bebida alcoólica enquanto a ale estiver sendo feita - mas somente um licor (água), malte e uma levedura". Contudo, por volta do século XVI, "ale" veio a referir-se a qualquer cerveja forte, e todas as ales e cervejas continham lúpulo.

No idioma eslavo, a cerveja é chamada piwo (pronuncia-se "pivo"), do verbo pić (pronuncia-se "pítch"), "beber". Por isso, piwo pode ser traduzido como "bebida", o que demonstra a importância que lhe é concedida.

O Kalevala, poema épico finlandês coligido na forma escrita no século XIX mas baseado em tradições orais seculares, contém mais linhas sobre a origem da fabricação de cerveja do que sobre a origem do homem.

Em 2013, foi desenvolvido pela primeira vez sorvete[14] e ovo de páscoa[15] a partir de cerveja.[16]

En otros idiomas
Afrikaans: Bier
Alemannisch: Bier
አማርኛ: ቢራ
aragonés: Biera
Ænglisc: Bēor
العربية: جعة
مصرى: بيره
অসমীয়া: বিয়েৰ
asturianu: Cerveza
Atikamekw: Ickoteapo
azərbaycanca: Pivə
башҡортса: Һыра
Boarisch: Bia
žemaitėška: Alos
Bikol Central: Serbesa
беларуская: Піва
беларуская (тарашкевіца)‎: Піва
български: Бира
भोजपुरी: बियर
বাংলা: বিয়ার
བོད་ཡིག: སྦི་རག
brezhoneg: Bier
bosanski: Pivo
буряад: Пивэ
català: Cervesa
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Bì-ciū
нохчийн: Йий
Tsetsêhestâhese: Héesevo'tamahpe
کوردی: بیرە
čeština: Pivo
kaszëbsczi: Piwò
Чӑвашла: Сăра
Cymraeg: Cwrw
dansk: Øl
Deutsch: Bier
Zazaki: Bira
dolnoserbski: Piwo
डोटेली: बियर
Ελληνικά: Μπίρα
English: Beer
Esperanto: Biero
español: Cerveza
eesti: Õlu
euskara: Garagardo
estremeñu: Cerveza
فارسی: آبجو
suomi: Olut
Võro: Oluq
Na Vosa Vakaviti: Bia
føroyskt: Øl
français: Bière
furlan: Bire
Frysk: Bier
Gaeilge: Beoir
贛語: 啤酒
Gàidhlig: Leann
galego: Cervexa
Avañe'ẽ: Kaguyjúi
𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺: 𐌰𐌻𐌿
ગુજરાતી: બીયર
Gaelg: Lhune
客家語/Hak-kâ-ngî: Phî-lu
עברית: בירה
हिन्दी: बियर
Fiji Hindi: Beer
hrvatski: Pivo
hornjoserbsce: Piwo
Kreyòl ayisyen: Byè
magyar: Sör
հայերեն: Գարեջուր
interlingua: Bira
Bahasa Indonesia: Bir
Ido: Biro
íslenska: Bjór (öl)
italiano: Birra
日本語: ビール
la .lojban.: birje
Basa Jawa: Bir
ქართული: ლუდი
Kabɩyɛ: Pɩyɛɛrɩ
қазақша: Сыра
한국어: 맥주
къарачай-малкъар: Сыра
kurdî: Bîra
коми: Сур
Кыргызча: Сыра
Latina: Cervesia
Ladino: Bira
Lëtzebuergesch: Béier (Gedrénks)
Lingua Franca Nova: Bir
Limburgs: Beer
Ligure: Bïra
lumbaart: Bira
ລາວ: ເບຍ
lietuvių: Alus
latviešu: Alus
मैथिली: बियर
Basa Banyumasan: Bir
Malagasy: Labiera
олык марий: Сыра
македонски: Пиво
മലയാളം: ബിയർ
монгол: Шар айраг
मराठी: बियर
кырык мары: Сыра
Bahasa Melayu: Bir
မြန်မာဘာသာ: ဘီယာ
Plattdüütsch: Beer (Drunk)
Nedersaksies: Bier
नेपाली: बियर
Nederlands: Bier
norsk nynorsk: Øl
norsk: Øl
Nouormand: Biéthe
occitan: Bièrra
ଓଡ଼ିଆ: ବିଅର
Ирон: Бæгæны
ਪੰਜਾਬੀ: ਬੀਅਰ
Picard: Biére
polski: Piwo
پنجابی: بیر
پښتو: بير
Runa Simi: Sirwisa
română: Bere
armãneashti: Birâ
русский: Пиво
русиньскый: Пиво
Kinyarwanda: Inzoga
саха тыла: Пиибэ
sardu: Birra
sicilianu: Birra
Scots: Beer
srpskohrvatski / српскохрватски: Pivo
සිංහල: බියර්
Simple English: Beer
slovenčina: Pivo
slovenščina: Pivo
chiShona: Doro
shqip: Birra
српски / srpski: Пиво
Seeltersk: Bjoor
Basa Sunda: Bir
svenska: Öl
Kiswahili: Bia
ślůnski: Bjyr
தமிழ்: பியர்
తెలుగు: బీరు
тоҷикӣ: Оби ҷав
Tagalog: Serbesa
Türkçe: Bira
Xitsonga: Byala
татарча/tatarça: Сыра
ئۇيغۇرچە / Uyghurche: پىۋا
українська: Пиво
اردو: بیئر
oʻzbekcha/ўзбекча: Pivo
vèneto: Bira
vepsän kel’: Olud
Tiếng Việt: Bia (đồ uống)
West-Vlams: Bier
Volapük: Bir
walon: Bire
Winaray: Serbisa
吴语: 啤酒
isiXhosa: Ubhiya
ייִדיש: ביר
中文: 啤酒
文言: 啤酒
Bân-lâm-gú: Bì-luh
粵語: 啤酒
isiZulu: Ubhiya