Cão

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cachorro. Para outros significados, veja Cão (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCão
Ocorrência: 0.015–0 Ma

Pleistoceno – Recente

Collage of Nine Dogs.jpg
Estado de conservação
Não avaliada: Domesticado
Classificação científica
Reino:Animalia
Filo:Chordata
Classe:Mammalia
Ordem:Carnivora
Subordem:Caniformia
Família:Canidae
Género:Canis
Espécie:C. lupus
Subespécie:C. l. familiaris
Nome trinomial
Canis lupus familiaris
Linnaeus, 1758

O cão (nome científico: Canis lupus familiaris),[1] no Brasil também chamado de cachorro, é um mamífero carnívoro da família dos canídeos, subespécie do lobo, e talvez o mais antigo animal domesticado pelo ser humano. Teorias postulam que surgiu do lobo cinzento no continente asiático há mais de 100 000 anos. Ao longo dos séculos, através da domesticação, o ser humano realizou uma seleção artificial dos cães por suas aptidões, características físicas ou tipos de comportamentos. O resultado foi uma grande diversidade de raças caninas, as quais variam em pelagem e tamanho dentro de suas próprias raças, atualmente classificadas em diferentes grupos ou categorias. As designações vira-lata (no Brasil) ou rafeiro (em Portugal) são dadas aos cães sem raça definida ou mestiços descendentes.

Com expectativa de vida que varia entre dez e vinte anos, o cão é um animal social que, na maioria das vezes, aceita o seu dono como o "chefe da matilha" e possui várias características que o tornam de grande utilidade para o homem. Possui excelente olfato e audição, é bom caçador e corredor vigoroso, relativamente dócil e leal, inteligente e com boa capacidade de aprendizagem. Deste modo, o cão pode ser adestrado para executar um grande número de tarefas úteis, como um cão de caça, de guarda ou pastor de rebanhos, por exemplo. Assim como o ser humano, também é vítima de doenças como o resfriado, a depressão e o mal de Alzheimer, bem como das características do envelhecimento, como problemas de visão e audição, artrite e mudanças de humor.

A afeição e a companhia deste animal são alguns dos motivos da famosa frase: "O cão é o melhor amigo do homem", já que não há registro de amizade tão forte e duradoura entre espécies distintas quanto a de humano e cão. Esta relação figura em filmes, livros e revistas, que citam, inclusive, diferentes relatos reais de diferentes épocas e em várias nações. Entre os cães mais famosos que viveram e marcaram sociedades estão Balto, Laika e Hachiko. Na mitologia, o Cérbero é dito um dos mais assustadores seres. No cinema, Lassie é um dos mais difundidos nomes e, na animação, Pluto, Snoopy e Scooby-Doo há décadas fazem parte da infância de várias gerações.

Origem e história da domesticação

Lobo, do qual provavelmente se originaram as raças caninas

As origens do cão doméstico baseiam-se em suposições, por se tratar de ocorrências de milhares de anos, cujos crescentes estudos mudam em ambiente e datação dos fósseis. Uma das teorias aponta para um início anterior ao processo de domesticação, apresentando a separação de lobo e cão há cerca de 135 000 anos, sob a luz dos encontrados restos de canídeos com uma morfologia próxima à do cinzento, misturados com ossadas humanas.[2] Outras, cujas cronologias são mais recentes, sugerem que a domesticação em si começou há cerca de 30 000 anos, os primeiros trabalhos caninos e o início de uma acentuada evolução entre 15 000 e 12 000, e por volta de 20% das raças encontradas atualmente, entre 10 000 e 8000 anos no Oriente Médio.[3][4] Além das imprecisões do período, há também discordâncias sobre a origem. Enquanto especula-se que os cães sejam descendentes de uma outra variação canídea, as mais aceitáveis são a descendência direta do lobo cinzento ou dos cruzamentos entre lobos e chacais.[5]

As evidências baseiam-se também em achados arqueológicos, já que foram encontrados cães enterrados com humanos em posições que sugerem afetividade.[6] Segundo estes trabalhos de pesquisa, o surgimento das variações teria ocorrido por seleção artificial de filhotes de lobos-cinzentos e chacais que viviam em volta dos acampamentos pré-históricos, alimentando-se de restos de comida ou carcaças deixadas como resíduos pelos caçadores-coletores. Os seres humanos perceberam a existência de certos lobos que se aproximavam mais do que outros e reconheceram certa utilidade nisso, pois eles alertavam para a presença de animais selvagens, como outros lobos ou grandes felinos. Mais sedentários devido ao desenvolvimento da agricultura, os seres humanos então deram um novo passo na relação com os caninos. Eventualmente, alguns filhotes foram capturados e levados para os acampamentos na tentativa de serem utilizados. Com o passar dos anos, os animais que, ao atingirem a fase adulta, mostravam-se ferozes, não aceitando a presença humana, eram descartados ou impedidos de se acasalar. Deste modo, ao longo do tempo, houve uma seleção de animais dóceis, tolerantes e obedientes aos seres humanos, aos quais era permitido o acasalamento e que, quando adultos, eram de grande utilidade, auxiliando na caça e na guarda. Esse gradual processo, baseado em tentativas e erros, levou eventualmente à criação dos cães domésticos.[3][7][8]

Exemplar em Pompeia: mosaico romano com o aviso Cave canem ("Cuidado com o cão") era um motivo popular nas vilas romanas, já que estes animais tornaram-se comuns como cães de guarda das casas

Foi ainda durante a Pré-História que surgiram os primeiros trabalhos caninos e, com isso, começaram a fortalecer os laços com o ser humano. Cães de caça e de guarda ajudavam as tribos em troca de alimento e abrigo. Com o tempo, aperfeiçoaram o rastreio e dividiram o abate das presas com os humanos.[3] Por possuírem alta capacidade de adaptação, espalharam-se ao redor do mundo, levados durante as migrações humanas e aparecendo em antigas culturas romanas, egípcias, assírias, gaulesas e pré-colombianas, tendo então sua história contada ao lado da do homem.[9]

No Egito Antigo, os cães eram reverenciados como conhecedores dos segredos do outro mundo, bem como utilizados na caça e adorados na forma do deus Anúbis. Esta relação com os mortos teria vindo do hábito de se alimentarem dos cadáveres, assim como os chacais. No continente europeu, mais precisamente na Grécia Antiga, cães eram relacionados aos deuses da cura, com templos que abrigavam dezenas deles para que os doentes pudessem ser levados até lá e terem suas feridas lambidas. Neste período, também combateram junto aos exércitos de Alexandre, o Grande, espalhando-se pela Ásia e Europa. Na Gália, além de guardiões e caçadores, detinham a honra de serem sacrificados aos deuses e enterrados nos túmulos de seus donos. Durante o período do Império Romano, os cães, sempre fortes e de grande porte, foram utilizados para a diversão do público em grandes brigas no Coliseu de Roma.[3] Trazidos da Bretanha e da parte ocidental da Europa, eram mantidos presos e sem alimentos, para que pudessem ficar agressivos durante os espetáculos, nos quais deviam matar prisioneiros, escravos e cristãos. Sua fama ficou tão grande que as raças da época quase foram extintas, devido ao exagerado uso em guerras e apresentações.[8][10][11]

Cães têm sido criados em uma variedade de formas, cores e tamanhos tão grande que a variação pode ser ampla mesmo dentro de uma só raça, como acontece com esses Cavalier King Charles Spaniel

Com o fim do Império Romano, o mundo entrou na fase da Idade Média, já com os cães espalhados pelo continente europeu, levados pelos mercadores fenícios do Oriente Médio à região mediterrânea e adentrado a região seguindo soldados romanos. Foi nessa época que os caninos perderam o relativo prestígio de antes, já que doenças como a peste negra assolavam a Europa e eram os cães que comiam os cadáveres nas periferias das cidades. A Igreja Católica, enquanto instituição mais influente, passou a relacioná-los à morte e considerá-los criaturas das trevas. Sua mentalidade supersticiosa popularizou-os como animais de bruxas, vampiros e lobisomens. Tal influência, por incentivo da Inquisição, resultou em matanças de lobos, cães e híbridos. Indo ainda mais além, estipulou decretos que diziam que se qualquer preso acusado de bruxaria fosse visitado por um cão, gato ou pássaro, seria imediatamente considerado culpado de bruxaria e queimado na fogueira. Apesar de toda a perseguição, no fim dessa época os cães já começavam a ser vistos como companhia infantil.[10][12]

Durante o Renascimento, a visão negativa sobre os cães foi desaparecendo, já que caíram no gosto dos nobres. Durante este período, os caninos eram utilizados para a caça esportiva e criados com cuidado dentro dos canis de cada castelo. Com as famílias livres para desenvolverem suas próprias raças, as variedades de cada região começaram a surgir. Estas novas raças eram consideradas tesouros não encontrados em nenhum outro lugar do mundo, e por isso, dadas de presente entre a nobreza, por representarem grande sinal de riqueza. Esta atitude ajudou a difundir ainda mais a variedade e a preservar determinadas raças, quando em seu lugar de origem acabavam exterminadas. Adiante, também na Europa, nasceram os cães de companhia, já que o apreço por eles crescia, conforme se via a fidelidade. Guilherme de Orange dos Países Baixos chegou a declarar que seu cão o salvou de um atentado. Ao mesmo tempo que a diversidade crescia no continente, tribos siberianas usavam seus cães para praticamente tudo, já que eram bastante fortes e úteis para locomoção e outras atividades. Estes caninos, importados da Sibéria, ajudaram o ser humano na conquista dos pólos pelos primeiros homens a pisar no Polo Sul e Polo Norte, puxando seus trenós.[10]

Um caçador em 1885 com uma grande matilha de Beagles, uma raça de cães de caça. Em princípio, cães eram criados por suas habilidades de trabalho. Após, entraram nos lares como companheiros de vida

No período das grandes navegações, os homens migraram ao Novo Mundo com seus caninos. Apesar de não serem desconhecidos dos povos pré-colombianos, a variedade o era. Também durante a conquista, a presença deste animal teve sua utilidade: nas guerras contra os nativos, farejadores eram utilizados para encontrar e matar os índios. A respeito disso, há a lenda de que, na atual República Dominicana, milhares de indígenas foram exterminados por uma tropa de 150 soldados de infantaria, trinta cavaleiros e vinte cães rastreadores.[8] Durante o século XIX, apesar de polêmicos, os treinamentos dos caninos para lutas e guerras, ganhou popularidade como na época de Alexandre. Nessa fase, algumas raças foram compostas por animais menores, mais brutos e de musculatura mais forte, como o bull terrier.[3]

No século seguinte, eventos tornaram a marcar a evolução canina. As guerras mundiais extinguiram as raças das regiões mais afetadas e ajudaram a popularizar as variedades militares, como o pastor alemão e o dobermann, enquanto rastreadores. No Japão, em plena guerra, o imperador decretou que todos os cães que não pastores alemães fossem mortos para a confecção de uniformes militares com seu couro. Devido a isso, muitos criadores de akitas cruzaram seus animais com pastores alemães, para tentar fugir ao decreto. Os resultantes destes cruzamentos, levados aos Estados Unidos pelos soldados, foram os primeiros na criação de mais uma nova raça. Foi também após as guerras mundiais que surgiram os primeiros centros de treinamento de cães-guia de cego.[9][10]

Modernamente, apesar de fazer parte da história humana desde a imagem divina aos soldados das guerras, o cão tornou-se um animal de estimação apenas no século XX, já adaptado aos modos de vida dos seres humanos, devido a sua habilidade de fazer de diversos ambientes os melhores possíveis, e ao voltar suas capacidades de aprendizado à domesticação. Diz-se que esta mútua relação entre os dois mais numerosos carnívoros do mundo deve-se à compreensão e à evolução cerebral canina em entender o que querem as pessoas.[13]

En otros idiomas
Аҧсшәа: Ала
Acèh: Asèe
адыгабзэ: Хьэ
Afrikaans: Hond
Alemannisch: Hund
አማርኛ: ውሻ
العربية: كلب
ܐܪܡܝܐ: ܟܠܒܐ
مصرى: كلب
অসমীয়া: কুকুৰ
Atikamekw: Atimw
авар: Гьой
Aymar aru: Anu
azərbaycanca: Köpək
تۆرکجه: ایت
башҡортса: Эт
Boarisch: Hund
žemaitėška: Šou
Bikol Central: Ayam
беларуская: Сабака свойскі
беларуская (тарашкевіца)‎: Сабака
български: Домашно куче
भोजपुरी: कुक्कुर
Bislama: Dok
Bahasa Banjar: Hadupan
bamanankan: Wùlù
বাংলা: কুকুর
བོད་ཡིག: ཁྱི།
brezhoneg: Ki
bosanski: Domaći pas
буряад: Нохой
català: Gos
Mìng-dĕ̤ng-ngṳ̄: Kēng
Cebuano: Iro
ᏣᎳᎩ: ᎩᏟ
Tsetsêhestâhese: Oeškese
کوردی: سەگ
corsu: Ghjacaru
Nēhiyawēwin / ᓀᐦᐃᔭᐍᐏᐣ: Atimw
čeština: Pes domácí
kaszëbsczi: Tósz
словѣньскъ / ⰔⰎⰑⰂⰡⰐⰠⰔⰍⰟ: Пьсъ
Чӑвашла: Йытă
Cymraeg: Ci
dansk: Hund
Deutsch: Haushund
Zazaki: Kutık
dolnoserbski: Domacny pjas
eʋegbe: Avu
Ελληνικά: Σκύλος
emiliàn e rumagnòl: Can
English: Dog
Esperanto: Hundo
eesti: Koer
euskara: Txakur
فارسی: سگ
suomi: Koira
Võro: Pini
Na Vosa Vakaviti: Koli
føroyskt: Hundur
français: Chien
arpetan: Chin
Nordfriisk: Hüshünj
furlan: Cjan
Frysk: Hûn
Gaeilge: Madra
贛語:
Gàidhlig:
galego: Can
گیلکی: سک
Avañe'ẽ: Jagua
𐌲𐌿𐍄𐌹𐍃𐌺: 𐌷𐌿𐌽𐌳𐍃
Gaelg: Moddey
Hausa: Kare
客家語/Hak-kâ-ngî: Kiéu-é
עברית: כלב הבית
हिन्दी: कुत्ता
Fiji Hindi: Kuttaa
hrvatski: Domaći pas
hornjoserbsce: Domjacy pos
Kreyòl ayisyen: Chyen
magyar: Kutya
հայերեն: Շուն
interlingua: Can
Bahasa Indonesia: Anjing
Iñupiak: Qimmiq
Ilokano: Aso
ГӀалгӀай: ЖIали
Ido: Hundo
íslenska: Hundur
ᐃᓄᒃᑎᑐᑦ/inuktitut: ᕿᖕᒥᖅ
日本語: イヌ
Patois: Daag
la .lojban.: gerku
Basa Jawa: Asu
Kabɩyɛ: Haɣ
қазақша: Ит
ភាសាខ្មែរ: ឆ្កែ
ಕನ್ನಡ: ನಾಯಿ
한국어:
Перем Коми: Пон
कॉशुर / کٲشُر: ہوٗن
kurdî: Kûçik
коми: Пон
Кыргызча: Ит
Latina: Canis
Ladino: Perro
Lëtzebuergesch: Haushond
лакку: Ккаччи
лезги: КицӀ
Lingua Franca Nova: Can
Luganda: Mbwa
Limburgs: Hóndj
Ligure: Can
lingála: Mbwá
ລາວ: ໝາ
lietuvių: Šuo
latviešu: Suns
मैथिली: कुत्ता
мокшень: Пине
Malagasy: Alika
олык марий: Пий
Baso Minangkabau: Anjiang
македонски: Куче
മലയാളം: നായ
монгол: Нохой
मराठी: कुत्रा
кырык мары: Пи
Bahasa Melayu: Anjing
Malti: Kelb
Mirandés: Perro
မြန်မာဘာသာ: ခွေး
эрзянь: Киска
مازِرونی: سک
Dorerin Naoero: Robar
Nāhuatl: Itzcuintli
Napulitano: Cane
Plattdüütsch: Hund
Nedersaksies: Hond
नेपाली: कुकुर
नेपाल भाषा: खिचा
Nederlands: Hond
norsk nynorsk: Hund
norsk: Tamhund
Nouormand: Tchian
Sesotho sa Leboa: Mpša
Diné bizaad: Łééchąąʼí
Livvinkarjala: Koiru
ଓଡ଼ିଆ: କୁକୁର
ਪੰਜਾਬੀ: ਕੁੱਤਾ
Kapampangan: Asu
Papiamentu: Kacho
Picard: Kien
Deitsch: Hund
polski: Pies domowy
Piemontèis: Can
پنجابی: کتا
پښتو: سپی
Runa Simi: Allqu
rumantsch: Chaun
Romani: Juklo
română: Câine
armãneashti: Câni
русский: Собака
русиньскый: Пес
Kinyarwanda: Imbwa
संस्कृतम्: शुनकः
саха тыла: Ыт
ᱥᱟᱱᱛᱟᱲᱤ: ᱥᱮᱛᱟ
sardu: Cane
sicilianu: Cani
Scots: Dug
سنڌي: ڪتو
srpskohrvatski / српскохрватски: Pas
සිංහල: බල්ලා
Simple English: Dog
slovenčina: Pes domáci
slovenščina: Domači pes
Gagana Samoa: Maile
chiShona: Imbwa
Soomaaliga: Ey
shqip: Qeni
српски / srpski: Пас
Sranantongo: Dagu
Seeltersk: Huund
Basa Sunda: Anjing
svenska: Hund
Kiswahili: Mbwa-kaya
ślůnski: Pjes
தமிழ்: நாய்
ತುಳು: ನಾಯಿ
తెలుగు: కుక్క
тоҷикӣ: Саг
ไทย: หมา
Tagalog: Aso
Türkçe: Köpek
татарча/tatarça: Эт
chiTumbuka: Nchebe
тыва дыл: Ыт
удмурт: Пуны
ئۇيغۇرچە / Uyghurche: ئىت
українська: Пес свійський
اردو: کتا
oʻzbekcha/ўзбекча: It
vèneto: Can
vepsän kel’: Koir
Tiếng Việt: Chó
West-Vlams: Hound
Volapük: Dog
walon: Tchén
Winaray: Ayam
Wolof: Xaj
吴语:
хальмг: Ноха
isiXhosa: Inja
მარგალური: ჯოღორი
ייִדיש: הונט
Yorùbá: Ajá
Vahcuengh: Ma
中文:
文言:
Bân-lâm-gú: Káu
粵語:
isiZulu: Inja