Autódromo Nacional de Monza

Itália Autodromo Nazionale di Monza
Autodromo Nazionale Monza
Monza track map.svg
Mapa do circuito.
Informações da corrida
LocalizaçãoMonza, Itália
Voltas53
Percurso5.793 km (3.6 mi)
Total308.238 km (191.530 mi)
Curvas11
PoleFinlândia Kimi Räikkönen
Ferrari V6 Turbo Híbrido
1min 19s 119 (263,588 km/h)
2018
Volta mais rápida
na prova
Brasil Rubens Barrichello
Ferrari V10
1min 21s 046
2004
Anos disputados86 (68 em Monza)
Primeira disputa1921 (1950 oficial)
Última disputa2018
Maior vencedor (pilotos) Brasil Ayrton Senna da Silva (6)
Maior vencedor (equipe)Itália Ferrari (19) (18 oficial)
Última corrida (2018):
Pole Position
PilotoFinlândia Kimi Raikkonen
Ferrari V6 Turbo Híbrido
Tempo1min 19s 119
Volta mais rápida
PilotoReino Unido Lewis Hamilton
Mercedes V6 Turbo Híbrido
Tempo1min 22s 497
Pódio
PrimeiroReino Unido Lewis Hamilton
Mercedes V6 Turbo Híbrido
1h 16min 54s 484
SegundoFinlândia Kimi Raikkonen
Ferrari V6 Turbo Híbrido
+8s 705
TerceiroFinlândia Valtteri Bottas
Mercedes V6 Turbo Híbrido
+14s 066

O Autódromo Nacional de Monza (em italiano: Autodromo Nazionale di Monza) é uma pista de automobilismo localizada próxima à cidade de Monza, na Itália, ao norte de Milão. É um dos circuitos mais tradicionais para a prática do automobilismo no mundo. É famoso principalmente por receber o Grande Prêmio da Itália de Fórmula Um quase anualmente desde 1922, ano de sua inauguração. Apenas em 1980, Monza não fez parte do calendário, porque estava em reforma no momento, retornando em 1981 em diante.

Pista

Vista aérea do Autódromo Nacional de Monza

O Autódromo de Monza é atualmente o traçado mais veloz da Europa graças às suas retas muito longas, o que permite que os pilotos mantenham aceleração máxima por mais da metade da volta. É um circuito praticamente plano, com poucas elevações e conhecido como uma pista que testa mais a potência do motor que as habilidades dos pilotos.

A volta é iniciada na longa reta denominada Rettifilo Tribune ao longo da qual estão construídos os boxes e o paddock. Depois, entra-se na Prima Variante, uma chicane direita-esquerda bastante lenta. A freada para esta curva é tida como muito difícil, visto que a redução é de 350 km/h para não mais que 100 km/h. Passada a Prima Variante, é a hora da Curva Biassono (ou Curva Grande), curva à direita de velocidade média. Pouco mais à frente, há a Variante della Roggia, bastante parecida com a Prima Variante, mas com direção oposta (esquerda-direita). A parte mais técnica do circuito é iniciada com as Curve di Lesmo, dupla de curvas à direita. O circuito readquire velocidade com a reta acompanhada da velocíssima Curva del Serraglio para, então, entrar na Variante Ascari, uma curva curta à esquerda que prossegue com curva longa à direita e conclui com outra esquerda a quase 90°. Após passar pela reta oposta, chegamos à histórica curva do traçado: La Parabolica, grande curva à direita feita a velocidade média (200 km/h na F1) que leva à reta dos boxes.

En otros idiomas