Aung San Suu Kyi

Aung San Suu Kyi
အောင်ဆန်းစုကြည်
Medalha Nobel
Remise du Prix Sakharov à Aung San Suu Kyi Strasbourg 22 octobre 2013-18.jpg
Aung San Suu Kyi em 2013
Conselheira de Estado de Myanmar Myanmar
Período 6 de abril de 2016
a atualidade
Dados pessoais
Nome completo အောင်ဆန်းစုကြည်
Nascimento 19 de junho de 1945 (72 anos)
Yangon, Myanmar
Nacionalidade Myanmar birmanesa
Alma mater Universidade de Deli
Universidade de Oxford
Universidade de Londres
Cônjuge Michael Aris (1972-1999)
Partido Liga Nacional pela Democracia
Religião Budismo Teravada
Ocupação Ativista
Política
Assinatura Assinatura de Aung San Suu Kyi

Aung San Suu Kyi ( birmanês: အောင်ဆန်းစုကြည်; IPA[àuɴ sʰáɴ sṵ tɕì]; Rangum, 19 de junho de 1945), é uma política de oposição birmanesa, vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 1991 e secretária-geral da Liga Nacional pela Democracia (LND). Suu Kyi é a terceira dos filhos de Aung San, considerado o pai da Birmânia moderna (atual Mianmar).

Durante a eleição geral de 1990, a LND, partido liderado por Suu Kyi, obteve 59% dos votos em todo o país, conquistando 81% (392 de 485) dos assentos no parlamento - o que deveria fazer dela a primeira-ministra da Birmânia. [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] No entanto, pouco antes das eleições, ela foi detida e colocada em prisão domiciliar, condição em que viveu por quase 15 dos 21 anos que decorreram desde o seu regresso à Birmânia, em 20 de julho de 1989, até sua libertação, depois de forte pressão internacional, em 13 de novembro de 2010. [8] [9] [10] Ao longo desses anos, Suu Kyi foi uma das mais notórias prisioneiras políticas do mundo. [11] [12]

Em 1 de abril de 2012, foi eleita deputada pela Liga Nacional pela Democracia.

Biografia

Suu Kyi é filha de Aung San, o herói nacional da independência da Birmânia (também chamado Mianmar), ex- colônia britânica, que foi assassinado pouco antes da independência do país (proclamada em 4 de janeiro de 1948), quando ela tinha dois anos de idade.

Suu Kyi foi educada nas melhores escolas de Rangum - antiga capital e maior cidade do país. Também estudou na Índia, onde sua mãe, Khin Kyi, foi embaixadora, e na Universidade Oxford, onde conheceu Michael Aris, um especialista em civilização tibetana, com quem viria a se casar. [13] Após a graduação, entre 1969 e 1971, ela trabalha na ONU, em Nova York. Em janeiro de 1972, casa-se com Michael. O casal teve dois filhos, Alexander (Londres, 1973) e Kim (Oxford, 1977). [14] [15]

Em 1988, Suu Kyi regressa ao seu país, a princípio para cuidar de sua mãe, que se encontrava enferma. Porém, logo se envolve com o movimento pró-democracia. Por ser descendente de um prócer da independência, sua presença inflama o movimento. Seu retorno coincide com a eclosão de uma revolta popular contra os vinte e seis anos de governo do general Ne Win, que reultaram em alto grau de repressão política e colapso da economia do país. Em 23 de julho, o general Ne Wan renuncia, mas as manifestações populares de protesto continuam. O movimento é brutalmente reprimido. Mais de 5.000 manifestantes são mortos em 8 de agosto de 1988 - na chamada Revolta 8888. Em 18 de setembro instala-se uma junta militar no governo do país. Alguns dias depois, em 24 de setembro, um novo partido é formado - a Liga Nacional pela Democracia, LND -, tendo Suu Kyi como secretária-geral. Ela se torna a principal líder do movimento pró-democratização. Naquele mesmo ano, dez mil pessoas morreriam na luta contra o regime militar birmanês.[ carece de fontes?] Entre outubro e dezembro, Suu Kyi percorre o país, pregando a não violência e a desobediência civil, em grandes comícios. Em dezembro, morre sua mãe, Daw Khin Kyi, aos setenta e seis anos. [13]

Em 1989, Suu Kyi é presa pela primeira vez, ficando impedida de apresentar sua candidatura às eleições gerais do ano seguinte - as primeiras no país desde 1962. [15] Mesmo assim, seu partido, a LND, obtém uma vitória esmagadora nas eleições de 1990, conquistando 81% das cadeiras em disputa. A junta militar se recusa a reconhecer o resultado das eleições.

Manifestação pela liberação de Aung San Suu Kyi, 2005.
Manifestação pela liberação de Aung San Suu Kyi, em Nova York, 2003

Ainda em 1990, o Parlamento Europeu concede a Suu Kyi o prémio Sakharov de liberdade de pensamento. Em 1991 foi galardoada com o Nobel da Paz. Em 10 de dezembro, seus filhos, Alexander e Kim, recebem o prêmio, em nome de sua mãe. Suu Kyi permanece presa e se recusa a deixar o país, conforme lhe propõe o governo birmanês. O movimento por sua libertação cresce em todo o mundo. [13]

Em 1995, o regime militar decide levantar a pena de prisão domiciliária imposta a ela, como sinal de abertura democrática dirigido à comunidade internacional. Mas sua liberdade dura pouco. Logo estará novamente em prisão domiciliar. [16]

No Natal de 1995, Michael consegue permissão para visitar a esposa. Será o último encontro do casal. Em 27 de março de 1999 morreu de câncer, em Londres, sem ter conseguido voltar a Mianmar para ver Suu Kyi. O governo sempre insistia que ela fosse encontrar sua família, na Inglaterra, mas ela sabia que, se concordasse em sair do país, as autoridades birmanesas não a deixariam retornar. Assim, ela assume essa separação como um sacrifício a ser feito por seu país.

En otros idiomas
Afrikaans: Aung San Suu Kyi
Alemannisch: Aung San Suu Kyi
aragonés: Aung San Suu Kyi
asturianu: Aung San Suu Kyi
башҡортса: Аун Сан Су Чжи
Bikol Central: Aung San Suu Kyi
беларуская: Аўн Сан Су Чжы
беларуская (тарашкевіца)‎: Аўн Сан Су Чжы
български: Аун Сан Су Чи
Bahasa Banjar: Aung San Suu Kyi
brezhoneg: Aung San Suu Kyi
डोटेली: आङ सान सु की
Esperanto: Aung San Suu Kyi
føroyskt: Aung San Suu Kyi
français: Aung San Suu Kyi
客家語/Hak-kâ-ngî: Aung San Suu Kyi
Bahasa Indonesia: Aung San Suu Kyi
íslenska: Aung San Suu Kyi
Basa Jawa: Aung San Suu Kyi
ქართული: აუნ სან სუ ჩი
한국어: 아웅산수찌
Lëtzebuergesch: Aung San Suu Kyi
lietuvių: Aung San Suu Kyi
latviešu: Auna Sana Su Či
मैथिली: आङ सान सुकी
Bahasa Melayu: Aung San Suu Kyi
مازِرونی: آنگ سان سوچی
नेपाली: आङ सान सुकी
Nederlands: Aung San Suu Kyi
norsk nynorsk: Aung San Suu Kyi
Runa Simi: Aung San Suu Kyi
संस्कृतम्: अङ्ग सान् सू की
sicilianu: Aung San Suu Ky
srpskohrvatski / српскохрватски: Aung San Suu Kyi
Simple English: Aung San Suu Kyi
slovenčina: Aun Schan Su Ťij
slovenščina: Aung San Su Či
српски / srpski: Аунг Сан Су Ћи
Kiswahili: Aung San Suu Kyi
Türkçe: Ang San Su Çi
українська: Аун Сан Су Чжі
Tiếng Việt: Aung San Suu Kyi
中文: 翁山蘇姬
Bân-lâm-gú: Aung San Suu Kyi
粵語: 昂山素姬