Agostinho de Hipona

Disambig grey.svg Nota: Agostinho e Santo Agostinho redirecionam para este artigo. Para o santo homônimo, veja Agostinho de Cantuária. Para outros significados, veja Agostinho (desambiguação).
Santo Agostinho
Santo Agostinho, retrato por Philippe de Champaigne, no século XVII.
Bispo de Hipona; Doutor da Igreja (Doctor Gratiae)
Nascimento13 de novembro de 354 em Tagaste, Numídia (moderna Souk Ahras, Argélia)
Morte28 de agosto de 430 (75 anos) em Hipona, Numídia (moderna Annaba, Argélia)
Veneração porToda Cristandade
Principal temploSan Pietro in Ciel d'Oro, Pavia, Itália
Festa litúrgica28 de agosto no ocidente
15 de junho no oriente
4 de novembro na Igreja Assíria do Oriente
Atribuiçõescriança; pomba; pena (de escrever); concha; coração trespassado; segurando um livro com uma pequena igreja; cajado episcopal; mitra
Padroeiro; agostinianos; impressores; diversas cidades e dioceses[1]
Gloriole.svg Portal dos Santos
Agostinho de Hipona
Influências
Influenciados
Magnum opusA Cidade de Deus
Principais interessesTeologia, Epistemologia
Ideias notáveisPredestinação, Pecado original, Análise da Trindade

Agostinho de Hipona (em latim: Aurelius Augustinus Hipponensis[2]), conhecido universalmente como Santo Agostinho, foi um dos mais importantes e filósofos dos primeiros anos do cristianismo[3] cujas obras foram muito influentes no desenvolvimento do cristianismo e filosofia ocidental. Ele era o bispo de Hipona, uma cidade na província romana da África. Escrevendo na era patrística, ele é amplamente considerado como sendo o mais importante dos Padres da Igreja no ocidente. Suas obras-primas são De Civitate Dei ("A Cidade de Deus") e "Confissões", ambas ainda muito estudadas atualmente.

De acordo com Jerônimo, seu contemporâneo, Agostinho "re-estabeleceu a antiga fé".[4] Em seus primeiros anos, Agostinho foi muito influenciado pelo maniqueísmo e, logo depois, pelo neoplatonismo de Plotino.[5] Depois de se converter ao cristianismo e aceitar o batismo (387), desenvolveu uma abordagem original à filosofia e teologia, acomodando uma variedade de métodos e perspectivas de uma maneira até então desconhecida.[6] Acreditando que a graça de Cristo era indispensável para a liberdade humana, ajudou a formular a doutrina do pecado original e deu contribuições seminais ao desenvolvimento da doutrina da guerra justa.

Quando o Império Romano do Ocidente começou a ruir, Agostinho desenvolveu o conceito de "Igreja Católica" como uma "Cidade de Deus" espiritual (na obra homônima) distinta da cidade terrena e material de mesmo nome.[7] "A Cidade de Deus" estava também intimamente ligada ao segmento da Igreja que aderiu ao conceito da Trindade como postulado pelo Concílio de Niceia e pelo Concílio de Constantinopla.[8]

Na Igreja Católica e na Comunhão Anglicana, Agostinho é venerado como um santo, um proeminente Doutor da Igreja e o patrono dos agostinianos. Sua festa é celebrada no dia de sua morte, 28 de agosto. Muitos protestantes, especialmente os calvinistas, consideram Agostinho como um dos "pais teológicos" da Reforma Protestante por causa de suas doutrinas sobre a salvação e graça divina. Na Igreja Ortodoxa, algumas de suas doutrinas não são aceitas, como a da cláusula Filioque,[9] do pecado original e do monergismo.[9] Ainda assim, apesar destas controvérsias, é considerado também um santo, sendo comemorado como "Beato Agostinho" no dia 15 de junho.[10] Ainda assim, numerosos autores ortodoxos advogaram a favor de suas obras e de sua personalidade, como Genádio II de Constantinopla e Seraphim Rose.

Biografia

Infância e educação

Agostinho sacrificando para ídolos maniqueístas. Até se converter ao cristianismo, Agostinho se interessou por diversas filosofias e religiões.
Atribuído a Aert van den Bossche. Atualmente na Mauritshuis, em Haia.

Agostinho nasceu em 354 no município de Tagaste na província romana da Numídia.[11][12] Sua mãe, Mônica, era uma cristã devota e seu pai, Patrício, um pagão convertido ao cristianismo no leito de morte.[13] Estudiosos acreditam que entre seus ancestrais estavam berberes, latinos e fenícios,[14] mas ele próprio considerava-se um púnico.[15] Seu nomen, Aurélio, sugere que os ancestrais de seu pai eram libertos da gente Aurélia que receberam a cidadania romana depois do Édito de Caracala em 212 e, portanto, a família já era romana do ponto de vista legal por pelo menos um século quando Agostinho nasceu.[16] Assume-se que Mônica era berbere por causa do nome,[14][17] mas, como a família era formada por honestitores, uma classe mais elevada de cidadãos chamados de "homens honrados", é muito provável que Agostinho tenha sido educado em latim.[14] Aos onze anos, ele foi enviado para uma escola em Madauro (atual M'Daourouch), uma pequena cidade númida a apenas 30 quilômetros ao sul de Tagaste, e ali aprendeu literatura latina e as práticas e crenças pagãs.[18] Foi ali também, por volta de 369 ou 370, que leu o perdido de Cícero, " Hortêncio", que o próprio Agostinho credita como responsável por despertar seu interesse em filosofia.[19]

Aos dezessete, graças à generosidade de um amigo, Romaniano,[19] Agostinho mudou-se para Cartago para estudar retórica. Embora tenha sido criado um cristão, passou a seguir ali o maniqueísmo, para desespero de sua mãe.[20] Como todos os jovens de sua época e classe social, Agostinho adotou um estilo de vida hedonista por um tempo, associando-se a outros jovens que se vangloriavam de suas aventuras sexuais com mulheres e homens. Os mais velhos estimulavam os mais inexperientes a contar ou inventar histórias sobre aventuras para que fossem aceitos.[21] É deste período uma famosa oração de Agostinho, "Senhor, conceda-me castidade e continência, mas não ainda".[22]

Dois anos depois, Agostinho iniciou um romance com uma jovem cartaginesa, mas, provavelmente para manter-se em condições de realizar o desejo de sua mãe de casar com alguém de sua própria classe social, o casal se manteve em concubinato[23] por mais de treze anos, período no qual tiveram um filho, Adeodato,[24] um rapaz considerado extremamente inteligente por seus contemporâneos.[25]

Professor de retórica

Entre 373 e 374, Agostinho ensinou gramática em Tagaste. No ano seguinte, mudou-se para Cartago para dirigir uma escola de retórica e lá permaneceu pelos nove anos seguintes.[19] Perturbado pelo comportamento indomável de seus estudantes, fundou, em 383, uma escola em Roma, onde acreditava estarem os maiores e mais brilhantes retóricos. Porém, se desapontou com a apatia com que foi recebido pelas escolas romanas. Para piorar, seus estudantes, quando chegava o momento de pagar pelas aulas, simplesmente fugiam. Seus amigos maniqueístas então o apresentaram ao prefeito urbano, Símaco, que tentava conseguir um professor de retórica para servir na corte imperial em Mediolano (Milão).[26] Agostinho conseguiu a posição e viajou para o norte para assumi-la no final de 384. Aos trinta anos de idade, já havia conquistado a mais visível de todas as posições acadêmicas do mundo latino, justamente numa época que tais postos eram portas de entrada para carreiras políticas. Neste período, embora demonstrasse algum fervor pelo maniqueísmo, jamais tornou-se um iniciado (um "eleito"), permanecendo um "ouvidor", o nível mais baixo da hierarquia da seita.[26]

Ainda em Cartago, já havia começado a se distanciar do maniqueísmo, em parte por causa de um frustrante encontro com o bispo Fausto de Milevi, um importante expoente da teologia maniqueísta.[26] Em Roma, afastou-se completamente do maniqueísmo e abraçou o ceticismo do movimento da Nova Academia. Em Mediolano, sua mãe retomou a pressão para que ele se re-convertesse ao cristianismo. Os próprios estudos de Agostinho sobre o neoplatonismo também passaram a atraí-lo, uma direção que foi depois estimulada por seu amigo Simpliciano.[19] Mas foi o bispo de Mediolano, Ambrósio, quem mais influenciou Agostinho. Como ele, Ambrósio era um mestre na retórica, mas era mais velho e mais experiente.[27]

Em Mediolano, Agostinho permitiu que sua mãe lhe arranjasse um casamento e foi por conta disso que ele abandonou sua concubina. Acredita-se que Agostinho realmente amasse sua parceira de mais de treze anos e o rompimento foi bastante difícil para ele. Confirmando esta tese, há evidências de que Agostinho tenha considerado seu relacionamento como equivalente ao matrimônio, apesar de não ser válido perante a lei.[28] Em suas Confissões, ele admitiu que a experiência da separação acabou amortecendo gradualmente sua sensibilidade à dor. Agostinho teve que esperar por mais dois anos até que sua noiva atingisse a idade para casar e logo em seguida tomou uma nova concubina. Ele finalmente terminou o noivado com sua prometida (que tinha onze anos), mas não retomou o relacionamento com nenhuma de suas antigas concubinas.

Alípio de Tagaste foi o responsável por afastar Agostinho do casamento ao ensiná-lhe que jamais poderia viver no amor a sabedoria se casasse. Muitos anos depois, Agostinho relembrou seus dias em Cassicíaco (Cassago Brianza), uma vila nos arredores de Mediolano onde viveu com seus seguidores, e descreveu-os como Christianae vitae otium – a vida cristã de ócio.[29]

Conversão e sacerdócio

Conversão de Agostinho.
1756. Por Charles-Antoine Coypel, atualmente no Palácio de Versalhes, na França.

No verão de 386, depois de ouvir a história da vida de Santo Antão do Deserto por Placiano e seus amigos, Agostinho se converteu. Como ele próprio contou depois, a conversão foi incitada por uma voz infantil que ele ouviu pedindo-lhe para "tomar e ler" (em latim: tolle, lege), o que ele entendeu ser um comando divino para abrir a Bíblia, abri-la e ler a primeira coisa que encontrasse. Agostinho abriu na Epístola aos Romanos num trecho conhecido como "transformação dos crentes", os capítulos 12 ao 15, no qual Paulo delineia como o Evangelho transforma os crentes e seu comportamento. O trecho exato, segundo ele, foi[30]:

«Andemos honestamente como de dia, não em orgias e bebedices, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não vos preocupeis com a carne para não excitardes as suas cobiças.» (Romanos 13:13-14)
 
Agostinho de Hipona, Confissões[30].

Ambrósio batizou Agostinho e seu filho Adeodato na Vigília da Páscoa de 387 em Mediolano. Um ano depois, em 388, Agostinho completou sua apologia "Sobre a Santidade da Igreja Católica".[26] No mesmo ano, a família decidiu voltar para a África,[19] mas Mônica morreu em Óstia, perto de Roma, quando se preparava para embarcar.[31] Quando chegaram, passaram a viver aristocraticamente com os rendimentos auferidos pelas extensivas propriedades da família na região.[32][33] Logo depois, Adeotato também faleceu[25] e Agostinho, entristecido, vendeu todo seu patrimônio e deu o dinheiro aos pobres, mantendo apenas a casa da família, que ele converteu numa fundação monástica para si e alguns amigos.[19]

Em 391, foi ordenado sacerdote em Hipona e rapidamente tornou-se um pregador muito famoso - há mais de 350 sermões de Agostinho que se acredita serem autênticos - e um ardoroso adversário do maniqueísmo, sua religião da juventude.[26] Em 395, foi nomeado bispo coadjutor de Hipona e, logo depois, assumiu o trono episcopal,[34] motivo pelo qual é conhecido como "Agostinho de Hipona", uma posição que manteve até sua morte em 430.[35] Suas "Confissões" foram escritas entre 397 e 398, ao passo que "A Cidade de Deus" foi escrita para consolar os cristãos logo depois do traumático saque de Roma pelos visigodos em 410.

Neste período, Agostinho trabalhou incansavelmente para converter o povo de Hipona. Apesar de ter deixado o mosteiro, continuou a levar uma vida asceta na residência episcopal. Para seus companheiros, deixou uma regula que fez com que, muito depois, fosse considerado como o "padroeiro do clero regular".[36]

Grande parte do que sabemos sobre os anos finais de Agostinho foi relatado por seu amigo Possídio, o bispo de Calama (moderna Guelma, na Argélia), em sua obra Sancti Augustini Vita. Possídio admirava Agostinho como uma pessoa intelectualmente poderosa e de retórica arrebatadora que aproveitava todas as oportunidades para defender o cristianismo contra seus detratores. Ele preservou também os traços pessoais de Agostinho em detalhes, revelando um indivíduo que comia pouco, trabalhava muito, desprezava fofocas, evitava as tentações da carne e era muito prudente na administração financeira de sua .[37]

Morte e veneração

Na primavera de 430, os vândalos, uma tribo germânica convertida ao arianismo, invadiram a África romana e cercaram Hipona. Agostinho, porém, já estava irremediavelmente doente. De acordo com Possídio, um dos poucos milagres atribuídos a ele, a cura de um doente, deu-se durante o cerco.[38] Ainda segundo ele, Agostinho passou seus últimos dias em oração e penitência, com salmos pendurados nas paredes de seu quarto para que pudesse lê-los. Antes de morrer, ordenou que a biblioteca da igreja de Hipona e todos os seus livros fossem cuidadosamente preservados, e faleceu finalmente em 28 de agosto de 430.[39] Logo em seguida, os vândalos desistiram do cerco, mas retornaram não muito depois e incendiaram a cidade, destruindo tudo menos a catedral e a biblioteca de Agostinho.[40]

Agostinho foi canonizado por aclamação popular e foi depois reconhecido como Doutor da Igreja em 1298 pelo papa Bonifácio VIII.[41]

Relíquias

Túmulo de Santo Agostinho em San Pietro in Ciel d'Oro, em Pavia

De acordo com o "Verdadeiro Martirológio" de Beda, o corpo de Agostinho foi depois trasladado para Cálhari, Sardenha, pelos bispos católicos expulsos do norte da África por Hunerico. Por volta de 720, seu corpo foi novamente trasladado por Pedro, bispo de Pavia e tio do rei lombardo Liutprando, para a igreja de San Pietro in Ciel d'Oro, em Pavia, para protegê-lo contra os frequentes raides dos sarracenos. Em janeiro de 1327, João XII emitiu a bula papal Veneranda Santorum Patrum na qual nomeou os agostinianos como guardiões do túmulo de Agostinho, que foi reformado em 1362 com ricos baixo-relevos com cenas de sua vida.

Em outubro de 1695, trabalhadores em San Pietro in Ciel d'Oro descobriram um sarcófago de mármore com alguns ossos humanos, inclusive parte de um crânio e uma disputa irrompeu entre os eremitas da Ordem de Santo Agostinho e os clérigos dos Cânones Regulares de Santo Agostinho sobre sua autenticidade, estes afirmando que eram autênticos e aqueles, que não. No fim, Bento XIII (r. 1724–1730) ordenou ao bispo de Pavia, monsenhor Pertusati, que decidisse e ele declarou que, na sua opinião, eram verdadeiros.[42]

Os agostinianos foram expulsos de Pavia em 1700 e se refugiaram em Milão levando consigo as relíquias de Agostinho e seu sarcófago desmontado, abrigando tudo na catedral da cidade. San Pietro ficou arruinada e só foi reformada na década de 1870 depois de uma campanha liderada por Agostino Gaetano Riboldi. As relíquias de Santo Agostinho e seu sarcófago foram reinstalados ali em 1896, quando a igreja foi reconsagrada.[43][44]

En otros idiomas
አማርኛ: ኦግስቲን
العربية: أوغسطينوس
azərbaycanca: Avqustin Avrelius
žemaitėška: Šv. Augostėns
беларуская: Аўгусцін Аўрэлій
беларуская (тарашкевіца)‎: Аўгустын
brezhoneg: Eosten Hippo
کوردی: ئۆگەستین
čeština: Svatý Augustin
dansk: Augustin
eesti: Augustinus
فارسی: آگوستین
suomi: Augustinus
Frysk: Augustinus
गोंयची कोंकणी / Gõychi Konknni: सेंट ऑगस्टीन
Fiji Hindi: Augustine of Hippo
hrvatski: Sveti Augustin
Bahasa Indonesia: Agustinus dari Hippo
íslenska: Ágústínus
kurdî: Augustînus
Lëtzebuergesch: Aurelius Augustinus
Lingua Franca Nova: Augustino de Hipon
Ligure: Sant'Aostin
lietuvių: Šv. Augustinas
Baso Minangkabau: Agustinus dari Hippo
македонски: Свети Августин
မြန်မာဘာသာ: စိန့်ဩဂတ်စတင်း
Plattdüütsch: Augustinus
norsk nynorsk: Augustin av Hippo
ਪੰਜਾਬੀ: ਸੰਤ ਅਗਸਤੀਨ
Pangasinan: Augustine na Hippo
Piemontèis: Agustin d'Ipon-a
پنجابی: آگسٹائین
Runa Simi: Agustín (santu)
русиньскый: Святый Августин
sicilianu: Sant'Austinu
Scots: Augustinus
srpskohrvatski / српскохрватски: Augustin
Simple English: Augustine of Hippo
slovenčina: Augustín z Hippa
slovenščina: Avguštin iz Hipona
српски / srpski: Августин Хипонски
svenska: Augustinus
тоҷикӣ: Августин
Türkçe: Augustinus
татарча/tatarça: Аврелий Августин
українська: Аврелій Августин
اردو: آگسٹین
oʻzbekcha/ўзбекча: Avgustin Avreliy
Tiếng Việt: Augustinô thành Hippo
文言: 聖奧思定
Bân-lâm-gú: Hippo ê Augustinus
粵語: 奧古斯丁