Adenoipófise

Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A adenoipófise — ou adenohipófise, ou ainda hipófise anterior (do grego adeno, "glândula"; hypo, "sob"; physis, "crescimento") — compreende o lobo anterior da hipófise e faz parte do sistema endócrino. Ao contrário do lobo posterior,[1] o lobo anterior é genuinamente glandular, fazendo jus à raiz adeno do seu nome.

É uma glândula formada por cordões epiteliais anastomosados e rodeados de uma rede de sinuosidades. De acordo com a afinidade aos corantes, a adenoipófise apresenta dois grupos celulares: cromófilas (com granulações coráveis) a as cromofóbicas (sem granulações coráveis). Atualmente são identificados, com o uso da microscopia eletrónica , cinco tipos celulares na sua estrutura: corticotropos, gonadotropos, somatotropos, lactotropos e tirotropos.

Sob a influência do hipotálamo, a adenoipófise produz várias hormonas peptídeas reguladoras de vários processos fisiológicos, entre os quais o stress, o crescimento e a reprodução.

Regiões

A adenoipófise está dividida nas seguintes regiões:[1]

  • pars distalis ("parte distal") - a maior parte da adenoipófise, com função endócrina.
  • pars tuberalis ("parte tubular") - um folheto estendendo-se da pars distalis e envolvendo a haste hipofisária. A função desta zona ainda não está bem esclarecida.
En otros idiomas