Abuso sexual de menor

Série de artigos sobre
Pedofilia
Cronofilias relacionadas
Controvérsia pedofílica
Questões legais
Pedofilia na mídia
Crimes relacionados

Abuso sexual de menor, abuso sexual infantil ou abuso sexual de crianças é uma forma de abuso infantil em que um adulto ou adolescente mais velho usa uma criança para estimulação sexual. [1] [2] Formas de abuso sexual infantil incluem pedir ou pressionar a criança a se envolver em atividades sexuais (independentemente do resultado), exposição indecente (dos órgãos genitais, mamilos femininos, etc) para uma criança com a intenção de satisfazer os seus próprios desejos sexuais, ou para intimidar ou aliciar a criança, ter contato físico sexual com uma criança, ou usar uma criança para produzir pornografia infantil. [1] [3] [4]

Os efeitos do abuso sexual de crianças pode incluir depressão, [5] Transtorno de estresse pós-traumático, [6] ansiedade, [7] Transtorno de estresse pós-traumático complexo, [8] propensão a mais vitimização na idade adulta, [9] e lesão física em criança, entre outros problemas. [10] O abuso sexual por parte de um membro da família é uma forma de incesto e pode resultar em trauma psicológico mais sério e de longo prazo, especialmente no caso de incesto parental. [11]

Segundo a lei, "abuso sexual infantil" é um termo guarda-chuva que descreve infracções penais e cíveis na qual um adulto se envolve em atividade sexual com um menor ou explora um menor para propósito de gratificação sexual. [4] [12] A Associação Psiquiátrica Americana afirma que "crianças não podem consentir em atividade sexual com adultos", e condena qualquer ação por um adulto: "Um adulto que se envolve em atividade sexual com uma criança está realizando um ato criminoso e imoral que nunca pode ser considerado como um comportamento normal ou aceitável socialmente." [13]

Efeitos

Efeitos psicológicos

O abuso sexual infantil pode causar danos tanto a curto prazo quanto a longo prazo, incluindo psicopatologias mais tarde na vida. [10] [14] Indicadores e efeitos incluem depressão, [5] [6] [15] ansiedade, [7] transtornos alimentares, [16] baixa auto-estima, [16] somatização, [15] transtornos de sono, [17] [18] e transtornos dissociativo e de ansiedade incluindo estresse pós-traumático. [19] [20] Enquanto crianças podem apresentar comportamento regressivo, como sucção do polegar ou xixi na cama, o mais forte indicador de abuso sexual é a atitude sexual e inapropriado conhecimento e interesse sexual. [21] [22] As vítimas podem retirar-se das atividades escolares e sociais [21] e apresentar vários problemas de aprendizagem e comportamentais, incluindo crueldade contra animais, [23] [24] [25] déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), Desvio de conduta e Transtorno desafiador opositivo (TDO). [16] Gravidez na adolescência e comportamentos sexuais de risco podem aparecer na adolescência. [26] Crianças vítimas de abuso sexual demonstram quase quatro vezes mais incidência de automutilação. [27]

Um efeito negativo a longo prazo bem documentado é a vitimização repetida ou adicional na adolescência e na idade adulta. [9] [28] A relação causal foi encontrada entre abuso sexual na infância e várias psicopatologias adultas, incluindo crime e suicídio, [29] [30] [31] [32] [33] [34] além de alcoolismo e abuso de drogas. [28] [35] [36] Homens que foram abusados sexualmente quando crianças aparecem mais frequentemente no sistema de justiça criminal do que em um cenário de saúde mental clínico. [21] Um estudo que comparou mulheres já de meia-idade que foram abusadas quando crianças com homens não abusados e encontrou custos significativamente mais elevados de saúde para as mulheres. [15] [37] Efeitos inter geracionais foram anotados, onde os filhos de vítimas de abuso sexual apresentaram mais problemas de conduta, problemas com colegas e problemas emocionais do que seus pares. [38]

Ainda não foi identificado um padrão característico de sintomas específicos [39] e há várias hipóteses sobre a causalidade dessas associações. [5] [40] [41]

Estudos descobriram que 51% a 79% das crianças abusadas sexualmente apresentam sintomas psicológicos. [32] [42] [43] [44] [45] O risco de dano é maior se o abusador é um familiar, se o abuso envolve relação sexual ou tentativa de relação sexual, ou se as ameaça ou força são usados. [46] O nível de dano também pode ser afetada por vários fatores, tais como a penetração, a duração e frequência do abuso e uso de força. [10] [14] [47] [48] O estigma social do abuso sexual infantil pode combinar o dano psicológico a crianças, [48] [49] e os resultados adversos são menos prováveis ​​para as crianças abusadas que têm ambientes familiares supositivos. [50] [51]

Dissociação e Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)

Abuso infantil, incluindo o abuso sexual, especialmente abuso crônico de partida em idades precoces, foi encontrado estar relacionado com o desenvolvimento de níveis elevados de sintomas dissociativos, que inclui amnésia com relação as memórias de abuso. [52] Em casos de abuso sexual grave (penetração, vários autores, duração de mais de um ano), os sintomas dissociativos são ainda mais proeminentes. [53]

Além de Transtorno dissociativo de identidade (TDI) e Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), crianças vítimas de abuso sexual podem apresentar Transtorno de Personalidade Limítrofe (TPL) e distúrbios alimentares tais como bulimia nervosa. [54]

Fatores de pesquisa

Porque o abuso sexual infantil ocorre muitas vezes ao junto a outras variáveis ​​possivelmente conjuntas, tais como ambiente familiar miserável e abuso físico, [55] alguns estudiosos afirmam que é importante controlar essas variáveis em estudos que medem os efeitos do abuso sexual. [14] [40] [56] [57] Durante uma revisão da literatura relacionada em 1998, Martin e Fleming afirmaram "A hipótese apresentada neste trabalho é que, na maioria dos casos, o dano básico causado pelo abuso sexual em crianças é devido a capacidade da criança em desenvolver confiança, intimidade, agência e sexualidade, e que muitos dos problemas de saúde mental da vida adulta associados a histórias de abuso sexual infantil são efeitos de segunda ordem." [58] Outros estudos encontraram uma associação independente de abuso sexual de crianças com resultados psicológicos adversos. [7] [14] [40]

Efeitos físicos

Ferimentos

Dependendo da idade e tamanho da criança, bem como o grau de força utilizada, o abuso sexual infantil pode causar lacerações internas e sangramentos. Em casos severos, podem ocorrer danos em órgãos internos o que em alguns casos, pode causar a morte. [59] Herman-Giddens et al. encontraram seis casos certos e seis casos prováveis de morte devido a abuso sexual infantil na Carolina do Norte entre 1985 e 1994. As vítimas tinham idades entre 2 meses e 10 anos. As causas de morte incluíram trauma na genitália ou no reto e mutilação sexual. [60]

Infecções

O abuso sexual infantil pode causar infecções e doenças sexualmente transmissíveis. [61] Dependendo da idade da criança, devido à falta de suficiente lubrificação vaginal, as possibilidades de infecção são mais elevadas, sendo casos de vaginites. [61]

Danos neurológicos

A pesquisa têm mostrado que o estresse traumático, incluindo o estresse causado pelo abuso sexual, provoca mudanças notáveis no funcionamento do cérebro e e seu desenvolvimento. [62] [63] Vários estudos têm sugerido que o abuso sexual infantil grave pode ter um efeito deletério sobre o desenvolvimento do cérebro. Ito et al. (1998) encontrou "assimetria hemisférica invertida e uma maior coerência no hemisfério esquerdo em indivíduos vítimas de abuso"; [64] [65] Anderson et al (2002) registrou relaxamento transversal anormal de tempo no vermis cerebelar dos adultos abusados sexualmente na infância; [66] Teicher et al. (1993) descobriram que o abuso sexual infantil está associado com uma redução da área de corpo caloso, vários estudos têm encontrado uma associação da redução do volume do hipocampo esquerdo com o abuso sexual de crianças; [67] e Ito et al. (1993) encontraram aumento de anormalidades eletrofisiológicas em crianças abusadas sexualmente. [68]

En otros idiomas
한국어: 아동 성학대
Simple English: Child sexual abuse