3G

O padrão 3G é a terceira geração de padrões e tecnologias de telefonia móvel, substituindo o 2G. É baseado na família de normas da União Internacional de Telecomunicações (UIT),[1] no âmbito do Programa Internacional de Telecomunicações Móveis (IMT-2000).

Visão geral

As tecnologias 3G permitem às operadoras da rede oferecerem a seus usuários uma ampla gama dos mais avançados serviços, já que possuem uma capacidade de rede maior por causa de uma melhora na eficiência espectral. Entre os serviços, há a telefonia por voz e a transmissão de dados a longas distâncias, tudo em um ambiente móvel. Normalmente, são fornecidos serviços com taxas de 5 a 10 megabits por segundo.

Ao contrário das redes definidas pelo padrão IEEE 802.11, as redes 3G permitem telefonia móvel de longo alcance e evoluíram para incorporar redes de acesso à Internet em alta velocidade e Vídeo-telefonia. As redes IEEE 802.11 (mais conhecidas como Wi-Fi ou WLAN) são de curto alcance e ampla largura de banda e foram originalmente desenvolvidas para redes de dados, além de não possuírem muita preocupação quanto ao consumo de energia, aspecto fundamental para aparelhos que possuem pouca autonomia energética.

Até Dezembro de 2007, 190 redes 3G já operavam em 40 países e 154 redes HSDPA operavam em 71 países, segundo a Global Mobile Suppliers Association. Na Ásia, na Europa, no Canadá e nos Estados Unidos, as empresas de comunicações utilizam a tecnologia W-CDMA, com cerca de 100 terminais designados para operar as redes 3G.

Na Europa, os serviços 3G foram introduzidos a partir de Março de 2003, começando pelo Reino Unido e Itália. O Conselho da União Europeia sugeriu às operadoras 3G cobrirem 80% das populações nacionais europeias até ao final de 2005.

A implantação das redes 3G foi tardia em alguns países devido a enormes custos adicionais para licenciamento do espectro. Em muitos países, as redes 3G não usam as mesmas frequências de rádio que as 2G, fazendo com que as operadoras tenham que construir redes completamente novas e licenciar novas frequências; uma exceção são os Estados Unidos em que as empresas operam serviços 3G na mesma frequência que outros serviços. Os custos com licença em alguns países europeus foram particularmente altos devido a leilões do governo de um número limitado de licenças e a leilões com propostas confidenciais, além da excitação inicial sobre o potencial do 3G. Outros atrasos se devem a despesas com actualização dos equipamentos para os novos sistemas.

Em junho de 2007, o assinante 3G de número 20 milhões foi conectado. Se comparado aos 300 milhões de assinantes de telefonia móvel no mundo, esse número corresponde apenas a 6,7%. Nos países onde a 3G foi lançada inicialmente (Japão e Coreia do Sul), mais da metade dos assinantes utilizam 3G. Na Europa, o país líder é a Itália, com um terço dos seus assinantes tendo migrado para a 3G. Outros países líderes na migração para a 3G são o Reino Unido, a Áustria e a Singapura, com 20% de migração. Uma estatística confusa está computando clientes de CDMA 2000 1x RTT como se fossem clientes 3G. Se for utilizada essa definição de carácter disputado, o total de assinantes 3G seria de 475 milhões em Junho de 2007, 15,8% dos assinantes de todo o mundo.[2]

En otros idiomas
azərbaycanca: 3G
беларуская (тарашкевіца)‎: 3G
български: 3G
বাংলা: ৩জি
bosanski: 3G
català: 3G
čeština: 3G
dansk: 3G
Deutsch: IMT-2000
English: 3G
euskara: 3G
suomi: 3G
français: 3G
ગુજરાતી: ૩જી
עברית: דור 3
हिन्दी: ३जी
hrvatski: 3G
magyar: 3G
հայերեն: 3G
Bahasa Indonesia: 3G
íslenska: 3G
italiano: 3G
Basa Jawa: 3G
ಕನ್ನಡ: 3ಜಿ
Кыргызча: 3G
lietuvių: 3G
latviešu: 3G
македонски: 3G
മലയാളം: 3ജി
मराठी: थ्रीजी
Bahasa Melayu: 3G (Generasi Ketiga)
नेपाली: थ्री जी
Nederlands: 3G
norsk nynorsk: 3G
norsk: 3G
Kapampangan: 3G
polski: 3G
română: 3G
русский: 3G
саха тыла: 3G
Scots: 3G
slovenčina: 3G
Soomaaliga: 3G
Basa Sunda: 3G
svenska: 3G
தமிழ்: 3ஜி
తెలుగు: 3G
ไทย: 3 จี
Tagalog: 3G
Türkçe: 3G
українська: 3G
اردو: 3 جی
oʻzbekcha/ўзбекча: 3G
Tiếng Việt: 3G
吴语: 3G
中文: 3G
粵語: 3G